O maior canal de informação do setor

Política da Petrobras prioriza lucro sobre vidas, escrevem pesquisadores do Ineep

134

Na última 5ª feira (28.out.2021), a Petrobras divulgou o seu balanço do 3º trimestre de 2021 (íntegra – 1MB), registrando lucro líquido de R$ 31,1 bilhões. É o 2º trimestre consecutivo de resultado positivo da companhia, que no acumulado de 2021 registra R$ 75,1 bilhões de lucro líquido. Assim, a estatal reverte o prejuízo de R$ 52,7 bilhões contabilizados nos primeiros 9 meses de 2020.

Assim como no trimestre anterior, a maior parte do destino do lucro líquido da Petrobras será a antecipação de remuneração aos seus acionistas, que, em 2021, alcançará o valor total de R$ 63,4 bilhões. Esta será a maior distribuição de dividendos da história da companhia. O último recorde até agora havia sido de R$ 29,5 bilhões em 2009, em valores atuais deflacionados pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

De um lado, a diretoria da companhia comemora a redução de seu endividamento bruto (-6,4%) e a antecipação na distribuição de dividendos, dos quais 42,79% são reservados a investidores não-brasileiros. De outro, observa-se que é o consumidor brasileiro quem paga essa conta. Isso porque o resultado positivo da Petrobras neste 3º trimestre, assim como no 2º, é produto do aumento expressivo de sua receita de vendas (10%), a qual, por sua vez, ancora-se no incremento do volume de vendas de derivados para o mercado interno e na elevação dos preços dos derivados, que cresceu 63,5% na comparação entre o 3° trimestre de 2021 e o mesmo trimestre de 2020.

Em outras palavras, é a atual política de PPI (Preços de Paridade de Importação) de derivados da Petrobras que garante à companhia a redução de seu endividamento e uma distribuição de remuneração recorde aos seus acionistas, ao mesmo tempo em que o consumidor de derivados nacional sofre com os efeitos do aumento. No acumulado de 2021, houve reajuste de 32% da gasolina, de 28% no diesel e o gás de cozinha de 27%, com seu preço médio de revenda, em setembro de 2021, chegando aos R$ 97,70, valor equivalente a quase 9% do salário mínimo vigente.

Essas elevações nos preços dos derivados têm impacto direto na depreciação do poder de compra da renda dos brasileiros, tal como apontam as recentes altas sobre os indicadores de inflação IPCA e INPC (IBGE), que nos últimos 12 meses encerrados em setembro registram alta de, respectivamente, 10,25% e 10,78%.

Mesmo em um contexto de carestia, ampliação da miséria e insegurança alimentar, a Petrobras segue privilegiando a maximização de lucros e rendimentos para os seus acionistas em detrimento dos consumidores e cidadãos brasileiros. Essa gestão da companhia, para além de continuar com o desmonte da Petrobras por meio de sua política de desinvestimentos, faz uma escolha consciente de colocar em risco a vida de milhões de brasileiros com sua política de preços.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/consumer-health-da-sanofi-tera-centro-de-inovacao-em-suzano/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação