fbpx

Períodos repetidos de distanciamento social podem ser necessários até 2022

A pandemia esvaziou o câmpus da Universidade de Harvard, mas no lado de dentro cientistas fazem previsões sombrias, indicando que reincidência do vírus pode ser real

Um único período de confinamento não irá pôr fim à novela do novo coronavírus, e períodos repetidos de distanciamento social podem ser necessários até 2022, para evitar que os hospitais fiquem sobrecarregados, advertiram ontem cientistas de Harvard, que estudaram a trajetória da pandemia. O estudo é divulgado no momento em que os Estados Unidos enfrentam o pico de infecções pela COVID-19 e vislumbram uma eventual flexibilização das medidas de confinamento.

Siga nosso instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Uma simulação em computador feita pela equipe de Harvard e publicada pela revista Science prevê que a doença irá se tornar sazonal, como outros coronavírus, que causam a gripe comum, com índices maiores de transmissão em meses mais frios. Mas muita coisa permanece desconhecida, incluindo o nível de imunidade adquirido por quem já foi infectado, assinalam os autores.

“Percebemos que um período único de medidas de distanciamento social pode ser insuficiente para manter a incidência do Sars-CoV-2 dentro do limite da capacidade de atendimento nos Estados Unidos”, disse o principal autor do estudo, Stephen Kissler. “O que parece ser necessário, na ausência de outros tipos de tratamento, são períodos intermitentes de distanciamento social.”

A duração e intensidade dos confinamentos poderão ser relaxadas à medida que tratamentos e vacinas se tornarem disponíveis. Mas na sua ausência, períodos de distanciamento dariam aos hospitais tempo para aumentar sua capacidade de atendimento, a fim de lidar com o aumento do número de casos que poderá ocorrer quando as medidas forem levantadas.

“Ao permitir períodos de transmissão que alcancem uma prevalência mais alta, permite-se uma aquisição acelerada da imunidade coletiva”, assinalou um dos autores do estudo, Marc Lipsitch. Por outro lado, um distanciamento social muito longo pode ser ruim. Segundo um cenário projetado, “o distanciamento social foi tão eficaz, que nenhuma imunidade populacional foi adquirida”, aponta o estudo.

Os autores reconheceram como uma grande desvantagem de seu estudo o quão pouco se sabe sobre o quão forte é a imunidade das pessoas já infectadas. Uma coisa é quase certa: o vírus veio para ficar. Segundo a equipe, é bastante improvável que a imunidade seja forte o suficiente e vá durar até que a COVID-19 morra, após o surto inicial, como foi o caso da Sars em 2002-2003.

Testes de anticorpos que acabam de chegar ao mercado e verificam se a pessoa já foi infectada serão cruciais para responder a essas questões fundamentais sobre a imunidade, assinalam os autores do estudo, e uma vacina continua sendo a arma mais eficaz.

Fonte: Estado de Minas

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/04/09/farmacias-associadas-se-une-ao-tj-rs-para-combater-violencia-domestica/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra