O maior canal de informação do setor

Mais uma variante do coronavírus descoberta por cientistas britânicos já chegou a 13 países

125

Treze países já detectaram uma nova variante preocupante do novo coronavírus batizada com a sigla B1525. Depois da cepa mais contagiosa B.1.1.7, descoberta no Reino Unido, a nova linhagem contém uma série de mutações, incluindo a E484K, também presente nas variantes brasileira e sul-africana. Os cientistas britânicos ainda não sabem se a nova cepa é resistente às vacinas distribuídas atualmente.

Siga nosso instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Pesquisadores da Universidade de Edimburgo (Escócia) relataram que a nova mutação foi identificada pelo sequenciamento do genoma do Sars-CoV-2. Os países mais afetados pela variante são Reino Unido (39 casos), Dinamarca (35), Nigéria (29) e Estados Unidos (10). Haveria cinco casos na França, de acordo com o estudo revelado pelo jornal britânico The Guardian.

Acredita-se que esta variante contenha uma série de mutações preocupantes, incluindo a E484K, localizada na proteína Spike do vírus, que desempenha um papel importante na invasão das células. Estudos têm demonstrado que, graças a essa alteração, o coronavírus seria capaz de resistir parcialmente aos anticorpos, o que reduziria a eficácia das vacinas. Os primeiros casos identificados datam de meados de dezembro e foram descobertos no Reino Unido e na Nigéria.

Em declaração ao The Guardian, Simon Clarke, professor de microbiologia celular da Universidade de Reading, disse que ainda não é possível antever se essa variante irá se espalhar. “Mas, se for bem-sucedida, pode-se presumir que a imunidade de qualquer vacina ou dada por infecção anterior será enfraquecida”, afirmou o especialista.

Também ouvido pelo The Guardian, o virologista Jonathan Stoye, diretor de pesquisa do Instituto Francis Crick, de Londres, vê uma vantagem na detecção precoce dessa nova cepa. Como essa mutação E484K parece decisiva, é necessário, de acordo com o especialista, adaptar as vacinas para que tenham como alvo prioritário essa mutação. As farmacêuticas Moderna e AstraZeneca já anunciaram que estão trabalhando em uma nova versão de sua vacina adaptada à variante sul-africana.

De acordo com a agência de saúde pública britânica, atualmente não há evidências de que esse conjunto de mutações encontrado na cepa B1525 cause doenças mais graves ou aumente a transmissibilidade do vírus.

Novos casos recuam no mundo, diz OMS

O número de novos casos da Covid-19 registrados no mundo diminuiu 16% na semana passada (2,7 milhões), anunciou na terça-feira (16) a OMS (Organização Mundial da Saúde). O total de novos óbitos notificados também caiu 10% em relação à semana anterior.

Cinco das seis regiões do mundo estudadas pela OMS relataram uma redução de dois dígitos no número de novos casos. Apenas o leste do Mediterrâneo apresentou um aumento de 7%. Na semana passada, os casos positivos tiveram queda de 20% na África e no Pacífico Ocidental, 18% na Europa, 16% na América do Sul e 13% no Sudeste Asiático.

A variante mais contagiosa do coronavírus descoberta pela primeira vez no Reino Unido tinha chegado na semana passada a 94 países, enquanto a sul-africana foi detectada em 46 territórios, a metade, com transmissão local em pelo menos 12 deles. Já a variante brasileira também foi detectada em 21 países.

Fonte: Jornal Regional

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2021/02/15/profarma-specialty-busca-ampliacao-nas-regioes-norte-nordeste-e-sul/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação