Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Farmácia mais antiga da Argentina completa 190 anos

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

FARMÁCIA MAIS ANTIGA DA ARGENTINAFarmacia de la Estrella, farmacia mais antiga, varejo farmacêutico
Foto: Reprodução El Destape – Kaloian Santos

A farmácia mais antiga da Argentina carrega quase dois séculos de história. Fundada em 1834, a Farmacia de la Estrella tornou-se um dos principais pontos turísticos de Buenos Aires ao manter até os dias de hoje todo o mobiliário da época. As informações são do El Destape.

A história do estabelecimento confunde-se com a do país não apenas pela localização em Montserrat, mais tradicional bairro da capital argentina e palco de endereços como a Plaza de Mayo e a Casa Rosada. Afinal, foi um importante político argentino que reivindicou a abertura da farmácia. Além disso, os profissionais do estabelecimento são os únicos autorizados a entrar na sede da presidência, para atender os funcionários do governo federal.

O primeiro presidente da Argentina, Bernardino Rivadavia, queria um estabelecimento de saúde capaz de se tornar um modelo para toda a América do Sul. Seu primeiro endereço foi em Belgrano y Defensa, bem em frente à Igreja de Santo Domingo. A vizinhança não era uma coincidência. A ideia era que, em caso de emergência, bastasse ao paciente procurar a torre da paróquia como referência para chegar à drogaria.

Farmácia mais antiga da Argentina teve comando de imigrantes 

O primeiro gestor da farmácia mais antiga da Argentina foi Paolo Ferrari, um imigrante italiano que já havia trabalhado como bioquímico e boticário. Quatro anos depois, ele vendeu a loja para outro estrangeiro. Silvestre Demarchi, que era suíço-italiano, buscou em suas raízes fundos e mão de obra para o estabelecimento. Com capital, profissionais capacitados e o apoio dos filhos, o negócio começou a prosperar.

Expansão e marca própria

Falar sobre a expansão de redes de farmácias e o estabelecimento de marca própria pode parecer algo moderno, mas já era realidade para a Farmacia de la Estrella. Pouco antes de 1860, a companhia ganhava corpo. Além da criação de filiais em outras cidades argentinas, como Córdoba, Rosário e San Nicolás, a empresa chegou até mesmo a contar com um PDV em Montevidéu, capital do Uruguai.

Em paralelo, o filho de Silvestre, Antonio Demarchi, ergueu um laboratório em parceria com o empresário local Domingo Parodi. Foi nesse local que as primeiras fórmulas foram desenvolvidas. Mas o grande sucesso não foi um medicamento, e sim a marca de algodão Estrella, presente no mercado argentino até hoje. Do complexo também saíram medicamentos tradicionais como a Hesperidina, para digestão, e as pastilhas para tosse Parodi.

Com o avanço da operação, a farmácia mudou de endereço em 1895 e passou a ocupar a esquina entre as ruas Alsina e Defensa, onde se mantém até hoje. Para não perder o costume, foi posicionada nas proximidades de uma igreja – a Basílica e Convento de São Francisco de Assis.

Farmácia, mas pode chamar de museu

De 1895 para cá, pouco mudou na Farmacia de la Estrella. Os balcões e a balança da década de 1930 ainda compõem o cenário. Nas prateleiras de madeira, frascos utilizados nos anos 1930 e 1940 seguem expostos.

Além disso, o estabelecimento conta com obras de arte adornando suas paredes e teto. “Para cuidar das peças, temos que moderar o uso do ar-condicionado”, relatou Alejandro Cardelli, outro sócio-proprietário da farmácia, em entrevista para o Infobae em 2019.

Para o gerente Alberto Paredes, o visual da loja representa um dos grandes diferenciais da drogaria. “Felizmente não nos parecemos com a Farmacity (uma das principais redes de farmácia do país). Nosso público é o tradicional, que nos visita para sentir o cheiro de farmácia tradicional”, explica.

Farmácia esteve perto de encerrar operações 

Em 1964, o empreendimento quase fechou as portas. Mas, com a ajuda dos vizinhos e do arquiteto José Maria Peña, a farmácia foi restaurada e pôde, cinco anos depois, ser declarada patrimônio histórico pelo governo da província de Buenos Aires, assim como todo o centro histórico de Montserrat. Só que, de acordo com Paredes, o poder público não fornece nenhuma ajuda de custo ao negócio.

Atualmente, a farmácia, além de vender medicamentos e produtos de higiene e beleza, é classificada como museu e figura em diferentes guias turísticos. Enquanto vive mergulhada na história, a empresa também se modernizou e conta até com e-commerce.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!