O maior canal de informação do setor

Casos de automedicação têm aumentado durante a pandemia

289

Quem é que nunca sentiu uma dor de cabeça e tomou por conta própria um remédio? Essa prática comum é bastante perigosa. A farmacêutica Nádia Dias, que atua no Hospital de Campanha de Santarém (HCS), no oeste do Pará, alerta para o risco da automedicação.

O hábito de ingerir medicamentos sem prescrição médica tem preocupado os profissionais da saúde durante a pandemia, isso porque pode gerar diversos problemas como intoxicação e reação alérgica, além de mascarar os sintomas ou causar dependência.

‘Todo medicamento deve ser utilizado na dose e posologia correta. A automedicação tem aumentado ainda mais nesse período pandêmico. Dentre os medicamentos mais consumidos sem prescrição no último ano, estão os antibióticos, anti-inflamatórios e antiparasitários”, diz a farmacêutica.

Um levantamento feito pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) mostra que as vendas da hidroxicloroquina, mais que dobraram, passando de 963 mil em 2019 para 2 milhões de unidades em 2020. O aumento foi ainda maior no caso da Ivermectina, atingindo 557,26%.

Nádia alerta para o uso de antibióticos sem prescrição médica, como por exemplo, a Azitromicina. ‘O uso indiscriminado aumenta a resistência das bactérias no organismo. No caso do antiparasitário ivermectina, quando ingerido em excesso pode gerar efeitos colaterais como intoxicação, doenças hepáticas, hepatite medicamentosa, diarreia, vômitos, tontura e risco de falência do fígado’, ressaltou.

O desconhecimento dos efeitos colaterais leva ao uso irracional, pois muitas vezes a prescrição médica e orientação do farmacêutico são substituídos pela indicação indevida feita por familiares ou vizinhos.

‘É importante que as pessoas tenham o cuidado de não fazer uso de remédio sem a orientação do profissional, não tome medicamentos que o vizinho está tomando, pois apesar da semelhança nos sintomas os quadros de saúde podem ser diferentes e cada organismo reage de uma maneira’, pontuou Nádia.

Segundo dados do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em 2015, foram registrados 24.549 mil casos de intoxicações por agentes farmacológicos, sendo esta, a primeira causa dos envenenamentos no Brasil, o que representa 33,86% dos casos.

Fonte: G1

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/os-riscos-da-automedicacao-na-pandemia/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação