O maior canal de informação do setor

PIB cai 0,1% no terceiro trimestre e Brasil entra em recessão técnica

138

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 0,1% no 3º trimestre de 2021, na comparação com os três meses imediatamente anteriores, confirmando a entrada do país em uma nova recessão técnica, segundo divulgou nesta quinta-feira (2) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a igual período de 2020, houve crescimento de 4%.

Veja também: Senado adia votação de PEC dos Precatórios para quinta-feira

A recessão técnica é caracteriza por dois trimestre seguidos de retração.

Siga nosso Instagram

O resultado do 2º trimestre foi revisado para uma queda de -0,4%, resultado pior do que a leitura inicial de queda de -0,1%. O IBGE também revisou o resultado da alta do PIB do 1º trimestre do ano, de 1,2% para 1,3%.

Os dados oficiais reforçam a leitura de forte desaceleração da recuperação após o PIB ter conseguido retomar no início do ano o patamar pré-pandemia.

Principais destaques do PIB no 3º trimestre:

  • Agropecuária: -8%
  • Indústria: zero
  • Serviços: 1,1%
  • Consumo das famílias: 0,9%
  • Consumo do governo: 0,8%
  • Investimento (FBCF): -0,1%
  • Importação: -8,3%
  • Exportação: -9,8%
  • Construção: 3,9%
  • Comércio: -0,4%

 

O que puxou a queda

 

Apesar da alta de 1,1% nos serviços, que respondem por mais de 70% do PIB nacional, a queda no 3º trimestre foi pressionada para baixo por conta da queda de 8% na agropecuária e também pela queda de 9,8% nas exportações de bens e serviços. Já a indústria ficou estagnada.

Segundo o IBGE, o forte recuo na agropecuária foi consequência do encerramento da safra de soja, que também acabou impactando as exportações.

Pela ótica da despesa, os investimentos tiveram queda de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior. Já o consumo das famílias teve expansão de 0,9% e a despesa de consumo do governo cresceu 0,8%.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e é o principal indicador usado para medir a evolução da economia.

Piora das expectativas

 

A economia brasileira vem perdendo o ímpeto mesmo com a reabertura do setor de serviços e fim de boa parte das medidas restritivas lançadas no país para frear o avanço da Covid-19 desde o começo do ano passado.

Desde setembro, as projeções para a economia têm sido revisadas continuamente para baixo, em meio à disparada da inflação e aumento das incertezas fiscais após as manobras do governo para driblar o teto de gastos e abrir espaço no Orçamento no ano eleitoral de 2022.

As preocupações com a saúde das contas públicas, o desemprego ainda elevado e a elevação em ritmo acelerado da taxa básica de juros para conter a inflação vêm provocando uma redução da confiança de empresários e consumidores.

Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC), a inadimplência subiu em novembro, para o maior patamar do ano, com 26,1% das famílias relatando ter dívidas ou contas em atraso.

A média atual das projeções do mercado financeiro apontam para alta de 4,78% do PIB em 2021 e de 0,58% em 2022, bem abaixo da média global e a pior perspectiva entre os países do G20. E parte dos analistas apontam para o risco de retração no ano que vem.

A inflação deve fechar o ano acima de 10% e a projeção para o IPCA de 2022 foi elevada para 5% – no limite do teto da meta do governo, de acordo com o último boletim Focus do Banco Central. Já para a Selic, a previsão é que ela suba na próxima semana a 9,25% ao ano, chegando a 11,25% ao ano em 2022. Vale lembrar a taxa básica de juros abriu o ano na mínima histórica de 2% ao ano.

Em 2020, no primeiro ano da pandemia, a economia brasileira registrou um tombo de 3,9%, segundo dados revisados divulgados nesta quinta.

Fonte: G1

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação