O maior canal de informação do setor

Queiroga recebeu representante da CanSino junto com Barros e sem registro

298

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, recebeu representantes do grupo que pretendia importar a vacina Convidecia, produzida pelo laboratório chinês CanSino, no ministério. No Brasil, a Belcher, um laboratório médio de Maringá (PR), era a parceira oficial.

No dia 15 de abril, Queiroga teve uma reunião com o líder do Governo, Ricardo Barros (PP-PR). Junto com ele, estava Alan Eccel, que fazia parte do grupo de empresários que pretendia comprar vacinas diretamente, sem intermédio do governo. Na agenda oficial de Queiroga, consta apenas o nome de Barros.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

A iniciativa de comprar essas vacinas partiu dos empresários Carlos Wizard e Luciano Hang, que procuraram a embaixada chinesa para verificar a disponibilidade de estoques e a possibilidade de compra direta pelos empresários. Eccel, que trabalha com importação, e um dos sócios da Belcher, Emanuel Catori, participaram desses contatos.

No dia 4 de junho, o Ministério da Saúde assinou um documento de intenção de compra de 60 milhões de doses da vacina, vendidas a US$ 17. A Argentina comprou 5,4 milhões de doses com entrega prevista para julho. O valor unitário negociado era de US$ 14, mas não há informações sobre qual foi o preço efetivamente pago.

Procurado, Barros confirmou a reunião, mas disse que não discutiu temas relacionados à vacina ou ao valor cobrado pelas doses. O Ministério da Saúde disse que encerrou as tratativas para comprar a vacina no dia 17 de junho.

A Belcher informou que desfez a parceria com a CanSino e alegou ‘questões técnicas de natureza privada entre as empresas’.

Barros e vacinas

O líder do Governo é próximo à família de um dos sócios da Belcher. Francisco Feio Ribeiro Filho teve cargos nas gestões de Barros como prefeito de Maringá, no fim dos anos 1980, e de Cida Borghetti, mulher do deputado, que foi governadora do Paraná de 2018 a 2019.

Ele é pai de Daniel Moleirinho Feio Ribeiro, sócio de Emanuel Catori na Belcher. Segundo Barros, Francisco é um ‘amigo pessoal’.

O líder do Governo foi acusado pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF), na última 6ª feira (25.jun), de pressionar pela compra da vacina indiana Covaxin.

Uma emenda do líder do Governo na MP 1.048 autorizou a Anvisa a liberar imunizantes aprovados na Índia. Também foi dele o projeto que derrubou a necessidade de ensaios clínicos da fase 3 no Brasil, ajudando a Sputnik V.

O deputado divulgou nota na qual diz não haver fatos concretos contra ele.

Anvisa

Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) encerrou na 2ª feira (28.jun) o processo que analisava pedido de autorização temporária de uso emergencial da Convidecia, vacina contra covid-19 fabricada pela CanSino Biologics Inc. A decisão se deu de forma unânime pelos integrantes da diretoria colegiada da agência. Eis a íntegra do comunicado (140 KB).

O pedido de autorização do imunizante era analisado em caráter experimental e teria validade temporária caso fosse aprovado pelo órgão. Foi protocolado em 19 de maio. O encerramento da análise se deu por perda de legitimidade da empresa e do Instituto Vital Brazil S.A, que aparecia como interessado no processo administrativo.

De acordo com a Anvisa, a CanSino notificou a agência em 17 de junho de que a Belcher e o Instituto Vital Brazil não tinham mais autorização para representar a farmacêutica chinesa no Brasil. Dessa forma, o processo foi encerrado.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/advogado-de-ricardo-barros-trabalhou-para-chineses-da-cansino-em-negociacao-com-governo-bolsonaro-alvo-da-cpi-da-covid/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação