O maior canal de informação do setor

Estados têm dificuldade em mapear profissões mais atingidas pela covid-19

105

As secretarias de Saúde de pelo menos 16 unidades da federação apresentam dificuldades para mapear quais categorias de profissionais mais deram entradas em hospitais por causa da covid-19, ainda que o sistema de notificação da doença permita a indicação da ocupação do paciente ao fazer o registro no serviço de saúde.

O problema foi identificado em Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. As secretarias de Saúde do Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins não retornaram o contato feito pelo Poder360.

Segundo o Ministério da Saúde, o procedimento de informação de casos e óbitos da covid-19 segue de acordo com a CBO (Classificação Brasileira de Ocupações) para sinalizar a profissão, mas o preenchimento da informação não é obrigatório. Por isso, ‘não é possível realizar um levantamento exato de dados com o recorte de profissões’, informa a pasta.

Os Estados reúnem os registros de profissionais de saúde e das Forças Armadas que contraíram ou foram internados pela doença, como é o caso do Distrito Federal, que observa que só possui os registros dos pacientes em tempo real.

Segundo a epidemiologista Ethel Maciel, o recorte por profissão é fundamental para ajudar a traçar prioridades enquanto não há vacinas disponíveis para todos os brasileiros. De acordo com ela, o grupo de trabalhadores essenciais inclui muitos jovens que se movimentam pela cidade, andam de transporte coletivo e ficam expostos ao público, como os atendentes de comércio. Para a pesquisadora, os dados seriam necessários para analisar ‘se valeria a pena abrir a campanha de vacinação para esses grupos (serviços essenciais)’.

‘Seria importante saber por profissão quem é que está se expondo e morrendo mais para poder começar a trabalhar por grupos profissionais ao invés, talvez, de por idade’, afirma a epidemiologista. Ela diz que o mapeamento auxiliaria na promoção de políticas públicas e de outras ações de prevenção direcionadas a grupos específicos.

O recorte possibilitaria também o entendimento da evolução da covid-19 no país e se os contágios ocorrem dentro ou fora de casa. ‘É um dado importante em qualquer tipo de doença. A principal relação causal é com o grau de movimentação de pessoas. Quanto mais elas se movimentam, maior a chance de encontrar uma pessoa infectada’, alerta Gonzalo Vecina, médico sanitarista e ex-diretor da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). ‘É relevante e deveria ser seriamente preenchido’, completa.

Segundo Vecina, o Brasil adotou o modelo do plano de imunização do hemisfério Norte, que deixa os jovens no fim da fila na campanha de vacinação, como é feito nos Estados Unidos e Reino Unido. No entanto, o planejamento não se aplica integralmente à realidade brasileira.

Esta reportagem foi produzida pela estagiária em jornalismo Geovana Melo, sob supervisão do editor Samuel Nunes.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2021/05/10/diadema-alega-que-perdeu-2-272-doses-de-vacina-contra-covid-19/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação