O maior canal de informação do setor

Foto da CoronaVac fabricada em abril mostra produto enviado para testes

277

Informações contidas na foto de uma embalagem da CoronaVac –imunizante da farmacêutica chinesa Sinovac, que está em testes no Brasil– têm gerado questionamentos em redes sociais. Isso porque a vacina ainda não teve a liberação para ser comercializada. Mesmo assim, consta na imagem que as doses foram fabricadas no dia 9 de abril de 2020.

A imagem alvo de controvérsia foi divulgada pelo Instituto Butantan, que realiza as pesquisas no Brasil, em parceria com a Sinovac, quando os testes no Brasil foram liberados. O Poder360 usou a mesma foto em algumas reportagens, como as que podem ser conferidas aqui e aqui.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

O Butantan explicou que o produto da foto se trata de uma vacina em desenvolvimento que seria utilizada nos estudos clínicos da fase 3. Mesmo não estando liberada para comercialização, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) exige que as embalagens contenham número de lote, data de fabricação e prazo de validade. As informações são da Agência Lupa.

“Essas informações são exigidas pela Anvisa a partir de regulamentações e como parte da rastreabilidade do material”, informou o Butantan em nota.

Receba a newsletter do Poder360

O desenvolvimento da vacina para a covid-19 pela farmacêutica chinesa Sinovac começou no fim de janeiro de 2020. Em 14 de abril, o produto recebeu a aprovação para ser usado em testes com humanos.

A fabricação do imunizante começou a ocorrer naquele mês para que ele pudesse ser utilizado nos ensaios clínicos, necessários para analisar sua eficácia e segurança. Atualmente, a CoronaVac está na fase 3 de testes, último estágio do desenvolvimento.

Em 11 de junho, a empresa assinou contrato com o Instituto Butantan para produzir e testar a imunização no Brasil. Em 30 de setembro, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou a aquisição de 46 milhões de doses da vacina até dezembro deste ano.

No Brasil, a 1ª e a 2ª fases de testes da vacina da Sinovac contaram com 743 voluntários no total, entre 18 e 59 anos, sendo 143 pessoas na primeira etapa e 600, na segunda. Ambos os estudos foram randomizados, com duplo-cego e controlados por placebo.

A Sinovac informou que obteve 90% de êxito nos resultados ao induzir a produção de anticorpos neutralizantes nos voluntários. Uma autorização de uso emergencial, que permitiu a vacinação de 50.027 voluntários na China, mostrou que 94,7% deles não tiveram nenhuma reação adversa.

Fonte: Poder 360

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação