fbpx
O maior canal de informação do setor

PGR nega pedido de investigação contra Bolsonaro por indicar cloroquina

341

PGR – A Procuradoria-Geral da República negou nesta quinta-feira (11) um pedido de investigação contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) apresentado pelo PDT.

Siga nosso instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

A sigla apresentou uma notícia-crime contra o presidente por ter indicado o uso da Cloroquina e de ‘tratamento precoce’, medicamentos sem eficácia comprovada, para combater o novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Na decisão, o Procurador da República, Augusto Aras , alega falta de ‘indícios mais robustos’ para negar o pedido:

‘Caso surjam indícios mais robustos da possível prática de ilícitos pelo requerido, serão adotadas as medidas cabíveis. Em face do exposto, a Procuradoria-Geral da República manifesta-se pela negativa de seguimento à petição’, diz a decisão assinada por Aras.

A notícia-crime havia sido encaminhada ao Supremo Tribunal Federal ( STF ) em fevereiro. A ministra Rosa Weber enviou à PGR a ação, que foi negada.

Leia também Daniel Silveira tem julgamento de denúncia da PGR contra ele adiada no STF Ministro Fux pede ‘união dos três poderes’ no ‘preocupante’ cenário da pandemia Lava Jato, Moro e STF: o que está em jogo neste xadrez

No documento, o PDT alega que cerca de 3,2 milhões de comprimidos foram produzidos sem licitação pelo governo federal.

‘Todos os estudos apontaram que o remédio [cloroquina] não interfere no quadro do paciente com o vírus nem reduz chances de contágio. Mesmo diante disso, o Presidente da República e o Ministério da Saúde lançaram campanha para a utilização de tratamento precoce contra a COVID-19, especificamente com a criação do aplicativo ‘TrateCov’, em que se recomendava o uso da cloroquina’, declara o partido na notícia-crime contra Bolsonaro.

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), criticou a decisão do ministro Edson Fachin de anular as condenações do ex-presidente Lula na Lava-Jato . Ele disse que a decisão será revista em plenário.

‘Estou perplexo diante da decisão do ministro Edson Fachin de anular os processos-crime depois de os processos terem percorrido todas as instâncias’, criticou, em entrevista à coluna de Guilherme Amado, do jornal O Globo.

‘A decisão do ministro Fachin é uma decisão individual, impugnável ainda. Se já fosse de colegiado, aí haveria prejuízo. Mas é decisão individual . Eu, por exemplo, não julgo individualmente habeas corpus’, continuou.

Marco Aurélio também mostrou surpresa com a transição de ‘mocinho’ a ‘bandido’ do ex-juíz Sergio Moro . Segundo o ministro, o único erro de Moro foi ter deixado o cargo de juíz para assumir o ministério da Justiça do governo Bolsonaro.

Leia também Lula pode ser condenado novamente? Veja a opinião de juristas Com possível candidatura de Lula, filiações ao PT aumentam 828% em três dias Lewandowski cita ‘perplexidade’ da comunidade jurídica ao votar contra Moro

‘O que me assusta é o que o herói nacional, o mocinho, está sendo tomado como bandido. O ex-juiz Sergio Moro. Isso não se coaduna com o Estado democrático de direito. Imagina-se que ele estivesse a um só tempo como Estado julgador, como juiz, e Estado acusador, como Ministério Público.’

Fonte: IG Política

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2021/03/11/melhor-compra-quer-ter-700-pdvs-ate-dezembro-e-ser-menos-mineira/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação