O maior canal de informação do setor

Nos EUA, Pfizer envia dados de teste sobre dose de reforço contra covid

84

A Pfizer e a empresa alemã BioNTech apresentaram, nesta 2ª feira (16.ago.2021), dados preliminares de testes sobre a aplicação da 3ª dose contra a covid-19.

As informações foram encaminhadas à FDA (Food and Drug Administration, autoridade sanitária dos EUA) e fazem parte de um pedido de autorização para aplicação da dose de reforço. Eis a íntegra do comunicado em inglês.

Segundo as farmacêuticas, os testes mostraram que a aplicação da 3ª dose gerou maior produção de anticorpos contra o vírus em comparação com os níveis observados quando apenas 2 doses foram administradas.

A aplicação do reforço nos participantes do estudo foi realizada entre 8 a 9 meses depois de tomarem a 2ª dose.

As empresas também afirmam que os resultados positivos valem para a variante Delta e Beta e que os dados serão submetidos à EMA (Agência Europeia de Medicamentos, na sigla em inglês).

Dose de reforço

Depois que a FDA liberou a administração da 3ª dose em pessoas imunossuprimidas, o governo de Joe Biden anunciou que está planejando estudar se o reforço será aplicado em idosos residentes em asilos e profissionais da saúde. A medida começaria a partir de outubro.

Já no Brasil, a Comissão Temporária da covid-19 no Senado realizou, nesta 2ª feira (16.ago.2021), audiência pública para debater a eficácia das vacinas contra o coronavírus e, entre os temas debatidos, estava a necessidade de aplicação de doses de reforço dos imunizantes.

Apesar da Anvisa ter autorizado a realização de um estudo clínico, a diretora da agência, Meiruze de Souza Freitas, afirmou que é necessário primeiro ampliar a vacinação mundial com as 2 doses para depois decidir algo sobre uma dose de reforço. ‘Ampliando o processo de vacinação, é que se teria o melhor cenário para discussões sobre a 3ª dose’, disse.

A fala da diretora se assemelha às declarações dadas por especialistas e pelo diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesu.

Eles temem que a priorização da aplicação de doses de reforço por países desenvolvidos, ao invés de auxiliar nas vacinações de países mais pobres, pode atrasar o fim da pandemia, já que, nações menos desenvolvidas continuam a ter dificuldades para acessar às vacinas e têm campanhas de imunização muito atrasadas.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/segunda-dose-da-pfizer-sera-antecipada-a-partir-de-setembro-diz-ministro-da-saude/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação