O maior canal de informação do setor

Queiroga diz que há ‘problema’ de insumos vencidos no Ministério da Saúde

202

Insumos vencidos – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse, nesta 4ª feira (8.set.2021), que o vencimento de insumos comprados pelo Ministério da Saúde é um ‘problema’. No entanto, negou ‘negligência’.

‘Em relação a insumos vencidos, realmente esse é um problema’, disse Queiroga à Comissão Temporária da Covid-19 no Senado. A comissão foi criada para acompanhar os gastos públicos no combate à pandemia.

Assista (2h12min29s):

Receba a newsletter do Poder360

‘Esses insumos não é que o ministério deixa vencer por negligência. É porque se compra em quantidade. Há insumos aí que foram adquiridos em governos, dois governos anteriores ao do presidente Bolsonaro e eles não foram distribuídos’, disse.

Cerca de R$ 240 milhões em insumos de saúde estocados pelo governo federal perderam a validade nos últimos 3 anos, e deverão ser descartados. Ao todo, são 3,7 milhões de itens como vacinas, testes de diagnóstico e medicamentos guardados no centro de distribuição e logística do Ministério da Saúde, em Guarulhos.

Dentre os produtos vencidos, há mais de 2 milhões de testes RT-PCR, para detecção da covid-19, exames de dengue, zyka, chikungunya, e vacinas para BCG, gripe, hepatite B e tetra viral. Também perderam a validade remédios para doenças raras, que têm alto custo, como eculizumab (HPN) e atalureno (Distrofia Muscular de Duchenne).

A informação foi divulgada na 2ª feira (6.set) pelo jornal Folha de S.Paulo com base em documentos internos do órgão.

3ª dose sem CoronaVac

O ministro ainda defendeu a decisão do Ministério da Saúde em realizar a aplicação da 3ª dose contra a covid-19 com vacina da Pfizer, preferencialmente. A dose de reforço começará a ser aplicada na 4ª feira (15.set) em idosos com mais de 70 anos, segundo o PNI (Programa Nacional de Imunizações). Em caso da falta do imunizante, também podem ser utilizadas doses da AstraZeneca ou Janssen. A CoronaVac não faz parte do programa do Ministério da Saúde para a dose de reforço. Segundo Queiroga, a decisão não é ‘política’.

‘Esses idosos a maior parte receberam a CoronaVac. A recomendação hoje mais forte é que se aplique uma vacina diferente. Não é que estamos inutilizando a CoronaVac, retirando a CoronaVac do PNI, nada disso. Aqui no Ministério da Saúde não fazemos política na saúde, fazemos política de saúde’, disse.

Falou ainda que não foram apresentados à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) todos os dados sobre a vacina produzida pelo Instituto Butantan e, por isso, ela não recebeu o registro definitivo. Na 6ª feira (3.set), ele já havia afirmado à CNN que não recomendará a 3ª dose da CoronaVac até que a agência conceda a autorização.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/novos-aportes-acirram-concorrencia-entre-farmacias-digitais/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação