fbpx
O maior canal de informação do setor

Risco de elevação da inadimplência já preocupa sistema financeiro

181

O brasileiro está mais endividado. Em 2021 o endividamento das famílias chegou a 70,9%, o que é considerado um recorde. Na comparação com 2020, o crescimento foi de 4,4 pontos porcentuais, o maior aumento registrado nos últimos 11 anos, quando teve início a série histórica da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) feita pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). Por traz desse aumento das dívidas está a elevação de mais de 10% na inflação e a consequente perda do poder aquisitivo da população. Todo esse cenário acelera os temores de um risco sistêmico do sistema bancário. Assim, a maior facilidade de acesso ao financiamento para o consumo das famílias se torna um dos principais vetores de aumento desse risco, devido ao aumento da inadimplência. Essa é a conclusão de um relatório elaborado pela XP.

Veja também: Falta de correção do Imposto de Renda gera perda anual de R$ 5 mil de contribuinte

Segundo os dados levantados pela corretora, como o Sistema financeiro Nacional (SFN) é fortemente concentrado em cinco bancos, que respondem por mais de 70% do crédito. Por isso, fica evidente o temor diante dos balanços destas instituições, que passam a fazer maiores provisões com possíveis prejuízos, caso haja problemas de falta de pagamento. O Bradesco, por exemplo, surpreendeu o mercado no início deste ano ao indicar um aumento de quase 30% na provisão para devedores duvidosos. Ou seja, ele já estima um risco mais alto de calote. Em conferência a investidores, o próprio presidente do banco, Octavio de Lazari, afirmou que é intuitivo imaginar que a inadimplência aumente diante do cenário de juros altos. Já o Itaú, outro grande banco, indicou em seu balanço de 2021 que a inadimplência subiu 2,8% no espaço de um ano, para R$ 6,2 bilhões. Dessa forma, as despesas com provisões somaram R$ 6,827 bilhões, com expansão de 21% em um ano.

Siga nosso Instagram

Para a XP, desde o quarto trimestre de 2021 já se via um aumento nos indicadores de inadimplência da pessoa física em várias instituições. O comprometimento da renda das famílias e nível de endividamento subiram seguidamente e a tendência é continuar assim ainda este ano, em função da alta inflação. Para a corretora, a alta generalizada de preços marcou todo o ano de 2021 e, em 2022, não deve ser diferente, especialmente diante das incertezas em torno da economia em um cenário de ano eleitoral e de inflação global elevada, comprimindo a renda da população em geral.

‘Projetamos Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 5,2% em 2022 e de 3,25% em 2023. Como resultado, esperamos taxa Selic em 12,75% no final do ciclo de ajuste monetário, em junho de 2022, reduzindo para 12,25% em dezembro e 8,0% em 2023′, indicou a XP em seu relatório. Em seu relatório, a XP conclui a situação exige atenção, mas que ‘o sistema financeiro está capitalizado e com boa liquidez. E as provisões realizadas pelos grandes bancos ao longo do ano devem ser suficientes para continuar acomodando um aumento de inadimplência’.

Fonte: Isto é Dinheiro Online

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação