fbpx
O maior canal de informação do setor

Butanvac é a vacina brasileira em etapa mais avançada

258

A vacinação contra a covid-19 começou há exatamente 1 ano no Brasil, em 17 de janeiro de 2021 . Desde então, ao menos 145 milhões de brasileiros completaram o 1º ciclo vacinal (2ª dose ou dose única) na imunização contra o coronavírus.

Todos os imunizantes aplicados no país até agora foram desenvolvidos por estrangeiros. O Brasil tem a intenção de ter uma vacina 100% nacional. Hoje, a ButanVac , do Instituto Butantan, é a mais próxima de cumprir essa ambição.

O objetivo das vacinas nacionais é servir como doses de reforço contra o coronavírus. Também podem ser uma forma de imunizar a população sem depender de empresas internacionais e de preços mais altos do mercado global.

O 1º anúncio sobre uma vacina brasileira foi feito em 26 de março de 2021 pelo Instituto Butantan e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). No mesmo dia , o governo de Jair Bolsonaro (PL) anunciou a vacina brasileira Versamune, um estudo comandado pela USP (Universidade de São Paulo) e patrocinado pelo MCTI (Ministério de Ciência e Tecnologia).

No total, há 5 vacinas contra a covid-19 sendo desenvolvidas no país, segundo os registros da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária):

O Poder360 considerou apenas as potenciais vacinas indicadas pela Anvisa como nacionais. Apesar de o governo anunciar a vacina produzida pelo Senai Cimatec de Salvador (BA) como brasileira , na Anvisa o país de origem listado é os Estados Unidos. Segundo agência afirmou ao Poder360, a origem determina qual é a nacionalidade do imunizante.

Essa vacina é produzida pelo laboratório HDT Biocorp, que tem sede em Seattle, nos EUA. O MCTI patrocina o estudo que está sendo realizado no Brasil. As pesquisas com seres humanos começaram em Salvador, com a participação de voluntários de 18 a 55 anos.

AS VACINAS BRASILEIRAS

Entre os imunizantes considerados nacionais pela Anvisa, o do Butantan é o que está em fase mais avançada de desenvolvimento. Os testes pré-clínicos, em laboratório e animais, já foram concluídos. A agência sanitária autorizou os ensaios clínicos com humanos em julho de 2021.

Os testes autorizados são de fase 1 e 2. A fase 3, que é a última e mais abrangente para a solicitação de uso, ainda não foi pedida pelo Butantan, que está realizando os testes com um total de 6.496 voluntários. Até o momento, o imunizante é testado apenas em pessoas maiores de 18 anos, no Estado de São Paulo.

Já a Versamune, anunciada pelo governo Bolsonaro, está parada na Anvisa desde agosto. A vacina fez um pedido para o estudo em março de 2021. Mas o DEEC (Dossiê Específico de Ensaio Clínico), documento que especifica os protocolos do estudo clínico, não cumpria as exigências da Anvisa.

Em maio, a vacina entrou na mira do MPC-SP (Ministério Público de Contas de São Paulo). O órgão questionou a USP sobre um possível conflito de interesse no desenvolvimento do imunizante.

Em documento, o procurador João Paulo Giordano Fontes relata que o coordenador do estudo, Célio Lopes Silva, fez parte do quadro societário da Farmacore Biotecnologia até agosto de 2020, 1 mês após a celebração do convênio entre a universidade e a empresa. A USP abriu uma sindicância sobre o caso.

A SpiNTec, da UFMG, entrou com o pedido de estudo clínico em julho do ano passado. Mas o DEEC não foi enviado, segundo o sistema da agência. Sem esse documento, não é possível prosseguir com a análise do pedido.

Esse imunizante é desenvolvido em parceria da UFMG com a Funed (Fundação Exequiel Dias). Tem investimentos do MCTI, do governo de Minas Gerais e da prefeitura de Belo Horizonte. No fim de dezembro do ano passado, Sandra Goulart Almeida, reitora da universidade, afirmou ao jornal Estado de Minas que tinha entregue à Anvisa os documentos solicitados e que espera uma decisão ‘em breve’.

A UFRJ enviou um pedido de estudo para a S-UFRJvac à Anvisa em agosto de 2021. Mas o DEEC sobre o imunizante não foi apresentado. Assim, essa pesquisa também não avançou para a fase de testes clínicos.

A UFRJ passou por dificuldades orçamentárias em 2021. A reitoria chegou a falar no fechamento da universidade no 2º semestre do ano passado. Uma das áreas prejudicadas com a redução de verbas federais para a UFRJ foi a de estudos pré-clínicos de vacinas, segundo informou a entidade na época.

Já a vacina brasileira que está mais distante no momento de uma possível autorização de uso é a desenvolvida pela Universidade Estadual do Ceará. A ideia dessa vacina é adaptar a tecnologia do imunizante contra bronquite infecciosa para combater o coronavírus.

Os dados sobre esse imunizante estão na fase de submissão prévia. Neste momento, Anvisa apenas avalia preliminarmente os documentos para que adequações possam ser realizadas antes do pedido de estudo.

Adequações em pesquisas de vacinas são naturais. A pandemia de covid-19 acelerou o processo de desenvolvimento de imunizantes, com a necessidade de conter as infecções e mortes.

Em menos de 1 ano já havia vacinas aprovadas pelas principais agênias de vigilância do mundo -o recorde anterior era de 4 anos , com a vacina contra a caxumba. Mas o processo acelerado só foi possível com massivos investimentos em pesquisa e inovação.

Em 2021, as universidades federais que realizam pesquisas sobre a covid-19 sofreram com cortes de verbas por parte do governo Bolsonaro. O próprio MCTI, que patrocina vacinas, foi surpreendido , em outubro, com o corte de 90% em recursos que seriam destinados à pasta via abertura de crédito suplementar.

Fonte: Poder 360


Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/china-deve-liderar-mercado-farmaceutico-global/

 

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação