fbpx
O maior canal de informação do setor

Relator apresenta novo parecer, mas mantém imposto para compensar alta nos combustíveis

199

O senador Jean Paul Prates (PT-RN), relator de dois projetos sobre combustíveis, entregou nesta quinta-feira (17) um novo relatório da proposta que cria uma conta de compensação para amenizar altas do preço da gasolina, do diesel e do gás de cozinha.

Em 2021, a gasolina acumulou alta de 47,49% e foi o item que mais pesou na alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, no ano passado, que ficou em 10,06%.

A votação do projeto que tenta frear a alta do preço dos combustíveis estava prevista para esta quarta-feira (16), mas foi adiada por falta de acordo. Existe a possibilidade de votação na próxima semana. Segundo o colunista do g1 Valdo Cruz, a equipe econômica espera a rejeição da proposta.

No novo relatório enviado nesta quinta-feira (17), Jean Paul mantém um dos pontos mais controversos do parecer: o que cria o imposto de exportação incidente sobre o petróleo bruto, para abastecer a conta.

Líderes de MDB, PSD, PL e PSDB defendem a retirada desse trecho da proposta. A equipe econômica do governo também é contrária à instituição do imposto, que se aplicaria aos lucros das petrolíferas decorrentes da elevação do preço internacional do barril do petróleo.

Relatório

Entre as novidades trazidas no novo relatório, está que o imposto de exportação só não incidiria sobre operações em campos de petróleo e gás de economicidade marginal, que são aqueles menos rentáveis.

“O Brasil será em breve um dos maiores exportadores de petróleo bruto, ao custo de ser um dos maiores importadores de derivados de petróleo, o que é um contrassenso, razão pela qual é imperioso alterar o marco legal vigente e reconsiderar o papel estratégico da Petrobras”, diz o relator no novo parecer.

O senador também defende a manutenção do imposto de exportação.

“Vale frisar que há ampla flexibilidade para definição das alíquotas e o Imposto de Exportação só se aplicaria aos lucros extraordinários das empresas petrolíferas”, disse Jean Paul.

Pela proposta, a alíquota do imposto seria de 0% para quando o valor do barril de petróleo bruto estiver menor ou igual a US$ 45; podendo chegar a 20% quando o valor do barril ultrapassar US$ 100.

O relator também manteve no texto a previsão de que a conta também receberá recursos de dividendos da Petrobras pagos à União e de royalties arrecadados pela União. Essa conta funcionará em um sistema de bandas, como ferramenta de estabilização de preços.

“Quando os preços estiverem baixos, os recursos correspondentes à diferença entre o preço de mercado e o limite inferior da banda são acumulados em uma conta. Na situação contrária, quando os preços se situarem acima do limite superior da banda, os recursos dessa conta de estabilização são utilizados de forma a manter os preços dentro da banda”, explica Jean Paul Prates no relatório.

O senador é do mesmo partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que já deixou claro que não irá manter, se for eleito, a regra atual de reajuste de preços da Petrobras, baseada na paridade com o preço no mercado internacional do petróleo e na variação do dólar. Lula disse nesta quinta-feira (17) que vai abrasileirar o preço da gasolina.

Fonte: G1.Globo

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação