O maior canal de informação do setor

Presidente da Anvisa critica pressão por vacina: “é algo muito sério”

202

O diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra, afirmou que o órgão foi célere em avaliar a importação de insumos para fabricação da CoronaVac, vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac. A compra foi autorizada nessa 4ª feira (28.out.2020)

Ele destacou que a Anvisa precisa ter cuidado ao avaliar cada passo do processo, uma vez que se trata de algo que pode oferecer risco à vida dos brasileiros.

Segundo Barra, o pedido do Butantan foi feito em 23 de setembro. A Anvisa, no entanto, detectou discrepâncias que impediam a aprovação. “As discreprâncias apontadas foram atendidas parcialmente na noite do dia 22 de outubro e complementadas no dia 23 de outubro”, disse o diretor-presidente em entrevista publicada pelo jornal O Globo nessa 4ª (28.out).

“Então, se fizermos uma continha, são muito poucos dias. É 1 prazo muito rápido para a análise de discrepâncias atendidas.”

“Temos que lembrar que estamos falando de algo que é muito sério. São medicamentos que vão ser apresentados para uso em seres humanos e quem dará o atesto da segurança desse produto, sua qualidade e sua eficácia, somos nós”, falou Barra. “Não estamos tratando aqui de uma lista de compras, ‘ah vou comprar esses itens hoje na loja’. Não é isso, estamos falando de desenvolvimento vacinal.”

Ao ser perguntado sobre quais seriam as discrepâncias presentes no pedido do Butantan, Barra disse que não poderia revelar. “Isso faz parte de toda a questão ética e de que outras empresas também estão em desenvolvimento. Isso é um regra e de nossa parte não podemos fazer isso [divulgar as discrepâncias].”

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), falou que as primeiras 6 milhões de doses da CoronaVac devem chegar na próxima semana ao Estado e já vêm prontas para aplicação. Outras doses devem ser produzidas no Butantan. Para isso, o instituto precisa importar a matéria-prima, o que agora foi autorizado pela Anvisa.

Dimas Covas, diretor do Butantan, cobrou a Anvisa pela demora em autorizar a importação, algo que estaria atrasando o cronograma de fabricação do imunizante.

“O Butantan tem trabalhado com o senso de urgência do momento, desde o início, quando nós iniciamos todo esse processo da vacina. E, obviamente, cada dia conta”, disse Covas.

Sobre a “queda de braço” entre Anvisa e Butantan, Barra afirmou que quer apenas que a população não perca a confiança na agência.

“Espero que a população continue confiando pelo menos na instituição que presido, que é quem tem a responsabilidade de dizer a um pai de família ‘vacine sua família’, dizer a uma mãe ‘vacine seus filhos, tome sua vacina’. Espero que a população nunca perca a confiança na Anvisa, justamente por isso me agarro e não abro mão da ciência, e deixo a política para os políticos”, disse.

Fonte: MSN

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/07/02/sao-paulo-pode-iniciar-semana-que-vem-teste-da-vacina-contra-covid/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação