O maior canal de informação do setor

Indústria farmoquímica terá apoio de novos centros de pesquisa para inovar no Brasil

124

Com apoio do Ministério da Saúde, a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) vai selecionar quatro novos grupos de pesquisa e investir R$ 20 milhões no desenvolvimento nacional de fármacos e biofármacos realizados em parceria com a indústria. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (21), pelo Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e pode ser acessado pelo link: https://bit.ly/EMBRAPII_Saúde .

Veja também: Intermediária da Covaxin ganhou R$ 9,5 milhões com venda antecipada de vacina a 59 clínicas

‘O ambiente pandêmico mostrou que a saúde é muito mais estratégica do que pensávamos. Temos que desenvolver no Brasil um forte complexo industrial da Saúde e não há como fazer isso sem o fomento à pesquisa e o fortalecimento do Sistema Único da Saúde’, destacou o ministro.

Siga nosso Instagram

Os grupos de pesquisa serão credenciados como Unidades EMBRAPII e poderão inovar com as empresas dos setores farmaquímico e farmacêutico. A proposta é tornar a indústria mais flexível e independente de pressões e escassez externas, gerando soluções brasileiras na área, e alavancar recursos privados em inovação, uma vez que o modelo de atuação da EMBRAPII prevê o co-investimento do setor empresarial. A expectativa é gerar R$ 60 Milhões projetos de inovação.

Os grupos de pesquisa que desejam se candidatar devem atuar em pelo menos três dos seguintes temas: descoberta de novas moléculas e princípios ativos, desenvolvimento de IFAs, biologia molecular aplicada a produtos terapêuticos; anticorpos monoclonais, proteínas terapêuticas; kits diagnósticos; sistemas de liberação controlada de fármacos; implantes incorporados com fármacos; manufatura aditiva de produtos para saúde incorporados com fármacos; ensaios pré-clínicos; ensaios clínicos fase I; e produção de hemoderivados.

Segundo o diretor-presidente da EMBRAPII, Jorge Guimarães, essa especificidade se deve à percepção de que as áreas ligadas à biotecnologia e no complexo industrial da saúde estão em crescente demanda, sobretudo após a Pandemia de Covid-19. ‘A pandemia do Coronavírus explicitou a dependência da indústria nacional em vários setores e o papel da EMBRAPII é fortalecer a nossa indústria e, para isso, disponibilizamos grupos de pesquisa aplicada altamente qualificados (Unidades EMBRAPII)”, destacou Guimarães. “Ofereceremos um modelo operacional ágil, flexível e sem burocracia para as empresas inovarem. Na área de fármacos e fitofármacos, é imperativa a necessidade de apoio para reverter o cenário atual. Ao investir em desenvolvimento de tecnologias nacionais, o conhecimento gerado permite melhoria na posição extremamente negativa da balança comercial na área, além de possibilitar a ampliação do acesso e da qualidade da saúde pública.’

EMBRAPII na Saúde

A EMBRAPII é uma organização social com contrato de Gestão com os ministérios da Ciência, Tecnologias e Inovações (MCTI); da Saúde (MS) e da Educação (MEC). Criada em 2013 tendo como objetivo fazer a ponte entre setor produtivo e centros de conhecimento e diminuir o risco das empresas dispostas a investir em inovação. O modelo da EMBRAPII garante recursos não reembolsáveis para incentivar a inovação na indústria a partir do desenvolvimento de projetos de PD&I.

Além dos recursos não reembolsáveis, a EMBRAPII oferece conhecimento para que as empresas superem os desafios tecnológicos. Em seis anos de atuação, já apoiou na área da saúde o desenvolvimento de 185 projetos com 157 empresas do setor, que somam R$ 161 milhões e 52 pedidos de propriedade intelectual nos projetos concluídos.

A Covid-19 trouxe grandes desafios para a ciência e a indústria brasileira exigindo respostas imediatas que pudessem contribuir no combate à pandemia no país. A EMBRAPII, com seu modelo de atuação ágil e flexível, fomentou 64 ações no combate à Covid-19 e ao coronavírus, destinando recursos financeiros e disponibilizando pesquisadores para o desenvolvimento de projetos de inovação para atender a esta necessidade.

Conheça alguns projetos:

Princípios ativos para medicamentos contra o Câncer

A Unidade EMBRAPII Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), o Aché Laboratórios e a empresa Phytobios fecharam uma parceria para identificar substâncias bioativas em extratos vegetais da biodiversidade brasileira. O objetivo é descobrir e desenvolver novos medicamentos inicialmente nas áreas de oncologia e dermatologia.

Insumos para o desenvolvimento de teste para covid-19

A Unidade EMBRAPII Centro de Química Medicinal de Inovação Aberta (CQMED) desenvolveu um modelo de produção de enzimas de alta especificidade para ser usado na testagem de COVID-19 a partir da saliva. A tecnologia permitiu a entrega de insumos para 400 mil testes a empresa parceira Mendelics Análise Genômica em menos de dois meses de pesquisa. A escalabilidade dos reagentes é um passo importante para a autonomia do país na capacidade de testagem em massa.

ECMO – ‘pulmão artificial’ para casos graves de Covid 19

O aparelho consiste na Oxigenação por Membrana Extracorpórea (ECMO em inglês), uma forma de respiração extracorporal. Ele está sendo utilizado em pacientes graves com Covid-19, ajudando a manter o paciente vivo até que a doença regrida. Além disso, a tecnologia pode ser utilizada em casos de transplante de coração, infarto do miocárdio, parada cardíaca e insuficiência respiratória aguda. O equipamento é fruto da parceria com a empresa Braile Biomédica e a Unidade EMBRAPII Eldorado.

Fonte: Cabresto

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação