fbpx
O maior canal de informação do setor

IPO da d1000 movimenta R$ 460 milhões

1.890

IPO da d1000 movimenta R$ 460 milhões

 

 

A d1000, divisão de varejo da Profarma, movimentou R$ 460,1 milhões em sua oferta inicial de ações (IPO), saindo a R$ 17 por papel. De acordo com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), foram vendidas 27.066.635 ações na operação, que envolve apenas oferta primária.

O capital da operação, coordenada pela XP Investimentos, líder da oferta, e pelo BB Investimentos, será usado para a redução de endividamento e para a abertura lojas. Constituída em 2016, a d1000 integra as redes DrogasmilFarmalifeDrogarias Tamoio e Drogaria Rosário, que totalizam 300 pontos de venda distribuídos por Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Tocantins.

É o 13º maior grupo do setor em faturamento de acordo com o ranking da Abrafarma, sendo líder nesse quesito no Centro-Oeste. Conta com 5.200 colaboradores e atende cerca de 3 milhões de consumidores por mês.

Redes apostam na bolsa

Outras redes de farmácia também anunciaram IPO. A Panvel, espera movimentar até R$ 1,2 bilhão. A operação será primária, com a previsão de alocar R$ 603 milhões diretamente para a empresa, e também secundária – neste caso, a projeção é destinar R$ 592 milhões para os acionistas, entre eles os fundos KineaPetros e outras pessoas físicas.

De acordo com a rede, os recursos captados na oferta primária serão voltados ao investimento em novas lojas e em plataformas de tecnologia. No início do ano, a rede gaúcha havia manifestado a intenção de inaugurar 500 lojas entre 2020 e 2024, das quais 470 na Região Sul. Hoje com cerca de 450 pontos de venda, a companhia tem share de 35% no Rio Grande do Sul, 11% em Santa Catarina e 10% no Paraná.

As Farmácias Nissei, líder no varejo farmacêutico paranaense, iniciou os preparativos para um IPO de R$ 1 bilhão. A operação deve entrar na CVM em meados de setembro e ser precificada até o fim do ano. O objetivo é levantar recursos que sustentem o crescimento orgânico e a quitação de dívidas com o Farallon Capital, que financiou a companhia com um mezanino de R$ 150 milhões em outubro de 2017.

As Farmácias Pague Menos podem levantar mais de R$ 1 bilhão em sua oferta pública inicial de ações. A faixa estimativa de preço para a oferta é que cada ação seja vendida entre R$ 10,22 e R$ 12,54. A Pague Menos informou que, em um primeiro momento, serão ofertadas 87.873.463 ações, porém as operações podem ser acrescidas de um lote suplementar de 13.181.019 papéis, o que representa 15% da oferta base.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico


Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/08/06/netflix-das-farmacias-garante-crescimento-de-30-ao-ano-com-cursos-de-gestao/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação