fbpx

Pílulas para dormir aumentam o risco de Alzheimer

Pílulas para dormir tomadas por centenas de milhares de pessoas podem aumentar o risco de Alzheimer, sugere um estudo. Pesquisadores descobriram que o risco de desenvolver o distúrbio de roubo de memória é maior para os pacientes que tomam benzodiazepínicos e Z-drogas.

Siga nosso instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

E a enorme análise revelou um risco maior para aqueles que tomam medicamentos mais fortes e para aqueles que tomaram as drogas por mais tempo do que o recomendado.

Os números sugerem que há pelo menos 260 mil pessoas na Grã-Bretanha e quase 100 milhões nos EUA que tomam benzodiazepínicos e Z-drogas por pelo menos um mês. O uso recomendado de benzos e drogas-Z não é mais do que 4 semanas.

Os médicos distribuem benzos, que retardam as funções do corpo e são altamente eficazes a curto prazo, para combater a ansiedade e a falta de sono.

Z-drogas são sedativos hipnóticos que funcionam de forma semelhante aos benzos. Os mais conhecidos são zolpidem, zopiclone e zaleplon.

As evidências estão crescendo sobre os benzos – uma classe de sedativos poderosos, que incluem Valium, Xanax e Rivotril – e suas ligações com o vício perigoso.

E o novo estudo, realizado pela Universidade do Leste da Finlândia, se confirmado em outros testes, pode adicionar à longa lista de perigos, incluindo quedas e até mesmo uma morte prematura.

Os pesquisadores analisaram o uso de benzodiazepínicos e drogas Z e a prevalência de Alzheimer entre 353.000 participantes. Dos participantes, um quinto já havia dado a notícia devastadora de que eles tinham a forma mais comum de demência entre 2005 e 2011. Registros médicos de cada participante desde 1995 foram coletados, para examinar quaisquer ligações entre o uso de medicamentos e o distúrbio.

Para os pacientes que tomam benzodiazepínicos ou Z-drogas, o risco de Alzheimer aumenta cerca de 6%, segundo uma análise.

Pesquisadores liderados por Vesa Tapiainen também descobriram que quanto maior a dose, maior a probabilidade de o paciente ser acometido pelo distúrbio. As descobertas do estudo finlandês foram publicadas na revista Acta Psychiatrica Scandinavica.

Durante décadas, grupos de pacientes, instituições de caridade e especialistas em vícios alertaram sobre o uso excessivo de benzodiazepínicos.

Leia também: Coisas que Ninguém te conta sobre o “Rivotril”

Estudos mostraram que as pessoas que tomam os poderosos sedativos por 6 semanas enfrentam 50% de chance de se tornarem dependentes.

Sintomas de abstinência para pacientes que saem de benzodiazepínicos podem incluir ansiedade, ataques de pânico e até alucinações.

“Essas drogas precisam ser cuidadosamente prescritas e os médicos devem estar em melhores condições para avaliar as circunstâncias individuais, pesar os benefícios contra quaisquer riscos potenciais e fazer um julgamento informado sobre o curso mais apropriado do tratamento”.

Fonte: Saúde Curiosa

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2021/02/01/hypera-pharma-conclui-compra-de-portfolio-da-takeda/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Notícias relacionadas

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra