O maior canal de informação do setor

Posicionamento da Anvisa favorece mercado de CBD no Brasil

323

Você certamente já leu ou ouviu falar do CBD. Essa substância natural extraída da planta Cannabis tem atraído muita atenção no mundo todo por seu potencial anti-inflamatório, anticonvulsivo e ansiolítico no auxílio de tratamentos e doenças.

Para entender os reais benefícios e todas as possibilidades de uso do canabidiol, a comunidade científica mundial segue realizando estudos e pesquisas com pessoas em diferentes condições de saúde.

 

No mundo, já são 42 países em que o uso do CBD como medicamento é autorizado, incluindo o Brasil. Por aqui, a Anvisa demonstra ter um olhar positivo sobre o tema. Para que você entenda melhor, veja como vem sendo a evolução do debate sobre o canabidiol aqui no nosso país ao longo dos últimos anos: Dezembro de 2014 O Conselho Federal de Medicina autoriza médicos a prescreverem o canabidiol para tratar epilepsia.

A Anvisa retira o canabidiol da lista de substâncias proibidas e passa a considerá-lo um medicamento de uso controlado. Com isso, crescem os pedidos de importação de produtos com CBD. Maio de 2015 Pela primeira vez, o governo brasileiro autoriza uma empresa a importar produtos com CBD como medicação sob prescrição médica. Novembro de 2016 A advogada Margarete Brito é a primeira brasileira autorizada pela Justiça a plantar Cannabis para extrair o óleo de CBD e tratar sua filha, Sofia. Janeiro de 2017

A Anvisa aprova o primeiro remédio composto de CBD e THC. No mesmo mês, a Abrace Esperança, associação sem fins lucrativos localizada na Paraíba, consegue uma liminar judicial autorizando o plantio da Cannabis para uso medicinal. Fevereiro de 2019 Anvisa publica a RDC 262, a fim de facilitar a importação de medicamentos à base de Cannabis pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Dezembro de 2019 Anvisa publica a Resolução nº 327, que autoriza no Brasil a importação, a fabricação e a venda de medicamentos feitos com Cannabis.

Anvisa passa a exigir apenas receita médica para liberar a importação de canabidiol. Antes disso, era preciso laudo médico com descrição da doença e termo de consentimento do paciente. Março de 2020 Entra em vigor a Resolução nº 327, que autoriza no Brasil a importação, fabricação e venda de medicamentos feitos com Cannabis. Fevereiro de 2021 Anvisa aprova dois novos óleos de canabidiol e pelo menos outras sete empresas aguardam a mesma autorização. Como você pode ver, a Anvisa segue o movimento de diversos países pela liberação do uso medicinal do CBD.

O fato mais recente é a aprovação do texto-base do Projeto de Lei 399/15 pela Câmara dos Deputados, que propõe a legalização do cultivo da Cannabis por pessoas jurídicas para fins medicinais, veterinários, científicos e industriais. O PL deve seguir para votação no Senado. Mercado de CBD Com a Anvisa dando sinais positivos e evoluindo por essa abertura, o mercado já começa a aquecer com oportunidades para quem pretende investir em CBD. Domingo, 25 de Julho de 2021.

A Purely CBD é uma das maiores fornecedoras de matéria prima para produtos com CBD dos Estados Unidos e pretende investir R$ 25 milhões no mercado brasileiro, com expectativa de gerar mais de 1 mil empregos. “O projeto de lei que está sendo votado abrirá a possibilidade de outras linhas de produtos, além da medicinal e da linha Pet, como produtos de beleza, alimentos e bebidas.

No momento, já estamos reservando áreas para, futuramente, quando estiver regulamentado, a gente sair na frente” , explica o empresário Paulo Generoso, responsável pela marca no Brasil. Diante da necessidade de regulamentação no país, a Purely CBD trabalha com o modelo de afiliados sem taxa de franquia e promove uma negociação condicional e flexível.

A meta inicial é abrir 500 lojas no Brasil, assim que a Anvisa bater o martelo. A única exigência é trabalhar com produtos da empresa. Nesse momento, a empresa está buscando interessados em investir e fazendo reserva de áreas de atuação.

Fonte: Jornal Gazeta do Povo – PR

Leia também: https://panoramafarmaceutico.com.br/hypera-pharma-cresce-quase-45-no-primeiro-semestre/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação