Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Ações da indústria farmacêutica enfrentam queda em 2023

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

Ações da indústria farmacêutica enfrentam queda em 2023

As ações da indústria farmacêutica enfrentam um viés de queda neste primeiro semestre após o aumento no valor de mercado em 2022. Oito dos dez maiores laboratórios nesse quesito cresceram no ano passado. Porém somente uma companhia do top 10 registrou alta, segundo aponta relatório da consultoria GlobalData.

Apesar da resiliência do setor, a redução natural da demanda por novas vacinas e medicamentos contra a Covid-19 ajuda a explicar esses indicadores. Mas os impactos da pressão inflacionária e dos juros altos em nível mundial também colaboraram.

Líder em valor de mercado até o fim do ano passado, a Johnson & Johnson perdeu esse posto para a Eli Lilly. Agora acumula uma queda média mensal de 0,20% no preço das ações. A fabricante teve dificuldades para disputar o mercado de imunizantes com as concorrentes Pfizer e Moderna. Para completar, teve de desembolsar US$ 5 bilhões em acordos judiciais por conta da crise dos opioides.

Mas assumir a primeira posição não significa só flores para a Eli Lilly, que vem amargando 1,25% de redução média mensal. O Trulicity, medicamento indicado para diabetes tipo 2, foi o trunfo do laboratório em 2022. Mas a onda das vendas pode ter passado.

Ações da indústria farmacêutica nos EUA

(valor de mercado em US$/ base: junho de 2023)

Eli Lilly                                  435
Johnson & Johnson         423
Novo Nordisk                     352
Merck                                    285
Roche                                   245
AbbVie                                  234
AstraZeneca                       220
Novartis                               209
Pfizer                                     205
Bristol-Myers Squibb       135

Ações da indústria farmacêutica em queda: só uma exceção

Entre as ações da indústria farmacêutica, só uma vem obtendo alta em valor de mercado neste ano. Com o Ozempic virando até trend topics por ajudar no emagrecimento, a Novo Nordisk acumula 0,52% de aumento.

Porém, os problemas de abastecimento e a possível chegada de um medicamento genérico até 2026, após o laboratório dinarmarquês ter negado o pedido de extensão da patente, podem esfriar os ânimos.

Quem teve as quedas mais expressivas?

Quatro laboratórios também se destacam no ranking por perdas acima de 0,70% no valor das ações. No caso da Bristol-Myers Squibb, o valor caiu mais de 1%, fruto de investigações de órgãos reguladores dos Estados Unidos. A empresa é suspeita de inflar seus ganhos em balanço no início de 2001.

AstraZeneca (0,99%) e Merck (0,78%) convivem com o esfriamento da Covid-19, enquanto a Novartis (0,75%) ainda alimenta incertezas por conta de seu futuro sem a divisão de genéricos da Sandoz.

Notícias mais lidas

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress