O maior canal de informação do setor

Além de Cristiano, Davati tinha ao menos outros 3 representantes no Brasil

212

A Davati Medical Supply teria ao menos outros 3 representantes no Brasil segundo documentos obtidos pelo Poder360. O único emissário reconhecido até agora pela empresa para negociar vacinas contra a covid-19 é Cristiano Carvalho. Ele confirmou à reportagem a atuação dos novos vendedores nesse mercado, mas disse que só descobriu isso em março deste ano.

Receba a newsletter do Poder360

Segundo Carvalho, que será ouvido nesta 5ª feira (15.jul.2021) pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, todos esses outros representantes negociaram vacinas contra a covid-19 em nome da empresa.

Silvio Bianchi, Júlio Adriano Caron e Rafael Martins Lopes seriam os outros intermediários que, em algum momento, foram autorizados pela Davati a atuar vendendo produtos médicos e imunizantes em nome da companhia.

A Davati negociou vacinas com o Ministério da Saúde do início de fevereiro até, ao menos, meados de março deste ano. O cabo da PM e vendedor informal Luiz Paulo Dominghetti acusa o ex-diretor de logística da pasta Roberto Ferreira Dias de ter pedido propina de US$ 1 por dose durante as negociações. A acusação levou os negócios da empresa norte-americana ao foco da CPI.

Tanto Dias quanto o tenente-coronel Marcelo Blanco, ex-assessor no Departamento de Logística que levou Dominghetti a um jantar com o então diretor da área em um restaurante em Brasília no dia 25 de fevereiro, dizem que não houve nenhum pedido de propina na ocasião.

Catálogo vasto

Silvio Bianchi tem uma carta de representação da Davati em seu nome datada de 20 de janeiro de 2021. Segundo o documento, ele teria um contrato com a companhia desde dezembro de 2020. A autorização permitia que ele negociasse vacinas como a da gripe H1N1, o antiviral Remdesivir, aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para tratamento de covid, e ‘outros produtos’. Eis a íntegra (382 KB) do documento.

‘Eu não tinha conhecimento de outros representantes da Davati. Em março, tomei conhecimento do Silvio Bianchi, que eu recebi [mensagens] de uma intermediária oferecendo vacinas da covid-19, AstraZeneca, em nome da Davati Medical Supply. E, depois, emails dele ofertando vacinas H1N1. E chegou ao meu conhecimento a carta dele de representação, mas era só para medicamentos‘, declarou Carvalho sobre o caso.

A reportagem telefonou para Bianchi na manhã de 4ª feira (14.jul). Ao ouvir perguntas sobre a carta da Davati, ele encerrou a ligação. O Poder360 mandou mensagens que foram lidas por Bianchi, mas não respondidas.

Em seguida, a assessoria de imprensa da Davati no Brasil procurou o Poder360 e se dispôs a responder às questões sobre Bianchi. A reportagem enviou perguntas sobre os supostos representantes, mas a empresa não as respondeu e nem tampouco negou sua existência.

Júlio Adriano Caron é advogado e aparece junto com a Davati como parte interessada em um processo sigiloso no Ministério Saúde para compra de insumos em saúde, que, supostamente, seria outra oferta de vacinas contra a covid-19. Seu nome já foi citado pela mídia por também ter oferecido, em março, imunizantes da AstraZeneca à pasta em nome da Davati. Procurado, ele também não respondeu até a publicação deste texto.

Captura de tela obtida pelo Poder360 mostra um processo em andamento dentro da Saúde. Começou a tramitar na pasta em 9 de março, passou pelo gabinete do então ministro Eduardo Pazuello, e parou, até onde se sabe, no gabinete do então secretário executivo, Élcio Franco, em 19 de março. Eis a íntegra (175 KB).

Especialistas ouvidos pelo Poder360 disseram que a foto atesta que um documento da Davati Medical Supply, em nome de Caron, teve andamento dentro da Saúde. Não é possível saber se houve conclusão ou arquivamento do processo.

‘O Júlio Caron eu fiquei sabendo pela imprensa que ele tinha enviado uma proposta para o Ministério da Saúde, para o general Pazuello, simultaneamente às minhas negociações com o Ministério da Saúde. Então, a Davati o autorizou a fazer essas negociações, preços, quantidade de produtos e não me informou. Então simultaneamente o Ministério da Saúde estava negociando comigo e com ele e só o Herman Cárdenas sabia’, afirmou Cristiano Carvalho.

O último dos supostos novos representantes autorizados pela Davati no Brasil, Rafael Lopes Martins, aparece em uma proposta da empresa para o Sindicato de Hospitais Privados de Porto Alegre. Ele aparece como intermediário da venda. Eis a íntegra (128 KB).

A oferta é de medicamentos anestésicos no valor de US$ 4,8 milhões e assinado pelo CEO da Davati, Herman Cárdenas. Procurado pela reportagem, o sindicato não soube dizer se a proposta foi enviada ou se a venda, concretizada.

A entidade disse que iria apurar se conhecia Rafael e se ele teria apresentado documentos que comprovassem a representação da Davati. Até a publicação desse texto, entretanto, o Poder360 não obteve resposta.

‘Não conheço esse Rafael. Só sei que aparentemente ele fazia isso, eu apresentava os clientes [à empresa] e ele começava a tratar diretamente e me excluía depois. Esse Rafael eu desconheço, não conheço ele’, disse Carvalho depois de confirmar que teria tido conhecimento da atuação deste suposto representante.

Depoimento na CPI

Cristiano Carvalho será ouvido às 9h na CPI da Covid no Senado. Ao Poder360, disse que não tinha acesso aos ‘alocadores’ da empresa -ou seja, os detentores, no exterior, dos produtos negociados- e não presenciou o jantar onde teria sido pedida propina ao cabo da PM Luiz Paulo Dominghetti.

‘Vou tentar esclarecer de todas as formas e tudo que for relativo a essa negociação com o Ministério da Saúde, porém foi uma negociação de 35 dias, não tem muito mais o que falar além disso. Quanto à Davati, quem tem que responder pela Davati é o Herman Cárdenas’, declarou.

Carvalho levará e-mails, propostas enviadas ao governo e trocas de mensagens sobre o caso. Disse que terá que ‘frear’ a expectativa da CPI para que os senadores não fiquem decepcionados com seu depoimento.

O representante da Davati conseguiu Habeas Corpus no STF (Supremo Tribunal Federal) para poder ficar em silêncio em perguntas que o possam incriminar. Ele declarou, entretanto, que não pretende se calar diante dos questionamentos da CPI.

Fonte: Poder 360

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação