fbpx
O maior canal de informação do setor

Preços do ‘kit intubação’ subiram mais de 100%, aponta pesquisa

100

De acordo com uma pesquisa do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (Sindhosp), medicamentos que compõem o chamado “kit intubação”, como sedativos e analgésicos, tiveram altas nos preços que chegaram a mais de 100% desde abril do ano passado.

Veja também: Cresce rejeição à vacina de Oxford/AstraZeneca

De acordo com o médico e presidente do sindicato Francisco Balestrim, o aumento “acaba levando, do ponto de vista dos pacientes com Covid-19 que são atendidos pelos hospitais, um incremento das despesas que as unidades tem para o seus atendimentos”.

Siga nosso Instagram

Por conta da alta dos preços, os hospitais também estão enfrentando estoques baixos e escassez desses medicamentos. A mudança no perfil dos pacientes com a doença também pode estar contribuindo com essa faltaa de recursos.

Na última quarta-feira (21), o ministro da Saúde Marcelo Queiroga afirmou que mais de um milhão de medicamentos para o “kit intubação” devem chegar ao Brasil até maio.

Em nota, a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) disse que os preços dos medicamentos são controlados pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), que estipula o percentual máximo de reajuste ao ano.

Fonte: CNN Online

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação