fbpx

Novo coronavírus registra queda na China, mas o mundo entra em “território desconhecido

coronavírus
Moradores de Nova York de máscara em uma rua de Flushing, Queens, em 2 de março de 2020 – AFP

O número de novos casos do novo coronavírus registra queda na China, mas aumenta no resto do mundo que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), está em “território desconhecido”, com um elevado risco de contágio na União Europeia (UE) e Estados Unidos.

A epidemia parece perder força há vários dias na China, onde as medidas draconianas de quarentena afetam mais de 50 milhões de pessoas desde o fim de janeiro.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

Mas a província de Zhejiang (leste) anunciou que sete chineses que retornaram da Itália são portadores do vírus, o que disparou os alarmes ao confirmar o temor de que agora a epidemia pode ser ‘importada’.

“Estamos em território desconhecido”, declarou na segunda-feira à noite Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da OMS.

“Nunca antes observamos um patógeno respiratório capaz de transmissão comunitária, mas que também pode ser contido com medidas corretas”, completou.

A “transmissão comunitária” designa a multiplicação de focos de vírus sem um vínculo epidemiológico claro com o berço da doença, neste caso a província chinesa de Hubei.

Tedros Adhanom Ghebreyesus destacou que nas 24 horas precedentes o número de contaminações na China foi nove vezes inferior às registradas no restante do mundo.

Na China, as autoridades identificaram nesta terça-feira 125 novos casos de contágio. Este é o menor número diários desde 21 de janeiro, inclusive antes da determinação da quarentena da cidade de Wuhan (centro), foco da epidemia.

De acordo com as autoridades chinesas, a doença COVID-19 provocou mais 31 mortes, todas na província de Hubei, cuja capital é Wuhan. O número de vítimas fatais no país desde o início da epidemia chegou a 2.943.

A epidemia superou na segunda-feira a marca de 3.000 mortes em todo o planeta e está em ritmo acelerado fora da China.

Na Coreia do Sul, o segundo país mais afetado depois da China, o número de infecções se aproxima de 5.000, com 477 novos casos nas últimas 24 horas e mais duas mortes, o que eleva o total a 28.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, declarou “guerra” ao coronavírus e colocou as agências governamentais em alerta permanente.

Moon anunciou que o governo injetará 25 bilhões de dólares para ajudar a economia a enfrentar a situação grave.

“Todo o país entrou em guerra contra a doença infecciosa”, disse o presidente, que ordenou uma ação durante noite e dia de algumas agências governamentais.

A Arábia Saudita, único país do Golfo que não havia registrado casos em seu território, informou na segunda-feira o primeiro contágio por coronavírus: uma pessoa que retornou do Irã, o país com o maior número de mortes relacionadas com a doença depois da China (66 vítimas fatais).

A UE elevou sua avaliação de risco para a categoria “moderado a alto”, com 2.100 casos confirmados em 18 países membros.

Os ministros da Saúde da UE celebrarão uma reunião extraordinária na sexta-feira em Bruxelas.

A Itália, país mais afetado da Europa, superou a marca de 50 mortes na segunda-feira. A nação está dividida em três áreas. A “zona vermelha”, em quarentena, inclui 11 municípios do norte e mais de 50.000 habitantes.

– Uma vacina? –

A França, onde eventos foram cancelados e o Museu do Louvre permanece fechado, anunciou a terceira vítima fatal da doença.

Os Estados Unidos registraram mais quatro mortes na segunda-feira, o que eleva a seis o total. O país tem mais de 90 pacientes confirmados, metade deles repatriados do exterior.

Vários pacientes diagnosticados nos últimos dias não tinham vínculos conhecidos com algum foco da epidemia, o que sugere que a doença está começando a propagação em território americano.

A nota otimista veio do vice-presidente Mike Pence, que anunciou que um tratamento poderia estar disponível “no verão ou início do outono” (inverno e primavera no Brasil). Os primeiros testes clínicos para uma vacina podem acontecer dentro das próximas seis semanas, disse.

– Ameaça para a economia –

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/02/11/casos-de-coronavirus-fora-da-china-podem-ser-fagulha-para-incendio-maior-diz-oms/

Os bancos centrais e os ministros das Finanças do G7 têm uma reunião por telefone programada para esta terça-feira para coordenar a resposta ao novo coronavírus.

O crescimento mundial, já abalado pela guerra comercial entre China e Estados Unidos, sofre com a desaceleração da economia chinesa e o impacto do coronavírus.

A Bolsa de Nova York registrou na semana passada os piores resultados desde a crise financeira de 2008. Mas na segunda-feira, Wall Street teve uma grande recuperação, com a expectativa de que as autoridades monetárias dos grandes países apresentarão uma resposta coordenada para suavizar o impacto econômico do novo coronavírus.

Ao mesmo tempo, o Banco Central australiano reduziu as taxas de juros a um nível historicamente baixa para combater os efeitos econômicos da epidemia.

A Nike anunciou na segunda-feira o fechamento até quarta-feira da sede europeia, nas proximidades Amsterdã, depois que um caso de COVID-19 foi detectado em um funcionário.

Fonte: IstoÉ Dinheiro

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra