O maior canal de informação do setor

Farmácias da cidade sofrem com falta de remédios para gripe

383

A epidemia da gripe está avançando em diversos estados do Brasil, dentre eles, o Rio de Janeiro, e em Petrópolis não é diferente. A UPA Cascatinha é referência no atendimento de pessoas com sintomas respiratórios na cidade e, desde o início da semana passada, registrou um número de atendimentos três vezes maior que o normal. Cresceu assim também a procura por remédios para o tratamento da doença que estão, em sua maioria, em falta na cidade.

Veja também: Empresários do ramo de medicamentos motivam equipe, driblam a crise e comemoram o sucesso

Em um levantamento realizado pelo Diário com nove farmácias da cidade, em foco as do Centro e de Itaipava, foi observado que o atraso na entrega ou a falta de remédios para gripe é quase geral. As farmácias pesquisadas foram: Drogaria Tamoio, CityFarma, Farmácia Petrópolis, Drogaria Carneiro, Drogaria Popular de Petrópolis, Farmácia Pague Menos, Drogaria Galanti, Drogarias Legítima e Itacenter Farmácia.

Siga nosso Instagram

Apenas a Farmácia Pague Menos, no Centro, afirmou não estar tendo nenhuma falta dos fármacos. A Drogaria Popular de Petrópolis, no Itamarati, disse que apenas um ou dois estão em falta, mas que o maior problema é o atraso na entrega dos remédios, apesar disto ainda não ter prejudicado o estoque.

Os principais remédios em falta nas outras sete farmácias são os geralmente mais usados, como o Benegripe, Multigripe, Gripal C, pastilhas para dores de garganta e xaropes diversos. A atendente da Drogaria Galanti explicou que, desde o começo do aumento dos casos de gripe na cidade, estes remédios mais populares entraram em falta. Ela diz que até mesmo remédios populares para dor, como a Dipirona, também está em falta em alguns locais.

A falta de um remédio específico se destaca, o Tamiflu, fármaco antiviral que age impedindo a multiplicação do vírus e bloqueando as ações da gripe. A atendente explica que este é um dos principais remédios usados no combate à doença. Porém, a falta dele se mostrou geral no levantamento, já que oito farmácias responderam que o remédio não está disponível e uma delas, a Pague Menos, disse não trabalhar com o produto.

Como se prevenir?

O Doutor Antônio Luiz Chaves Gonçalves é infectologista e professor da UNIFASE Petrópolis e explica que os casos de gripe que estão aparecendo neste fim de ano, são referentes ao vírus da Influenza A. Segundo ele, é importante que toda a população se vacine anualmente, em especial nos meses de março, abril e maio, para que no inverno todos já tenham imunidade suficiente para combater o vírus. Ele diz ainda que esta estação é a mais propícia para a proliferação do vírus: ‘É no inverno que o vírus da gripe se multiplica com mais facilidade, no tempo seco e frio’.

Apesar da época mais fria do ano ser a principal para a disseminação da gripe, o vírus teve mais dificuldade na estação deste ano, já que grande parte da população estava preocupada com a covid, usando máscaras, higienizando as mãos e tomando todos os demais cuidados contra a doença, que também servem para a prevenção da gripe. Porém, com as pessoas se imunizando contra a covid, a população começou a negligenciar alguns destes cuidados respiratórios, e com o vírus da gripe já em grande quantidade nas comunidades, ele começou a se disseminar entre a população que estava sem as defesas necessárias para combatê-lo.

A importância da vacinação

O médico ressalta que este aumento em nada tem a ver com a pandemia da covid-19, mas diz que houve certo descuido da população em relação ao vírus da gripe. ‘O que aconteceu este ano é que a população, preocupada com a covid, foi procurar os postos para tomar as vacinas contra a covid, mas não tomaram a da gripe, então tivemos um grande percentual da população que não estava vacinada contra o vírus da gripe’ diz ele.

As principais recomendações do infectologista são para que todos continuem mantendo os cuidados respiratórios e que quem não tomou a vacina, procure os postos públicos ou centros de vacinação particulares e se vacinem, ‘a vacina que temos nos postos funciona muito bem contra este vírus que está sendo disseminado em Petrópolis’diz ele. Antônio lembra ainda que, no ano que vem, será necessário tomar novamente a vacina da gripe, já que o vírus sofre mutações e todo ano surgem novas variantes.

Em Petrópolis mais de 122 mil moradores receberam o imunizante contra a influenza, considerando o público alvo, o município tem 68,9% de cobertura. Apesar da campanha de Imunização ter se iniciado em abril e sido realizada até julho, as doses continuam disponíveis nos postos de vacinação.

Fonte: Diário de Petrópolis

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação