O maior canal de informação do setor

Mudanças no IOF passam a valer; veja como isso atinge o seu bolso

212

Passam a valer a partir desta segunda-feira (20) as novas alíquotas do Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro (IOF). A medida é polêmica, uma vez que aumenta a carga tributária para financiar o novo programa que substitui o Bolsa Família do governo Jair Bolsonaro, o Auxílio Brasil.

Veja também: 67% dos brasileiros reduziram consumo de carne e 47%, de pão francês

O IOF é apurado diariamente e, pelas novas regras, a alíquota ficará desta forma:

– Operações para pessoas físicas: a alíquota diária de 0,0082% (até 3% ao ano) passará a ser de 0,0112% (até 4,11% aa);

– Operações para pessoas jurídicas (empresas): a alíquota diária de 0,0041% (até 1,50% aa) passará a ser de 0,00559% (até 2,04% aa).

Apenas as Pessoas Jurídicas do Simples Nacional, como MEIs, não terão aumento no IOF.

Siga nosso Instagram

Quando eu pago IOF?

Alguns exemplos mais comuns de cobrança do IOF no dia a dia incluem:

– Usar o cartão de crédito em compras fora do país (online ou presencialmente);

– Atrasar o pagamento da fatura (pois o valor entra no rotativo)

– Comprar ou vender moeda estrangeira;

– Fazer um empréstimo ou financiamento;

– Usar o cheque especial ou crédito rotativo;

– Resgatar um investimento;

– Fazer um seguro.

O que muda com o aumento?

A manobra da equipe econômica conduzida por Paulo Guedes é uma forma de driblar a falta de espaço para criar programas como o Auxílio Brasil, ou turbinar a agenda de investimentos do governo. Inicialmente, a proposta original era conseguir, via PEC no Congresso, uma prorrogação nos pagamentos de precatórios – dívidas judiciais da União com pessoas físicas e jurídicas – na casa dos R$ 90 bilhões para o ano que vem –, mas a medida é vista como “calote” e será judicializada no Judiciário.

Sem a PEC dos Precatórios, o governo optou por onerar os brasileiros.

De acordo com uma cartilha do Nubank, o aumento não será para todas as operações sobre as quais o IOF incide. Está previsto que a mudança atinja apenas as operações de crédito, como empréstimos e financiamentos. Neste caso, o IOF é composto por uma alíquota fixa mais uma alíquota diária, onde apenas a taxa diária ficou mais cara.

Em um empréstimo, o cliente paga parcelas mensais que já contém juros. Por exemplo, uma pessoa pegou R$1 mil para ser pago em 30 dias. Os juros são R$50. Com a mudança anunciada no IOF, muda apenas o IOF diário pago.

É importante prestar atenção em dívidas como cheque especial, que possui uma das taxas mais caras do mercado. Essa dívida é atualizada todos os dias, ou seja, quanto mais tempo você ficar com a dívida, mais você vai pagar.

O que é IOF?

Este tributo é federal e cobrado pelas transações financeiras. Entre as mais comuns estão as de crédito, câmbio e seguros. Além disso, o IOF também está presente em qualquer operação titular e de valores imobiliários, como bolsa de valores ou fundo imobiliário.

A expectativa do Ministério da Economia é que, até dezembro, quando se encerra este período de reajuste, seja possível arrecadar cerca de R$ 2,14 bilhões. Instituições como a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) estão criticando a decisão da equipe econômica de Paulo Guedes, vista como improvisação e responsável por “encarecer o custo do crédito no país”.

“A elevação do imposto se soma à conjuntura atual, de elevação da taxa Selic por parte do BCB [Banco Central do Brasil], para contra a inflação, mas que também encarece o custo do crédito. Assim, ambos os fatores atuam no sentido de elevar as taxas bancárias de juros, prejudicando o crescimento do crédito e consequentemente, da atividade econômica”, disse a Febraban em nota nesta segunda-feira (20).

Fonte: IstoÉ Dinheiro

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação