fbpx

Farmacêuticas aumentam stocks antes do Brexit

A farmacêutica francesa Sanofi é a mais recente empresa do sector a armazenar fármacos devido à incerteza em torno da saída do Reino Unido da União Europeia.

Segundo o diário britânico The Guardian, o fornecimento de medicamentos pode ser interrompido quando a Grã-Bretanha deixar a União Europeia. É necessário que até março do próximo ano se conheça os contornos da decisão, para não ocorrerem atrasos nas fronteiras e nos transportes.A Sanofi é uma grande produtora de insulinas e vacinas. 

Também as farmacêuticas AstraZeneca e a MSD (conhecida como Marck & Co nos EUA) anunciaram planos de armazenamento de fármacos.

“A incerteza nas negociações do Brexit significa que a Sanofi está a planear um cenário de não concordo. A segurança do doente é a nossa principal prioridade e fazemos acordos para aumentar a capacidade de armazenamento para guardarmos mais produtos”, disse Hugo Fry, diretor administrativo da operação da Sanofi no Reino Unido.

O cenário de ausência de acordo com a União Europeia sobre as modalidades do Brexit está a forçar os fabricantes de medicamentos a prepararem-se para regras diferentes de acesso ao mercado britânico.

De acordo com a Federação Europeia das Indústrias e Associações, todos os meses cerca de 45 milhões de medicamentos vão para o Reino Unido.

A fábrica anglo-sueca AstraZeneca aumentou o stock para 20 por cento, em depósitos no Reino Unido e em portos da UE.

Pascal Siriot, diretor executivo da empresa, disse na semana passada que estava preocupado com o aumento de stock: “Nós nem sabemos como é que os remédios vão passar as fronteiras”.

O grupo farmacêutico norte-americano MSD também tem planos para aumentar o stock de medicamentos até seis meses, ainda segundo o Guardian.

Mike Rawlins, presidente da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde, alertou que a insulina importada pelo Reino Unido tem de ser controlada por temperatura.

Além do fabrico de medicamentos para a asma, a GlaxoSmithKline – maior empresa farmacêutica da Grã-Bretanha – faz medicamentos para o HIV e vacinas. A empresa disse que forneceria fármacos em caso de interrupção.

Um porta-voz da GSK – farmacêutica multinacional britânica – disse “garantir que os pacientes tenham acesso aos medicamentos e vacinas de que necessitam é uma prioridade da GSK. É por isso que continuamos a implementar planos de contingência para minimizar a interrupção do fornecimento desses produtos”.

A GSK começou a implementar planos de contingência em janeiro.

Fonte: RTP Notícias

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/09/10/quem-sao-as-10-farmaceuticas-com-melhor-posicionamento-nas-midias-digitais/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra