fbpx
O maior canal de informação do setor

Setor celebra prescrição digital, mas alerta sobre riscos

Setor celebra prescrição digital, mas alerta sobre riscos para segurança de dados

Em parecer enviado ao Conselho Federal de Farmácia (CFF), a Anvisa manifestou-se favorável à assinatura digital nos receituários médicos sujeitos a controle especial, que utilizem o padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil. A medida é celebrada como um grande avanço pelo setor, mas entidades alertam para riscos relacionados ao controle e segurança dos dados. Mas a atual crise provocada pela pandemia da Covid-19 pode contribuir para uma mudança de paradigmas.

Segundo a autarquia, poderão ser assinados digitalmente receituários de medicamentos antimicrobianos, de remédios que contenham substâncias da Lista C1 e C5 e dos adendos das Listas A1, A2 e B1 da Portaria SVS/MS n° 344/98. O volume médio de prescrições do gênero chega a 3 bilhões por ano. A medida garantirá a autenticidade do documento e a criptografia do seu conteúdo, evitando alterações e possíveis fraudes. “A partir de agora, receitas legíveis e acessáveis contribuirão para aumentar a segurança ao processo de dispensação”, declara Walter da Silva Jorge João, presidente do CFF

Embora os benefícios sejam inegáveis, Cassyano Correr, coordenador do projeto de assistência farmacêutica avançada da Abrafarma e fundador da plataforma Clinicarx, enxerga dificuldades para adaptação a esse modelo. “Há um número grande de empresas que os médicos já utilizam para emitir receitas e, dependendo das plataformas que cada uma utiliza, podem obrigar as farmácias a recorrer a vários canais de pesquisa para validar a prescrição”, pontua.

A ausência de uma base de dados que unifique toda a cadeia de saúde também é apontada por Correr como um risco. “O país carece de um sistema que concentre todas as receitas digitais emitidas, pelo qual o varejo poderia automatizar a validação com um simples acesso ao CPF do paciente ou ao código da receita”, afirma. O executivo ainda faz um questionamento: “Até que ponto todas as empresas estão preparadas para adequar todo esse contingente de informações à nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD)?”

Crise atual e legados

Para Sergio Mena Barreto, CEO da Abrafarma, a digitalização rápida do setor pode ser um dos legados positivos dessa crise. “De repente o país se deu conta de que está muito atrasado em várias áreas. Nos últimos anos, a regulação foi totalmente voltada para barreiras, cuidados extremos que derretem como castelos de areia quando a população está verdadeiramente em risco”, avalia. O executivo cita o exemplo dos Estados Unidos e de vários países da Europa. “Em muitas localidades, as prescrições médicas têm longa validade e os sistemas permitem os refis, ou seja, envios para 90 dias ou mais de tratamento. Tudo de forma simples, sem papel, nem sistemas cartoriais complexos como a certificação digital brasileira”, pondera.

Instruções para as farmácias

Para minimizar esses problemas, o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), responsável pela gestão da ICP, disponibiliza gratuitamente, em seu site, verificadores oficiais como o plugin PadES e o verificador de conformidade. Basta fazer o upload do documento e clicar no botão para conferência. O ITI ainda apresenta o código fonte para ser integrado às ferramentas de prescrição ou aos sistemas das entidades reguladoras.

Procurado pela reportagem, o Conselho Federal de Medicina não se manifestou até o fechamento da edição e sequer conta com um posicionamento em suas páginas oficiais. Mas no que depender das estatísticas, a nova realidade é irreversível. Uma pesquisa interna da Associação Paulista de Medicina revelou que 82,65% dos médicos do estado de São Paulo já utilizam algum tipo de tecnologia para otimizar as consultas.

Redes implantam o serviço

Em meio a esse debate, as Farmácias São João anunciaram a implementação de seu sistema de prescrição digital, com mais de 50 mil médicos cadastrados e habilitação do SMS como canal para envio das receitas aos pacientes. A plataforma gratuita está disponível pelo site www.memed.com.br e já passa a ser utilizada pelas mais de 700 lojas da rede nos estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

“O sistema traz mais segurança para todo o ciclo de relacionamento, garantindo a precisão da dispensação dos medicamentos prescritos e a aderência ao tratamento”, observa o presidente Pedro Brair.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente                                                                                                                                                                                O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/03/30/anvisa-suaviza-regras-para-medicamentos-controlados/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra