O maior canal de informação do setor

Rio antecipa vacinação e estuda dose de reforço contra a covid-19 em outubro

142

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), anunciou nessa 5ª feira (15.jul.2021) a antecipação do cronograma de vacinação contra a covid-19. A previsão é que todos os adultos recebam ao menos uma dose até 18 de agosto. A partir daí, começa a vacinação de adolescentes. A Prefeitura ainda analisa a necessidade de uma dose de reforço para idosos, que seria aplicada em outubro.

‘Fomos a primeira cidade a dar a luz no fim do túnel e já tinha dito que era um calendário conservador naquele momento. Conseguimos avançar mais 12 dias e cada dia a mais é uma oportunidade de salvar uma vida’, declarou o prefeito em transmissão ao vivo feita no YouTube.

Receba a newsletter do Poder360

‘Desculpa Doria, dois dias antes que você anunciou. Fique tranquilo em casa, descansa da covid e, pelo amor de Deus, não me dê mais confusão. Eu não tenho como esticar mais do que estamos esticando [o calendário de vacinação]’, disse, se referindo ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que foi diagnosticado com covid-19 pela 2ª vez.

Neste domingo (11.jul), Doria anunciou que antecipará em 26 dias a vacinação completa de adultos no Estado. Todas as pessoas maiores de 18 anos irão receber a 1ª dose da vacina até 20 de agosto.

O prefeito estava acompanhado do secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

‘Esse é um calendário super ousado’, falou o secretário. ‘Estamos usando a previsão da entrega de doses do Instituto Butantan, da Fiocruz, da Pfizer e Covax Facility para conseguir alcançar. É um planejamento e uma logística dura.’

Eis o cronograma:

DOSE DE REFORÇO

Soranz afirmou que a aplicação de uma 3ª dose em idosos ainda está em discussão. ‘É importante que a gente tenha uma avaliação científica’, disse o secretário de Saúde. Segundo ele, será analisado se há queda na imunidade no grupo dos maiores de 60 anos.

‘A gente tem que garantir que essa população, que é uma população que tem mais dificuldade de imunizar, de produzir anticorpos, esteja devidamente imunizada’, falou. ‘Ainda faltam algumas análises, mas é importante que a Prefeitura se planeje.’

Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirmou que não há estudos conclusivos sobre a necessidade de uma 3ª dose ou dose de reforço de vacinas contra a covid-19 autorizadas no Brasil. Eis a íntegra da nota (132 KB).

Um dos objetivos das pesquisas sobre uma dose adicional de imunizantes é investigar a proteção contra variantes do novo coronavírus.

‘A Anvisa vem acompanhando as discussões, as publicações e os dados apresentados sobre o surgimento de novas variantes do vírus Sars-CoV-2 e seu impacto na efetividade das vacinas. Até agora, todas as vacinas autorizadas no Brasil garantem proteção contra doença grave e morte, conforme os dados publicados’, lê-se na nota.

Os estudos que buscam investigar os efeitos de uma dose adicional dos imunizantes contra a covid-19 são desenvolvidos pelos laboratórios farmacêuticos. Até o momento, a Anvisa recebeu 2 pedidos de autorização para pesquisas clínicas desse tipo: da Pfizer e da AstraZeneca.

CRÍTICAS

Israel se tornou o 1º país a oferecer dose de reforço contra a covid-19, já que aplica, desde 2ª feira (12.jul), uma 3ª dose do imunizante da Pfizer/BioNtech em adultos com sistema imunológico enfraquecido.

No mesmo dia em que a 3ª dose começou a ser aplicada em Israel, o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, criticou a aplicação de doses adicionais das vacinas. Segundo ele, os dados mostram que a vacinação com duas doses oferece imunidade de longa duração e, portanto, a prioridade agora é vacinar as pessoas que não receberam nenhuma proteção.

‘Em vez de Moderna e Pfizer priorizarem o fornecimento de vacinas como reforços para países cujas populações têm cobertura relativamente alta, precisamos que eles façam todos os esforços para canalizar o fornecimento à Covax Facility, à Equipe de Tarefa de Aquisição de Vacinas da África e aos países de baixa e média renda, que têm cobertura vacinal muito baixa’, disse.

Fonte: Poder 360

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação