O maior canal de informação do setor

Bolsonaro dá um passo atrás para debelar crise que ele mesmo criou enquanto o país aguarda a próxima

223

Bolsonaro – Presidente precisou se enquadrar diante das reações do Supremo e do mercado financeiro depois do Sete de Setembro, criando uma armadilha para seu Governo, que perdeu o capital político e a credibilidade

Acampamento de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

Carla Jiménez

São Paulo – 10 set 2021 – 01:34 UTC

O presidente Jair Bolsonaro viu escorrer pelas mãos o plano urdido nas redes sociais de ampliar seus poderes ao deparar-se com a dura realidade pós atos de Sete de Setembro. Foi o discurso duro do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux nesta quarta, foi a reprimenda do ministro Luís Roberto Barroso, nesta quinta, ou foi o mercado financeiro que castigou o day after às manifestações. Não importa. O fato é que Bolsonaro precisou escrever uma nota pautada num tom que não é o dele. ‘Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar’, diz a nota assinada pelo presidente que ainda tratou respeitosamente o ministro Alexandre de Moraes, chamado de ‘canalha’ por Bolsonaro em ato na avenida Paulista. ‘Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do ministro Alexandre de Moraes’, continuou a nota.

O efeito no mercado foi imediato. O dólar caiu e a bolsa subiu. Mas a sua tropa não ficou feliz. Houve uma baixa instantânea na moral de seus seguidores que passaram a questionar abertamente o recuo do presidente e inclusive a cogitar abandonar o barco, justamente o último refúgio do presidente. Era o preço a pagar para estancar a sangria que ele mesmo abriu no Brasil depois do discurso incendiário feito no dia 7. O presidente acendeu a pólvora entre os caminhoneiros bolsonaristas, que fecharam rodovias em 15 Estados mantendo artilharia contra o Supremo Tribunal. Ou os 11 ministros saíam ou eles iriam parar o país, como o fizeram em 2018.

Bolsonaro precisou mandar áudio a grupos de whatsapp de caminhoneiros, invocar o ministro da Infraestrutura Tarcísio Freitas e a ministra Damares Alves para convencê-los a abandonar a paralisação. Por fim, ligar para o ex-presidente Michel Temer nesta quinta, como ele mesmo relatou em su live. ‘Telefonei para Michel Temer, ele veio a Brasília, colaborou com a nota’, avisou num tom de voz ameno, que em nada lembrava o homem que sugeria tomar medidas contra o Supremo Tribunal caso não enquadrasse Alexandre de Moraes. Admitiu ter ouvido o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, expoente máximo do Centrão. Chegava ao fim um dia e que o presidente parecia reproduzir o caos da greve dos caminhoneiros, que acessa memórias golpistas na América Latina.

Suas intenções, no entanto, têm pouca credibilidade no Brasil de 2021. O presidente do PSDB, Bruno Araújo, disse à CNN que ia esperar para ver o nível de recaídas de Bolsonaro. Os tucanos anunciaram no dia 8 que iriam analisar o apoio do partido a um impeachment, junto com outras legendas. É um momento complicado para Bolsonaro. Ele perdeu o capital político que já teve das instituições, incluindo o Suprem Tribunal, e dos agentes econômicos. Os chamados juros futuros , com as projeções das taxas no curto e médio, sobem com um prêmio pela agenda de crises políticas do presidente.

Em seu discurso de abertura da sessão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Luis Barroso mencionou a falta de palavra do mandatário, como durante a crise que o país vivia no mês passado – também insuflada pelo presidente -sobre a volta do voto impresso. ‘O presidente da Câmara [Arthur Lira] afirmou que após a votação da proposta, o assunto estaria encerrado. Cumpriu a palavra’, lembrou Barroso sobre a derrota do projeto na Câmara no dia 10 de agosto. ‘O presidente do Senado [Rodrigo Pacheco] afirmou que após a votação da proposta, o assunto estaria encerrado. Cumpriu a palavra. O presidente da República, como lembrou o presidente da Câmara, afirmou que após a votação da proposta o assunto estaria encerrado. Não cumpriu a palavra.’

Barroso foi duro e incisivo, chamando Bolsonaro de ‘farsante’ por ter voltado a semear dúvidas sobre o voto eletrônico em discurso na avenida Paulista para milhares de pessoas. ‘Hoje em dia, salvo os fanáticos cegos pelo radicalismo, e os mercenários, cegos pela monetização da mentira, todas as pessoas de bem sabem que não houve fraude e quem é o farsante nessa história’, seguiu o ministro.

Em sua live, Bolsonaro não resistiu a dizer que não acreditava que venceu com 57 milhões de votos, o que deixa claro que não vai abandonar suas pautas virtuais tão cedo. Mesmo diante do resultado da inflação divulgado nesta quinta, 0,87% pelo IPCA, a maior para o mês de agosto desde 2000, o presidente buscou uma explicação simplista, ao afirmar que a alta era influenciada pelos alimentos, uma vez que as pessoas comiam mais porque estavam confinadas. O resultado do índice em 12 meses se aproxima de 10%, um número que impacta o consumo das famílias, e por consequência, a retomada da economia. É a segunda maior do continente, perdendo somente para a Argentina, onde a inflação é alta historicamente.

‘É preciso lidar com a realidade’, dizia Bolsonaro na live para a sua audiência, num conselho que vale para si mesmo. O presidente, contudo, se encontra numa armadilha, uma vez que nasceu e cresceu como presidente nas redes sociais com seguidores que acreditaram em seu projeto de poder. ‘Um presidente que traiu a classe dos caminhoneiros, deixou Zé Trovão ser preso’, gritava em um vídeo Jackson Villar, um comerciante de São Paulo, que na véspera dos atos em Brasília, chegou a falar em um possível derramamento de sangue com os indígenas acampados na capital porque os ‘ânimos estavam exaltados’. ‘Alexandre de Moraes, solte todos os que foram presos, enganados por Bolsonaro, que foram enganados por esse traidor’, dizia Villar, anunciando que queimaria sua camiseta do presidente.

Ao fim e ao cabo, o mandatário ficou sem saída. Ou assinava o divórcio com eleitores, ou sua sentença pelo impeachment. Optou pelo primeiro confiando que colherá melhores frutos nos próximos dias. Os próximos dias dirão se vai trair também a sua própria natureza incendiária para navegar no caos enquanto governa.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Caminhoneiros bloqueiam rodovias em mais da metade dos Estados e fazem pairar ameaça de greve pró-Bolsonaro Caminhoneiros desmobilizam paralisação e Zé Trovão, principal liderança, é localizado no México Notícias sobre a crise política | Bolsonaro recua após pressão do STF: ‘Minhas palavras decorreram do calor do momento’ STF fala em crime de responsabilidade de Bolsonaro e joga a bomba do impeachment para Lira Fim do STF e ‘democracy, yes’. As contradições do ato pró-Bolsonaro na Paulista Barbacena, a cidade-manicômio que sobreviveu à morte atroz de 60.000 brasileiros Mesmo com receio de confronto, opositores marcam posição contra Bolsonaro

Bolsonaro faz discurso messiânico diante de Esplanada cheia e ameaça enquadrar o Supremo Bolsonaro tem respiro nas ruas, mas fica ainda mais isolado sob pressão de impeachment

El joven que denunció una agresión homófoba en Madrid confiesa que no le atacaron encapuchados: ‘Fue consentido’ El ADN de un vasco y un sardo que asediaban Barcelona en 1652 destapa una epidemia desconocida Porno, brujería y un Marlon Brando fuera de control: el demencial rodaje de ‘La isla del Dr. Moreau’ aún fascina 25 años después Lola Herrera: ‘Que me presenten a alguna mujer que no ha fingido una sola vez el orgasmo’

De vuelta al Afganistán de los talibanes

Muere el actor Jordi Rebellón, el doctor Vilches de ‘Hospital Central’, a los 64 años Futbolistas en el diván Endemoniado Biden pide la renuncia de Kellyanne Conway y Sean Spicer como asesores de academias militares de EE UU Una empresa financiada por multimillonarios ficha en secreto a los mayores expertos en rejuvenecimiento

De vuelta al Afganistán de los talibanes Biden pide la renuncia de Kellyanne Conway y Sean Spicer como asesores de academias militares de EE UU

Un terremoto de magnitud 7,1 sacude el centro de México Alex Saab, un empresario de oro entre los escombros Pasaos a algo más creíble, terraplanistas: el universo es plano

La cercanía del último terremoto en México con la brecha de Guerrero enciende las alarmas El seísmo que ha sacudido México, en imágenes Arrestado en Cuba el líder opositor Guillermo Fariñas Atrapados en Kabul La extinción silenciosa del gato montés

La cercanía del último terremoto en México con la brecha de Guerrero enciende las alarmas

Un terremoto de magnitud 7,1 sacude el centro de México Qué fueron los misteriosos destellos que se vieron en el cielo de México durante el temblor Detenido por fraude Alejandro del Valle, presidente de Interjet Un hospital inundado, 17 fallecidos y 10.000 evacuados: Tula, ciudad bajo el agua México despenaliza el aborto tras una decisión judicial histórica Certificado de vacunación de covid-19, cómo obtenerlo y lo que debes saber México despenaliza el aborto: ¿qué pasará ahora en los Estados del país? El Poder Judicial anuncia tres meses de paternidad pagados para sus trabajadores

O golpe começou De volta ao Afeganistão dos talibãs O bebê do Nirvana não está sozinho nas denúncias contra bandas que usaram imagens sem autorização Caminhoneiros bloqueiam rodovias em mais da metade dos Estados e fazem pairar ameaça de greve pró-Bolsonaro O misterioso pênis gigante verde e amarelo na manifestação golpista da avenida Paulista Caminhoneiros desmobilizam paralisação e Zé Trovão, principal liderança, é localizado no México Macaulay Culkin, 25 anos depois: a turbulenta história do menino que se aposentou milionário aos 14 anos O dia seguinte Toby Ord. ‘A probabilidade de não sobrevivermos no próximo século é de uma em seis’

Fonte: El País – Brasil

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/congresso-da-abrafarma-reflete-sobre-a-farmacia-no-pos-pandemia/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação