O maior canal de informação do setor

Testes clínicos com BCG contra covid-19 vão durar até 12 meses

134

A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) vai testar a eficácia da BCG (vacina que previne a tuberculose) contra a covid-19. Serão recrutados 1.000 profissionais de saúde voluntários nos próximos 2 meses para participar do estudo.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

As informações foram divulgadas nesta 2ª feira (5.out.2020) pela coordenadora da pesquisa, Fernanda Mello. Ela é professora de tisiologia e pneumologia do Instituto de Doenças do Tórax da UFRJ. De acordo com Fernanda, os testes durarão de 6 a 12 meses.

A hipótese que a equipe de pesquisadores busca confirmar é a de que a BCG estimula o sistema imunológico a se defender contra a covid-19, evitando a infecção ou o desenvolvimento de quadros mais graves da doença.

A suspeita surgiu quando foram comparados dados epidemiológicos de países que aplicam a BCG em seus calendários vacinais para prevenir a tuberculose, principalmente na América do Sul, África e Ásia, com os de países que suspenderam esse tipo de vacinação, como Estados Unidos, Espanha e Itália.

O teste clínico é uma iniciativa da RedeVírus, coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. A pesquisa será financiada com investimentos de R$ 1 milhão em recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Reforço da imunidade

A professora da UFRJ esclareceu que, apesar de a população brasileira já receber a BCG desde a década de 1970, a revacinação dos voluntários é necessária porque a hipótese estudada é de que o reforço do sistema imunológico ocorre nos anos seguintes à imunização.

Fernanda comenta: “Sabemos que essa vacina estimula a imunidade inata e pode ter uma ação mais efetiva nos anos subsequentes à aplicação. Temos evidências de que, nesse momento, a revacinação traria 1 novo estímulo, uma nova carga de estímulo ao sistema imune e para essa imunidade inata de forma que se tornasse mais eficiente para a resposta a outros desafios como o Sars-CoV-2”.

Marcos Pontes

O início da testagem foi celebrado em uma cerimônia na UFRJ, com a presença do ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes. O ministro ressaltou que, mesmo se a hipótese for confirmada, a vacinação com BCG não substituirá as vacinas específicas contra a covid-19 que estão sendo desenvolvidas e funcionaria apenas como um reforço à resposta imunológica.

Além do início dos testes clínicos com a BCG, a cerimônia também inaugurou 1 laboratório de campanha na UFRJ para a realização de pesquisas e testes diagnósticos de covid-19. Segundo ele, a pasta pretende construir um laboratório NB-4 –ou seja, de contenção máxima– no CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais).

“É 1 projeto caro? É. Mas quanto custa uma vida? O recurso para ciência e tecnologia não é gasto, é investimento para o país, para salvar vida, produzir riquezas para o país, melhorar a qualidade de vida e produzir conhecimento”, disse.

O ministro também afirmou que a pandemia atual não será a última: “É chato falar, mas é verdade. O quanto preparados estamos para as outras pandemias que virão?”.

Fonte: MSN

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2020/10/05/novo-ceo-na-extrafarma/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação