Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Gestora de farmácia supera boicote e comanda 20 lojas

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Gestora de farmácia comanda 20 lojas após superar boicote
Ana Carolina de Barros (4ª da esq. para dir.) ao lado da equipe da Ultra Popular

A gestora de farmácia Ana Carolina de Barros enfrentou boicote, ameaças e até sabotagens. Mas nada foi empecilho para essa empreendedora que abriu a primeira farmácia juntando R$ 5 mil do bolso e hoje se tornou administradora de 20 lojas – integradas à rede associativista da Farmarcas.

Dona de 11 lojas da Ultra Popular no Mato Grosso e mais nove unidades em Minas Gerais, a trajetória de Ana Carolina é destaque do nono episódio da seção Minha História, espaço dedicado aos empresários que movem as farmácias brasileiras.

Mas a vontade inicial da farmacêutica formada em Campinas (SP) era um pouco diferente. Assim que concluiu a graduação, almejava atuar na indústria e depois abrir uma farmácia de manipulação. Após um período trabalhando em São Paulo, em 2006 ela retornou para sua cidade natal, Itanhandu, no sul de Minas Gerais, ao aceitar o convite da distribuidora de medicamentos Serramed.

“Trabalhava de manhã na distribuidora e à noite ministrava aula em um curso técnico de farmácia. Foi onde conheci a minha sócia Fernanda. Ficamos amigas e, durante uma conversa, surgiu a ideia de abrirmos uma drogaria em sociedade”, relembra.

Gestora de farmácia convivia com recursos escassos

Apesar da resistência inicial, Ana Carolina decidiu entrar no negócio em 2010. Mas o escasso capital para investimento comprometia os planos. Cada uma tinha R$ 5 mil de economias na época. “Juntamos esse valor e abrimos a Droga Rede com apenas R$ 10 mil, que foi usado para as despesas que obrigatoriamente teriam que ser pagas à vista. O restante foi financiado”, recorda.

Para conseguir tocar o negócio, ambas mantiveram os antigos empregos e se revezavam nos turnos, em jornadas sem fim de domingo a domingo. “Mantínhamos dois colaboradores e fazíamos de tudo, da venda à entrega da mercadoria. Em poucos meses conseguimos reverter a situação e acabamos virando um caso de sucesso pelo rápido crescimento em uma cidade tão pequena”, ressalta. Hoje, as nove lojas de Minas Gerais contabilizam faturamento de R$ 2,5 milhões por mês.

A mudança para o Mato Grosso

Em 2011, o ex-marido de Ana Carolina foi transferido para Primavera do Leste, a 280 quilômetros de Cuiabá, no Mato Grosso. Logo depois ela acabou se mudando para o estado com a intenção de ficar apenas um ano. “Na época tínhamos duas farmácias em Itanhandu (MG). Deixei a Fernanda no comando das lojas e virei dona de casa, comecei a vender bijuteria e ofereci consultoria nas farmácias locais, mas nada foi para frente”, conta.

Certo dia, quando precisou comprar um antibiótico para a filha, a farmácia deu apenas 5% de desconto na compra do medicamento. “Analisando os dados de mercado, observei que todas as farmácias aplicavam rigorosamente o mesmo desconto. Imediatamente acionei a Fernanda e enxergamos ali potencial para nos diferenciarmos”, relata.

Guerra de preços, boicote e sabotagem

E foi nessa mesma época que a Farmarcas criou a Ultra Popular, uma bandeira com uma montagem mais barata, sem serviço, com investimento mais baixo. “Propus para a Fernanda que abríssemos uma unidade em Primavera do Leste. Em 2012 abrimos a primeira Ultra Popular no Mato Grosso, a terceira da rede no Brasil, e chegamos com um mix diferenciado e preços agressivos”, afirma.

A movimentação mexeu com a concorrência. O consumidor que até então só garantia 5% de desconto passou a adquirir genéricos com valores reduzidos em até 45%. Ana Carolina sofreu ameaças e sabotagem, desde a colocação de cola super bonder nas fechaduras das lojas a um incêndio criminoso na unidade de Poxoréu (MT), a uma semana da inauguração.

Mas nada foi tão desafiador quanto o boicote praticado pelas distribuidoras. “As drogarias e o sindicato local criaram um movimento denominado “grito do oeste”, na qual ameaçavam não comprar mais das distribuidoras que vendessem para nós. Apenas uma atacadista, a Disnat, aceitou fechar negócio conosco. Foi um período muito difícil, até fralda eu tinha que comprar no mercadão pela falta de fornecedores dispostos a vender”, revela a executiva.

A performance nas vendas foi o gatilho para que as distribuidoras percebessem que estavam perdendo oportunidades de negócio ao manter o boicote. “No primeiro mês vendemos R$ 30 mil, mas nos seis meses seguintes aumentamos o faturamento em 600%. Tinha fila na farmácia e até hoje nosso atendimento é feito por senha”, pontua.

A virada de chave

Hoje, as 11 lojas da Ultra Popular no Mato Grosso apresentam um faturamento de R$ 11 milhões. Ana Carolina foi a primeira associada da rede a ultrapassar R$ 1 milhão em vendas. Somadas, as 20 lojas do Mato Grosso e de Minas Gerais registram R$ 14 milhões de faturamento mensal, com 400 colaboradores. A previsão é crescer 25% até o fim do ano.

Parte da meta será atingida por meio de duas grandes inaugurações que ocorreram este ano. A primeira foi aberta em maio, em Barra do Garça (MT), unidade com 1 mil m² de área total e 480 m² de atendimento. No mês de agosto, chegou a R$ 900 mil de faturamento.

A loja contempla um mix que inclui ovo, miojo e papel higiênico. “Nosso objetivo é fazer com que o consumidor encontre toda a conveniência de que necessita na farmácia. Também temos um marketing bastante agressivo, que cobre qualquer preço da concorrência”, argumenta.

Já a segunda novidade foi a abertura da primeira loja da Ultra Popular com drive-thru na cidade de Primavera do Leste (MT), cujo faturamento já totaliza R$ 1,5 milhão em um mês. Só no drive-thru, as vendas mensais contabilizam R$ 350 mil. Para 2024 a projeção é abrir uma loja em Campo Verde (MT).

Outro movimento inovador foi a criação do serviço centralizado de televendas, que representa 36% dos negócios. Só a matriz soma R$ 1 milhão em vendas pelo serviço, que conta com uma plataforma centralizada, 17 motoboys e campanhas internas com indicadores de performance. “O modelo associativista proposto pela Farmarcas nos dá a sustentação necessária para crescer com coragem, tendo um amparo profissional qualificado e ferramentas para lapidar a gestão”, finaliza.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!