fbpx
O maior canal de informação do setor

Falta de informações e baixo número de vacinas prejudicam logística da vacinação na Grande BH

Com as prefeituras livres para distribuir as doses da vacina Coronavac, conforme suas especificidades, restam muitas dúvidas quanto ao processo de vacinação. Levantamento exclusivo da produção da TV Globo, junto às secretarias de saúde municipais, mostra como essa primeira etapa de vacinação vai ocorrer nas cidades da RMBH: quantas doses foram entregues e quem serão os grupos prioritários (veja na lista abaixo).

Em algumas delas, como Esmeraldas e São José da Lapa, a falta de informações e o baixo número de vacinas prejudicaram inclusive o planejamento de grupos prioritários. Rio Manso recebeu apenas 18 doses. Em Nova União, a expectativa da prefeitura era de receber mais de 100 doses, mas apenas 22 chegaram à cidade.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Na cidade de Nova União, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, o susto foi grande. O município, de 5.800 habitantes, recebeu apenas 22 doses da vacina. De acordo com o prefeito Ailton Guimarães Rosa, esse número foi muito abaixo do esperado, já que o município conta com 112 profissionais de saúde e 1.314 idosos.

“Fiquei indignado com a situação. Foi um susto. Organizamos até um ato simbólico, mas com 22 doses, como é que faz?”, disse.

“Fiquei indignado com a situação. Foi um susto. Organizamos até um ato simbólico, mas com 22 doses, como é que faz?”, disse.

Para ele, a dificuldade agora é como selecionar quem será vacinado. “Seremos muito criteriosos. A princípio, vamos imunizar os profissionais de saúde que estão na linha de frente no combate à Covid-19 e, dentro desse grupo, selecionar aqueles que são mais velhos “.

De acordo com a prefeitura de São José da Lapa, a cidade, que recebeu 97 doses, a primeira etapa não vai contemplar nenhum grupo prioritário de forma integral, já que o município possui 372 médicos na linha de frente e 87 idosos em instituições de longa permanência. Em Esmeraldas, a Secretaria Municipal de Saúde informou que o município não teve acesso aos critérios pelos quais o Estado se fundamentou para realização de distribuição das doses.

Veja quantas doses foram entregues às cidades da Grande BH e quais os grupos prioritários em cada uma delas:

Belo Horizonte 135.270 Profissionais da saúde

Betim 5.160 Profissionais da saúde

Caeté 158 Profissionais da saúde e idosos e equipe das instituições de longa permanência

Capim Branco 21 Profissionais da saúde

Confins 35 Profissionais da saúde

Contagem 5.461 Profissionais da saúde e idosos que vivem em instituições de longa permanência

Esmeraldas 193 Não foi especificado

Ibirité 1.177 Profissionais da saúde

Igarapé 99 Profissionais da saúde

Itatiaiuçu 46 Profissionais da saúde mais velhos

Juatuba 63 Profissionais de saúde

Lagoa Santa 666 Idosos em instituições de longa permanência

Matozinhos 121 Profissionais da saúde

Nova Lima 659 Profissionais da saúde

Nova União 22 Profissionais da saúde mais velhos

Pedro Leopoldo 417 Profissionais da saúde e idosos em instituições de longa permanência

Raposos 57 Profissionais da saúde

Ribeirão das Neves 1.144 Profissionais da saúde, idosos em instituições de longa permanência, pessoas institucionalizadas, maiores de 18 anos portadores de deficiência, residentes em Residências Inclusivas e a população indígena que vive em terras indígenas.

Rio Manso 18 Profissionais da saúde

Sabará 576 Profissionais da saúde

Santa Luzia 762 Profissionais da saúde

São Joaquim de Bicas 111 Profissionais da saúde, povos indígenas e idosos em instituições de longa permanência

São José da Lapa 97 Profissionais da saúde

deslize para ver o conteúdo

Até o momento da publicação desta matéria, não tivemos retorno das prefeituras de Baldim, Brumadinho, Florestal, Itaguara, Jaboticatubas, Juatuba, Mário campos, Mateus leme, Rio Acima, Sarzedo, Taquaraçu de Minas e Vespasiano. Atualizaremos a reportagem quando houver retorno.

Incertezas

Para a infectologista Luana Araújo, essa imprecisão ocorre porque realmente não tem informação, ainda não há produção da vacina no Brasil e neste momento são muitas as incertezas, relativas mesmo ao mercado e à importação das primeiras levas de vacinas. Não temos ainda datas específicas para as próximas etapas do processo.

“Todo mundo querendo vacinar para ontem, mas só tem um cheiro de vacina. Isso deixa as pessoas muito assustadas e confusas”, diz.

“Todo mundo querendo vacinar para ontem, mas só tem um cheiro de vacina. Isso deixa as pessoas muito assustadas e confusas”, diz.

* Com informações de Camila Falabela, Cíntia Neves, Frederico Bottrel, Pedro Chimicatti, Rodrigo Salgado e Leonardo Milagres, estagiário, sob supervisão de Frederico Bottrel.

Fonte: G1 

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra