O maior canal de informação do setor

Estudo abre portas a nova geração de medicamentos contra vírus

149

Uma equipe interdisciplinar de pesquisadores descobriu e testou uma molécula que abre caminho para o desenvolvimento de uma nova geração de medicamentos contra vírus e parasitas, anunciou hoje (20) a Universidade de Coimbra (UC), em Portugal.

Veja também: Policia Civil do Rio recebe novos equipamentos de análise científica

Pesquisadores de várias instituições científicas nacionais descobriram e testaram ‘uma molécula com um perfil revolucionário, que abre caminho de um novo antimicrobiano de largo espectro, com potencial de aplicação na prevenção e tratamento de múltiplos tipos de infecções virais, endêmicas e pandêmicas, e também doenças parasitárias, como a malária’, afirma a UC em nota enviada à Agência Lusa.

Siga nosso Instagram

Designada BSS730A, a molécula, que é ‘derivada da penicilina, umas das mais conhecidas do mundo, foi descoberta no âmbito do projeto Spiro4MALAIDS e resulta de vários estudos realizados ao longo dos últimos nove anos pelo Grupo de Química Orgânica da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC)’.

o projeto Spiro4MALAIDS é coordenado pela professora Teresa Pinho e Melo, do Departamento de Química da FCTUC, e tem a participação de pesquisadores da Universidade de Lisboa, por meio do Instituto de Medicina Molecular e da Faculdade de Farmácia, e do Instituto Universitário Egas Moniz.

Os diversos ensaios pré-clínicos realizados com diferentes vírus – entre eles o HIV e várias estirpes do vírus da gripe (com potencial pandêmico) e em parasitas como o que provoca a malária – são muito promissores.

‘A molécula apresentou atividade notável contra os diferentes vírus e parasitas testados. Em concentrações muito baixas, a eficácia na inibição das infecções atingiu os 99%’, disse Nuno Alves, aluno de doutorado da FCTUC e membro da equipe.

Os resultados obtidos, destaca, indicam que a nova molécula ‘tem comportamento completamente diferente dos medicamentos que se encontram no mercado. Enquanto os antivirais convencionais atuam sobre a maquinaria do próprio vírus, a molécula BSS730A atua ao nível do hospedeiro, promovendo uma resposta do próprio hospedeiro contra o vírus’.

‘Um mecanismo desse tipo, além de ter um perfil farmacoterapêutico inovador, está muito menos sujeito ao desenvolvimento de resistência por parte dos vírus’, ou seja, ‘verificou-se que a molécula mostrou ser ativa contra estirpes multirresistentes dos mesmos vírus’.

Observando os mecanismos que a molécula utiliza para exercer a sua atividade, os investigadores acreditam que existem boas perspectivas para ‘inativar outros vírus além dos estudados’.

É uma molécula que ‘poderá ter atividade para novas ameaças virais que possam emergir no futuro, representando uma nova geração de medicamentos antivirais e antiparasitários de largo espetro, muito mais eficazes do que os atuais’, afirma, citado pela UC, o investigador do Departamento de Química da FCTUC.

A equipe pretende avançar com a realização de ensaios clínicos dentro de três anos, mas precisa de financiamento.

‘Um projeto desse tipo requer aporte financeiro considerável, da ordem de 2 milhões de euros’, estima Nuno Alves. Justamente com o objetivo de angariar financiamento que permita avançar com o desenvolvimento dessa tecnologia, está em fase de conclusão a criação de uma startup.

Além de Teresa Pinho e Melo e Nuno Alves, a equipe do projeto inclui os professores Nuno Taveira (Instituto Universitário Egas Moniz) e Miguel Prudêncio (IMM da Universidade de Lisboa) e os pesquisadores Américo Alves (FCTUC) e Inês Bártolo (Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa).

Fonte: Radar Amazônico

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação