O maior canal de informação do setor

Sem vacina, sarampo avança na divisa entre Mato Grosso do Sul e São Paulo

562

Enquanto faltam vacinas na rede pública de saúde, os casos de sarampo avançam na divisa com Mato Grosso do Sul. Nesta quarta-feira (31), a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo, estado vizinho, confirmou 633 pessoas com a doença em 2019. Sem a tetra viral, aplicada para proteger contra esta e outras doenças no estoque das unidades sul-mato-grossense, o risco de apareceram casos no Estado aumenta.

Considerada erradicada do País até o ano passado, o sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa, mas que pode ser prevenida pela vacina. “É uma doença de alta transmissibilidade. Uma pessoa pode infectar mais dez durante o período em que está doente”, explica o infectologista Maurício Pompilio.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/07/31/saude-ve-alto-risco-de-surto-de-febre-amarela-no-sul-do-pais-e-antecipa-vacinacao/

Em 2016, o País recebeu o certificado internacional de eliminação do sarampo. O reconhecimento havia sido concedido pela Opas (Organização Panamericana de Saúde) devido ao baixo número de casos nos últimos anos, em geral vinculados a surtos importados de outros países.

Porém, a queda na cobertura vacinal associada ao aumento dos fluxos migratórios fez com que a doença voltasse a fazer vítimas no Brasil. “O sarampo não é controlado em diversos locais no mundo. Não só nas américas, mas também em lugares da Europa”.

O principal foco das imunização são as crianças e adolescentes. O motivo é maior chance de contrair e transmitir a doença. Pessoas mais velhas têm maior probabilidade de já terem tido sarampo e, por isso, menos chance contraí-la novamente.

Por este motivo, o calendário nacional de vacinação prevê a aplicação da treta viral já nos primeiros anos de vida. A imunização ocorre em dose única aos 15 meses e protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela.

A rede pública de saúde Mato Grosso do Sul e outros estados brasileiros enfrenta a falta desta vacina. Em Campo Grande, a imunização não está disponível há mais de dois meses. Dados do Ministério da Saúde mostram a queda na cobertura vacinal contra o sarampo nos últimos anos. Em 2015, o porcentual chegou 70,94%. No ano anterior, a cobertura foi de 103,64%.

Diante das ameaças verificadas em 2018, as campanhas foram intensificadas e a SES (Secretaria de Estado de Saúde) conseguiu 99% de cobertura vacinal de crianças de 1 a 5 anos. Dos 79 municípios do Estado, 75 superaram a meta de vacinação de 95%.

Pompilio explica que em casos como o de São Paulo, em que é necessária realização de campanha de forma emergencial, devido ao avanço do sarampo, podem ser aplicadas vacinas monovalente ou trivalente.

(Arte: Ricardo Gael)
Outras vacinas – Não só a tetra viral está em falta nos estoques de vacina da rede de saúdede Mato Grosso do Sul. A distribuição de vacinas pentavalente, DTP, DTPa e meningo C (Meningocócica) também estão prejudicadas.

Conforme a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) o motivo é falta de estoque e ou liberação do INCQS (Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde). “Desta forma, o município deve aguardar o envio destas vacinas pelo Ministério da Saúde ao Estado para que o estoque nas unidades possa ser regularizado”. A SES se manifestou da mesma forma.

O fornecimento da vacina BCG, que previne a tuberculose e é indicada para recém-nascidos, deve ser normalizado nos próximos dias, com o envio pelo ministério de cerca de 8 mil doses

A DTP é aplicada em duas doses e protege contra difteria, tétano, pertussis (coqueluche) e infecções graves pelo Haemophilus influenzae tipo b. O primeiro reforço é aplicado aos 14 meses e o segundo aos 4 anos de idade. A vacina contra a meningite é aplicada também em duas doses – a primeira aos 3 meses de idade e a segunda aos cinco meses, além de reforço aos 12 meses. Já a pentavalente é aplicada em três doses aos 2, 4 e 6 meses.

Medicamento – Nesta terça-feira, a reportagem  mostrou problemas no fornecimento de medicamentos na Capital. Dos cerca de 300 tipos de medicamentos disponibilizados pela Sesau, 60 sumiram do estoque farmacêutico ou estão com itens limitados. O número equivale a 20% do total de remédios fornecidos de maneira gratuita para os pacientes atendidos pelo SUS (Sistema Único

 

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Bonito Net

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação