fbpx

Mesmo com pressão, Copom diz que choque inflacionário é temporário

O choque de inflação é temporário, informou o Copom (Comitê de Política Monetária) nesta 4ª feira (28.out.2020). O colegiado manteve a taxa básica Selic em 2% ao ano. Eis a íntegra (54 KB).

“Apesar da pressão inflacionária mais forte no curto prazo, o comitê mantém o diagnóstico de que esse choque é temporário, mas monitora sua evolução com atenção”, afirmou o texto publicado depois da decisão.

A inflação tem superado as expectativas dos economistas do mercado financeiro nos últimos meses, puxada, principalmente, pelos preços dos alimentos. Em setembro, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) foi de 0,64%, o maior patamar para o mês desde 2003.

A prévia da inflação de outubro, medida pelo IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15), atingiu 0,94% –o maior resultado para o mês desde 1995.

Os resultados foram acima do esperado, segundo o comunicado.

Para cumprir a meta de inflação de 2020, o BC precisa atuar para que o IPCA fique no intervalo de 2,5% a 5,5%, sendo que o centro da meta é 4%. Será menor em 2021: de 2,25% a 5,25%, já que o centro da meta será 3,75%.

A política monetária tem efeito defasado na economia e, por isso, os diretores do Banco Central observam com atenção o comportamento de preços para não haver descontrole do IPCA nos próximos anos.

O nível atual da Selic, de 2% ao ano, é adequado para o cenário inflacionário atual, disse. “O comitê entende que essa decisão [de manutenção de juros] é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante, que inclui os anos-calendário de 2021 e 2022”.

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, disse que, por ser 1 efeito temporário de alta na inflação, a alta de preços não é alvo da política monetária.

“Eu achei muito forte o trecho do comunicado que diz que as expectativas de inflação se encontram significativamente abaixo da meta da inflação para o horizonte da política monetária”, ressaltou. “É 1 sinal de que não haverá alterações na política monetária no curto prazo, já que o choque de preços é momentâneo”.

O Copom sinalizou que será preciso ter 1 choque mais robusto do que o atual para que haja mudança do patamar da Selic. “Para que se tenha 1 processo de elevação de juros precisa ter um rompimento da meta das expectativas de inflação. Como não há, mantive a minha avaliação de que a Selic ficará em 2% até o fim de 2021”, disse Sanchez.

O analista da Ativa Investimentos estima que a inflação ficará em 2,3% em dezembro do próximo ano. Só vai se aproximar do centro da meta só em 2021.

Breno Martins, trader da MAG Investimentos, afirmou que a decisão de manutenção da Selic era esperada pelo mercado. Disse que o prolongamento do risco fiscal está no radar do Banco Central para possíveis desequilíbrio na política monetária.

“O mercado está muito dividido por conta do risco fiscal. O nosso cenário base é de manutenção do teto. Se houve manutenção de programa social deve ser dentro do teto”, disse.

ATIVIDADE ECONÔMICA

O colegiado disse que os indicadores recentes de atividade econômica sugerem “recuperação desigual” entre os setores –fato que é registrado em outros países. Os setores mais afetados pelo distanciamento social são os que mais estão deprimidos, mesmo com a “recomposição da renda gerada pelos programas de governo”.

A incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia está “acima do usual”.

A alta dos preços está ligada ao setor alimentício e de bens industriais, consequência da depreciação do real frente ao dólar. Analistas afirmou que o consumo desses itens é motivado pelos programas de transferência de renda, em especial o auxílio emergencial.

No último Boletim Focus do Banco Central, o relatório de estimativas do mercado financeiro, os analistas estimaram que a Selic terminará 2021 em 2,75% ao ano. Ou seja, 0,75 ponto percentual acima do patamar atual.

A projeção há uma semana era de 2,5% ao ano. Os operadores do mercado aumentaram a estimativa porque a inflação tem demonstrado força nos últimos meses.

As expectativas de inflação do Copom estão em 3,1% (2020), 3,1% (2021) e 3,3% (2022). Nesse cenário, o Copom estima que a Selic fechará este ano em 2% ao ano. Nos anos seguintes, ficará em 2,75% e 4,5%, respectivamente.

“No cenário com taxa de juros constante a 2,00% a.a. e taxa de câmbio partindo de R$5,60 […] as projeções de inflação situam-se em torno de 3,1% para 2020, 3,2% para 2021 e 3,8% para 2022”, disse o Copom.

O comitê repetiu os comunicados anteriores ao dizer que há riscos para ambos os lado para a inflação. A atividade econômica fraca, potencializada pela pandemia, produz trajetória de inflação abaixo do esperado. Citou o setor de serviços como o mais prejudicado nesse grau de desaquecimento.

O outro lado é o prolongamento das políticas fiscais de resposta à pandemia, como o auxílio emergencial. Os gastos públicos elevados podem piorar a trajetória da dívida e aumentar o risco da economia brasileira.

“O risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos, ou seja, com trajetórias para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária”, afirmou o Copom. “Questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia”.

CENÁRIO EXTERNO

De acordo com o colegiado, a “forte retomada em alguns setores produtivos” no exterior parece sofrer desaceleração nos dados mais atuais. Em parte, diz, decido aos novos registros de casos de covid-19 no mundo. Alguns países da Europa voltaram a adotar lockdown, como a Espanha e a Alemanha.

“Há bastante incerteza sobre a evolução desse cenário, frente a uma possível redução dos estímulos governamentais e à própria evolução da covid-19”, afirmou o comunicado. O texto disse que houve moderação na volatilidade nos ativos financeiros, o que resulta em 1 ambiente “relativamente favorável para economias emergentes”.

Nesta 4ª feira (28.out.2020), porém, os mercados financeiros globais desabaram em razão das novas medidas de isolamento. O Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), tombou 4,25%. O dólar subiu para R$ 5,76.

SELIC

A Selic está em 2% ao ano desde a reunião feita em agosto de 2020. Foi a 2ª vez consecutiva que o Copom decide manter os juros neste patamar. Os encontros são feitos a cada 45 dias. Em setembro, o colegiado interrompeu o ciclo de 9 cortes na Selic consecutivos.

Fonte: MSN

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra