O maior canal de informação do setor

Uso da pílula anticoncepcional é questionado por mulheres

561

Virou uma questão? Entre alguns grupos de mulheres é cada vez mais comum um relato ou uma história de quem decidiu abandonar a pílula anticoncepcional. Por outro lado, os médicos usam estudos científicos para dizer que os riscos são pequenos se comparados com os problemas que surgem de uma gravidez indesejada.

Siga nosso Instagram

Em 1960, as pílulas anticoncepcionais foram criadas e passaram a ser vendidas. Viraram símbolo da liberdade sexual feminina. Mas, em 1961, já foram associadas a um primeiro diagnóstico de embolia pulmonar. Outros casos de acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico e infarto foram registrados nos anos seguintes. As evidências foram sendo juntadas e chegou-se à conclusão: o uso de anticoncepcionais hormonais combinados aumentam o risco de trombose.

De acordo com a ginecologista Cristina Guazzelli, a literatura científica associa esse risco ao estrogênio e há uma relação direta com a dose. A indústria precisou, então, se adequar e criar opções mais “suaves” dos comprimidos. Mais de meio século depois, a quantidade de hormônio caiu até 90% em algumas versões: a quantidade passou de 150 mg para 15 mg (ultrabaixa dosagem), 30 mg (baixa dosagem) e 35 mg (média dosagem).

Trombose e a pílula

As pílulas modernas ainda apresentam um risco, apesar da mudança de dosagem.Em 2016, a jovem Juliana Bardella, na época com 22 anos, relatou nas redes sociais que desenvolveu uma trombose venosa cerebral e foi internada após usar o anticoncepcional. Muitas usuárias começaram a manifestar dúvidas sobre o uso. Grupos com milhares de mulheres passaram a debater o assunto nas redes sociais.

Entre as buscas mais comuns sobre o tema no Google está “pílula anticoncepcional + trombose”. Vamos colocar os riscos em perspectiva.

Fonte: Nova Cruz

Veja também: Brainfarma está com novas vagas abertas em Anápolis

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação