O maior canal de informação do setor

Ministério da Saúde abre licitação para campanhas sobre vacinação

74

Na contramão do que defende o presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde abriu uma megalicitação para a contratação de quatro empresas que vão cuidar das campanhas da pasta sobre diversos temas, como vacinação. Uma das metas destacadas no edital – com previsão de pagar um total de R$ 215 milhões para as vencedoras do certame – é tentar reverter o impacto das fake news sobre imunizantes, cujo alcance vem caindo nos últimos anos.

Entre os tópicos elencados no documento, o que trata dos ‘Desafios de Comunicação’ destaca desinformação e notícias falsas como pontos de alarme a serem enfrentados. Em subtópico seguinte, versando sobre ‘Motivos das Quedas Vacinais’, estão enfatizados ‘movimento antivacina e fake news’, que mencionam eventos adversos relacionados aos imunizantes e colocam em dúvida a qualidade e a eficácia das vacinas.

O edital ressalta que o Ministério da Saúde quer manter a campanha lançada em 2019, chamada ‘Vacina Brasil’. Segundo o documento, o objetivo é reforçar a preocupação com a imunização. Por isso, a pasta demanda ‘uma série de ações integradas entre diversos órgãos públicos e a empresa (a ser contratada pelo certame) para conscientizar a população da importância da vacinação e desmistificar a campanha de fake news contra as vacinas’. ‘Seguimos em um grande esforço conjunto para refazermos um pacto sobre vacina neste país’, acrescenta.

Resistência

A iniciativa do Ministério da Saúde vai de encontro ao posicionamento de Bolsonaro, crítico ferrenho, por exemplo, da vacinação contra a covid-19, especialmente de crianças. Por ações e declarações, o presidente tem tentado demover a população a se vacinar, disseminando fake news sobre imunizantes e pregando o uso de medicamentos sem eficácia comprovada no combate ao vírus.

No episódio mais recente, Bolsonaro atacou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ao questionar os motivos pelos quais o órgão autorizou a vacinação de crianças de 5 a 11 anos.

O próprio ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, tem trabalhado contra a imunização de crianças, num agrado ao chefe. Os dois criaram uma série de obstáculos para iniciar a vacinação de meninas e meninos, autorizada pela Anvisa desde 16 de dezembro.

Fonte: Correio Braziliense

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/vacinacao-griparios-e-testagem-o-que-pode-ser-feito-para-evitar-um-colapso-na-saude-apos-explosao-de-casos-de-covid-no-pais/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação