O maior canal de informação do setor

Inflação deve ficar acima do centro da meta pelo 3º ano consecutivo

108

O Brasil deve fechar 2021 com a inflação acima do centro da meta pelo 3º ano consecutivo. A inflação de 2021 deve fechar em 8,5%, segundo divulgou o BC (Banco Central) em 30 de setembro. Economistas ouvidos pelo Poder360 trabalham com a hipótese de 8,6% a 9% para o IPCA (índice de Preços ao Consumidor Amplo). Não descartam também a possibilidade de fechar em 2 dígitos. Mas dizem que a chance é menor.

O economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, assim como o BC, tem a aposta no arrefecimento do índice no acumulado de 12 meses até o fim do ano, mas reconhece que é possível que 2021 feche com a inflação em 2 dígitos.

‘Com a inflação a 10% no acumulado de 12 meses, e com a expectativa de convergência de fechar o ano abaixo disso, em 8,5%, existe sim a possibilidade de ela permanecer acima dos 10%’, disse.

A inflação de setembro chegou a 1,16%, maior taxa desde setembro de 1994 e alcançou os 2 dígitos no acumulado de 12 meses, 10,25%. Étore Sanchez diz que é cedo para falar em ‘melhora da dinâmica inflacionária’, mas afirmou que resultados surpreenderam positivamente o mercado, que previa uma inflação ainda maior para setembro. Combustíveis e energia devem continuar impactando nos índices inflacionários.

Para a economista da XP Investimentos, Tatiana Nogueira, o que explica a alta do IPCA é o choque de oferta muito forte. De acordo com ela, houve uma pressão muito forte que coincidiu com a reabertura mundial por conta do arrefecimento da pandemia e do avanço da vacinação.

TAXA SELIC A 9,25% EM 2022

De acordo com ambos os economistas, o valor da Selic deve ser fixado em 9,25% na 1ª reunião do BC de 2022. O objetivo é controlar a inflação. Resultado deve ser visto só a partir do 2º semestre.

‘Mesmo levando os juros a 9,25, não é suficiente. A Selic teria que ir a perto de 11% no início do ano, para que tivéssemos a inflação na meta. Grande parte das altas que enxergamos para o ano que vem não são sensíveis, não são passíveis da política monetária mais contracionista’, destaca Tatiana Nogueira.

Para a economista, o BC não deve elevar a taxa acima dos 9,25% porque isso impacta no valor do PIB.

‘O BC não eleva a inflação para mais, porque acabaria levando o PIB ainda mais para baixo, causando um trabalho muito grande na atividade, para entregar a inflação na meta’, explica.

IMPACTO PRÁTICO NA POPULAÇÃO

Étore Sanchez diz que a alta inflacionária impacta diretamente no poder de compra das pessoas. Com a alta, o poder de consumo cai e consequentemente a desigualdade entre mais ricos e mais pobres cresce.

‘A gente não consome preço, consumimos bens e serviços em quantidade. Eu consumo uma unidade de água, uma unidade de refrigerante. Se o preço subiu eu vou deixar de consumir tantas unidades, então isso corrói o nosso poder de compra. No final das contas há um impacto assimétrico da inflação entre ricos e pobres, aumentando ainda mais essa disparidade’, afirmou.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/mercado-volta-a-elevar-estimativas-da-inflacao/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação