fbpx
O maior canal de informação do setor

O surgimento de super aplicativos na América Latina

508

Os super aplicativos WeChat e Alipay tornou-se parte integrante do ecossistema móvel chinês, crescendo para mais de 1 bilhão de usuários ativos mensais (MAU) e 1 bilhão de usuários ativos anuais (AAU), respectivamente. Ambos oferecem serviços de entrega de alimentos e compartilhamento de bicicletas a um conjunto completo de serviços financeiros, como pagamento, seguro e investimentos.

Agora, empresas de todo o mundo estão tentando replicar o modelo chinês de sucesso em sua região. E a América Latina é uma região especialmente atraente para o surgimento de super aplicativos, devido à sua vasta população, quase 650 milhões, distribuída em países mais ou menos similares em termos de idioma, cultura e religião. Ele também possui uma população com mobilidade móvel, com 62% de penetração de smartphones, de acordo com Dados GSMA.

A expansão do modelo de super aplicativos

Após o incrível sucesso do WeChat e Alipay, muitas empresas em todo o mundo decidiram replicar seu modelo em diferentes regiões. Devido à proximidade com a China e sua influência e dinheiro, o Sudeste Asiático foi uma das primeiras regiões em que os super aplicativos começaram a aparecer. O passeio de Cingapura Agarrar e o indonésio Go-Jek levantaram bilhões de dólares não apenas para bloquear com êxito a expansão do Uber na região, mas também para expandir seu portfólio de serviços prestados, além do serviço de entrega de comida, pagamentos e outros serviços.

Observe que nem todos os super aplicativos são iguais.

Na Índia, o payTM está expandindo além do seu serviço principal e se posicionando para ser o principal player do país, especialmente depois que a Tapzo foi adquirida pela Amazônia no ano passado e fechado.

É interessante notar que nem todos os super aplicativos são iguais. A Alipay veio do Alibaba de comércio eletrônico e é mais focada em serviços financeiros, enquanto o WeChat começou como um aplicativo de mensagens instantâneas, expandindo não apenas os serviços financeiros, mas também os serviços diários, como comércio eletrônico, jogos, viagens e muitos outros. No sudeste da Ásia, Go-Jek e Grab começaram como carona, expandindo para entrega antes de ir para serviços financeiros, e o payTM começou como uma plataforma móvel de recarga pré-paga e depois se mudou para oferecer uma variedade de serviços financeiros e diários.

Então, o que esperar na América Latina?

Os super aplicativos latino-americanos devem se desenvolver de uma maneira particular, pois o ambiente na região é bem diferente do da China.

O ecossistema da Internet na região é altamente influenciado por empresas de tecnologia européias e americanas que dominam segmentos como comunicação, música, pesquisa e muitos outros. É bastante difícil para uma startup local competir nesses mercados. No entanto, existem alguns campos de batalha que não são tão fáceis de dominar no exterior, como carona, entrega de alimentos e finanças. Essas são indústrias locais ou altamente regulamentadas que são muito difíceis de dimensionar, especialmente em diferentes países. Essas são precisamente as indústrias nas quais vimos o surgimento de alguns candidatos a super aplicativos, alimentados por uma quantidade sem precedentes de investimento em capital de risco na região.

O candidato mais proeminente a super aplicativos na região é o fornecimento sob demanda colombiano Rappi. É uma das startups mais financiadas da América Latina, apoiada por titãs como Sequoia, Andreessen Horowitz e SoftBank, que investiram US $ 1,4 bilhão em investimentos até agora. Embora tenha começado a oferecer apenas entrega de alimentos, agora oferece serviços como e-scooter, pagamentos, transferência de P2P, ingressos de cinema e cartão de débito. Também atua nos países mais relevantes da região: Brasil, México, Colômbia, Argentina, Chile, Uruguai e Peru.

Outro candidato forte é o lado financeiro do gigante do comércio eletrônico Mercado Libre (MELI) Mercado Pago. Começou como uma maneira de permitir o pagamento entre usuários no mercado; No entanto, cresceu para oferecer um portfólio diversificado de serviços financeiros, como pagamentos on-line e off-line, pagamentos de contas e, mais recentemente, investimentos (por meio de seu Mercado Fondo) Graças à sua matriz, ela está em toda a América Latina e processa cerca de 400 milhões de transações anualmente.

O brasileiro Movile também está se posicionando como um forte concorrente. A empresa já possui um portfólio diversificado de serviços, desde entrega de comida a ingressos para eventos, courier e até uma Netflix infantil, operando no Brasil, México, Colômbia e Argentina. Não apenas levantou um investimento total de US $ 395 milhões, mas também uma de suas empresas, iFood, levantou um total de US $ 592 milhões.

A América Latina é uma região especialmente atraente para o surgimento de super aplicativos.

O espanhol Cabify é outra empresa tentando se posicionar como um super aplicativo. Recentemente, começou a oferecer serviços de scooters e bicicletas elétricas, além de serviços financeiros por meio de sua própria empresa de fintech, Lana. Embora tenha arrecadado US $ 477 milhões em financiamento, será difícil para o Cabify se tornar um super aplicativo, pois a competição de carona está ficando bastante intensa na região. Seus concorrentes Uber e Didi também estão adicionando mais serviços e tentando se posicionar.

Um concorrente potencial interessante seria Nubank, a Decacorn brasileiro (empresas privadas com mais de US $ 10 bilhões em avaliação). Já possui mais de 8 milhões de clientes no Brasil e está começando a se expandir na região para o México, Argentina e Colômbia. Embora o Nubank ainda ofereça apenas serviços financeiros tradicionais, ele tem a Tencent como um investidor significativo e levantou US $ 1,1 bilhão até agora. Portanto, não seria nenhuma surpresa se decidir seguir um caminho semelhante ao WeChat.

Além disso, no Brasil, Banco Inter (BIDI11) recentemente lançou um mercado expandir a oferta para seus clientes, além de serviços financeiros para comércio eletrônico, viagens e muito mais. O banco desafiador já é uma empresa pública com valorização de cerca de US $ 7 bilhões, mas é agora apoiado pelo SoftBank após sua última oferta de ações.

Esses são os candidatos mais bem posicionados para serem super aplicativos na América Latina. Mesmo assim, outros players podem surpreender, como o Magazine Luiza, líder em varejo e e-commerce no Brasil. Seu CEO está transformando a empresa de um varejo físico para uma empresa de tecnologia e já mostrou sua ambição de transformar o MagaLu (seu aplicativo) em um super aplicativo que oferece muitos outros serviços. Embora pudesse competir no mercado brasileiro, seria duvidoso que se tornasse um participante regional, pois seu principal negócio opera apenas no Brasil.

Super aplicativos na América Latina não serão os mesmos da China

Estamos começando a ver o surgimento dos super aplicativos na América Latina, mas eles não seguirão o caminho chinês, pois os mercados são muito diferentes. Uma comparação melhor poderia ser com os players do sudeste asiático, pois os mercados são mais semelhantes; no entanto, os super aplicativos da América Latina provavelmente serão o resultado do ambiente único na região.

À medida que mais empresas analisarem as histórias de sucesso chinesas, provavelmente veremos ainda mais jogadores competindo para se tornar o super aplicativo latino-americano. Os capitalistas de risco já estão apostando em quem se tornará o principal player da América Latina. Uma coisa é certa: será emocionante ver como o mercado se desenrola na região – os clientes serão os verdadeiros vencedores nessa batalha.

Fonte: Replicário

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/01/24/em-2020-a-inteligencia-artificial-pode-fazer-o-pib-do-brasil-crescer-41-como-2/

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação