fbpx
O maior canal de informação do setor

Teste de covid: Saiba qual exame fazer e porquê

1.428

Teste – Nos últimos dias temos acompanhando o crescimento de pessoas infectadas com a covid-19 e a preocupação com a variante ômicron , aparentemente menos severa, porém mais transmissível que as cepas anteriores. Com isso, a procura por testes para covid-19 que identificam a presença do novo coronavírus aumentou.

De maneira geral, é possível dividir os testes de covid-19 em dois grupos: os de diagnóstico, que são feitos com coleta de secreção do nariz ou boca; e os de anticorpos, com amostras de sangue da ponta do dedo ou venoso.

Segundo o virologista e professor da UnB, Bergaman Ribeiro, a eficácia dos testes que detectam o vírus da Covid-19 aumentaram.

‘Nós temos hoje testes mais confiáveis porque a exigência aumentou. No inicio da pandemia esses teste foram comprados e vários fabricantes, praticamente todos internacionais, ofereceram esses testes, e os governos compraram. Na hora de testar e ver se realmente os testes funcionavam ou não, vários testes não passaram no controle de qualidade’, afirma.

Testes para Covid

O RT-PCR permite que quantidades mínimas de material genético do vírus sejam amplificadas milhões de vezes em poucas horas. ‘O RT-PCR é bem mais sensível, precisa estar com pouco vírus para o teste detectar, ele é o ‘padrão ouro’ para esse tipo de exame’, explica o virologista e professor da UnB, Bergmann Ribeiro.

A amostra é coletada por meio de swab (um cotonete comprido) inserido na nasofaringe e na orofaringe. Este exame também já permite a análise de amostras de saliva. Segundo o virologista o RT-PCR é o melhor teste, só que é um exame que só pode ser feito em um laboratório.

Já o teste de antígeno começou a ser usado recentemente. Ele também utiliza um swab nasal, mas não requer a mesma estrutura de laboratório para a análise. ‘O teste de antígeno precisa de uma quantidade maior de vírus presente na amostra’, afirma Ribeiro.

Foto: J.L. CEREIJIDO/EFE

Os testes sorológicos não detectam mais o vírus, mas uma eventual resposta imunológica que a covid-19 possa ter deixado na pessoa. Eles podem ser de dois tipos: testes rápidos ou testes sorológicos feitos em laboratório.

No primeiro caso, são aqueles com um furo na ponta do dedo. Estes exames são qualitativos, mostram apenas a presença ou ausência de anticorpos do tipo IgM e IgG. Já o exame feito em laboratório coleta sangue venoso. O resultado mostra a quantificação desses anticorpos de acordo com o seu tipo.

Valores

O RT-PCR é o mais caro e custa, em média, entre R$ 200 a R$ 400 e os antígenos costumam ser encontrados em uma faixa de R$ 100 a R$ 200.

Procura por testes

Dados da Associação Brasileira de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) mostram que, em dezembro, a procura de testes rápidos de Covid-19 em farmácias no Brasil teve aumento de 100% em relação ao mês de novembro. No entanto, a associação não tem o recorte de farmácias do Distrito Federal.

A alta procura de testagem está ligada às comemorações de fim de ano e também ao aumento de pessoas com sintomas gripais, por conta da Influenza e à variante Ômicron .

Fonte: Mais Brasil News 

 

Veja Também:https://panoramafarmaceutico.com.br/automacao-com-robo-bd-rowa-avanca-em-pequenas-redes-de-farmacias/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação