O maior canal de informação do setor

Anvisa aprova nova indicação de exame para prevenir insuficiência cardíaca em pacientes com diabetes

158

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de aprovar uma nova indicação do exame Elecsys? NT-proBNP capaz de identificar, de forma antecipada, o risco de pessoas com diabetes tipo 2 desenvolverem insuficiência cardíaca (IC), condição grave que afeta 32,2% desses pacientes e é responsável por, pelo menos, 50% das mortes nesta população. 1 De acordo com um dos principais estudos que embasaram a aprovação pelo órgão regulador, um aumento acentuado nos níveis do marcador cardíaco, chamado NT-proBNP, pode ser detectado em pacientes com diabetes tipo 2 já seis meses antes da hospitalização por insuficiência cardíaca. 2

Veja também: CCJ da Alepi arquiva projeto sobre o uso de medicamentos à base de cannabis no Piauí

Acompanhamentos clínicos entre pacientes com e sem a presença de diabetes tipo 2 demonstraram que pacientes com o segundo tipo, que normalmente é causado pelo estilo de vida e, em geral, acomete as pessoas depois dos 40 anos de idade, apresentaram um risco 112% maior de desenvolver insuficiência cardíaca. 3

Siga nosso Instagram

O teste, que é considerado padrão ouro para diagnósticos de insuficiência cardíaca, agora teve aprovação da Anvisa para identificar, dentre os pacientes com diabetes, aqueles que possuem risco aumentado de vir a desenvolver IC.4 5

O exame permite que o médico possa avaliar se o paciente com diabetes possui risco elevado de desenvolver Insuficiência Cardíaca ou não. Com isso, endocrinologistas, cardiologistas e geriatras poderão apoiar a decisão clínica a partir de avaliação de risco personalizada da população diabética, assim como na realização de tratamentos cardioprotetores e na obtenção de melhora nos resultados gerais dos pacientes. 6 7 8

O exame Elecsys? NT-proBNP é feito a partir de uma simples coleta de sangue e já é realizado por laboratórios no Brasil para outras indicações há 15 anos, tanto para avaliações eletivas quanto no ambiente de pronto-socorro, já que os sintomas da insuficiência cardíaca – falta de ar, inchaço nas pernas e cansaço – são comuns a outras doenças, mas pelo fato da IC ser uma condição grave, sua identificação e a conduta clínica adequada podem ser determinantes no prognóstico do paciente.

No caso de pacientes diabéticos classificados como de alto risco para desenvolver IC e sem história conhecida da doença, foi comprovado que, ao longo de dois anos de acompanhamento intensificado, a taxa de hospitalização ou morte devido a doença cardíaca pode ser reduzida em 65% em comparação com os pacientes que não receberam a mesma atenção médica.6 ‘É um grande avanço podermos contar, agora, com esse novo teste para avaliar os riscos de forma precisa e, principalmente, antecipar a conduta mais adequada para aqueles pacientes que realmente poderão se beneficiar e para quem o acompanhamento mais intenso pode prevenir complicações e, mesmo, o óbito’, afirma Humberto Villacorta, médico cardiologista e professor associado da Universidade Federal Fluminense.

Vale lembrar que as doenças cardiovasculares são amplamente discutidas no âmbito da saúde populacional devido à alta mortalidade e quem tem as maiores chances de sofrer com suas consequências são justamente os mais de 16 milhões de brasileiros com diabetes. O Brasil é o terceiro país que mais gasta com a diabetes no mundo. 11

Além disso, as complicações por doenças cardiovasculares correspondem de 20% a 49% dos custos totais do tratamento de pacientes com diabetes tipo 2 mundialmente, sendo responsáveis pelo aumento do custo médio do tratamento em até quase 10 mil dólares em comparação com pacientes com diabetes sem complicações cardíacas. 1 ‘Daí a importância de se identificar quem são aqueles de alto ou baixo risco, pensando também na alocação mais adequada dos recursos de saúde’, diz Adriana Vassalli, Diretora Médica da Roche Diagnóstica.

Sobre a Roche

A Roche é uma empresa global, pioneira em produtos farmacêuticos, diabetes e de diagnóstico, dedicada a desenvolver avanços na ciência para melhorar a vida das pessoas. Aliando a capacidade e o conhecimento na ciência baseada em evidências, das divisões Farmacêutica e Diagnóstica, atua oferecendo medicina personalizada. No Brasil cocriamos soluções com todo ecossistema de saúde.

É considerada a maior empresa de biotecnologia do mundo, com medicamentos verdadeiramente diferenciados nas áreas de oncologia, imunologia, infectologia, oftalmologia e doenças raras e do sistema nervoso central. Também é líder mundial em diagnósticos in vitro e tecidual do câncer, além de ser pioneira no controle do diabetes. Nos últimos anos, a Roche investiu em parcerias com foco em perfis genômicos e em Dados do Mundo Real (Real World Data), tornando-se líder do setor em conhecimentos médicos.

Fundada em 1896, a Roche busca constantemente meios mais eficazes para prevenir, diagnosticar e tratar doenças, contribuindo de modo sustentável para a sociedade. A empresa também visa melhorar o acesso de pacientes às inovações médicas, trabalhando em parceria com todos os públicos envolvidos. Mais de 30 medicamentos desenvolvidos pela Roche estão incluídos na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, entre eles, antibióticos, antimaláricos e medicamentos contra o câncer que salvam vidas. Além disso, pelo 12º ano consecutivo, a Roche foi reconhecida como uma das empresas mais sustentáveis na Indústria Farmacêutica pelo Índice de Sustentabilidade Dow Jones (DJSI).

Com sede na Basileia, Suíça, o Grupo Roche atua em mais de 100 países e, em 2020, empregou mais de 100.000 pessoas em todo o mundo. No mesmo ano, a Roche investiu 12,2 bilhões de francos suíços em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e suas vendas alcançaram 58,3 bilhões de francos suíços. A Genentech, nos Estados Unidos, é um membro integrante do Grupo Roche. A Roche é acionista majoritária da Chugai Pharmaceutical, no Japão. Para mais informações, clique aqui .

Referências:

1. Einarson TR, Acs A, Ludwig C, Panton UH. Prevalence of cardiovascular disease in type 2 diabetes: a systematic literature review of scientific evidence from across the world in 2007-2017. Cardiovasc Diabetol. 2018 Jun 8;17(1):83. doi: 10.1186/s12933-018-0728-6.

2. Wolsk, E., Claggett, B., Diaz, R., Dickstein, K., Gerstein, H. C., Køber, L., ? & Pfeffer, M. A. (2017). Increases in natriuretic peptides precede heart failure hospitalization in patients with a recent coronary event and type 2 diabetes mellitus. Circulation, 136(16), 1560-1562.

3. Einarson TR, Acs A, Ludwig C, Panton UH. Prevalence of cardiovascular disease in type 2 diabetes: a systematic literature review of scientific evidence from across the world in 2007-2017. Cardiovasc Diabetol. 2018 Jun 8;17(1):83. doi: 10.1186/s12933-018-0728-6. PMID: 29884191; PMCID: PMC5994068.

4. Ponikowski P, Voors AA, Anker SD; ESC Scientific Document Group. 2016 ESC Guidelines for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure: The Task Force for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure of the European Society of Cardiology (ESC)Developed with the special contribution of the Heart Failure Association (HFA) of the ESC. Eur Heart J. 2016 Jul 14;37(27):2129-2200. doi: 10.1093/eurheartj/ehw128. Epub 2016 May 20.

5.Yancy CW, Jessup M, Bozkurt B; 2017 ACC/AHA/HFSA Focused Update of the 2013 ACCF/AHA Guideline for the Management of Heart Failure: A Report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Clinical Practice Guidelines and the Heart Failure Society of America. Circulation. 2017 Aug 8;136(6):e137-e161. doi: 10.1161/CIR.0000000000000509.

6. Huelsmann M, Neuhold S, Resl M; PONTIAC (NT-proBNP selected prevention of cardiac events in a population of diabetic patients without a history of cardiac disease): a prospective randomized controlled trial. J Am Coll Cardiol. 2013 Oct 8;62(15):1365-72. doi: 10.1016/j.jacc.2013.05.069.

7. Januzzi JL Jr, Butler J, Jarolim P; Effects of Canagliflozin on Cardiovascular Biomarkers in Older Adults With Type 2 Diabetes. J Am Coll Cardiol. 2017 Aug 8;70(6):704-712. doi: 10.1016/j.jacc.2017.06.016.

8. Zelniker TA, Wiviott SD, Raz I; Comparison of the Effects of Glucagon-Like Peptide Receptor Agonists and Sodium-Glucose Cotransporter 2 Inhibitors for Prevention of Major Adverse Cardiovascular and Renal Outcomes in Type 2 Diabetes Mellitus. Circulation. 2019 Apr 23;139(17):2022-2031. doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.118.038868.

9. Huelsmann M, Neuhold S, Strunk G; NT-proBNP has a high negative predictive value to rule-out short-term cardiovascular events in patients with diabetes mellitus. Eur Heart J. 2008 Sep;29(18):2259-64. doi: 10.1093/eurheartj/ehn334.

10. Oliveira GMM, Brant LCC, Polanczyk CA, Biolo A, Nascimento BR, Malta DC, Souza MFM, et al. Cardiovascular Statistics – Brazil 2020. Arq. Bras. Cardiol. 2020;115(3):308-439.

11. Cho NH, Shaw JE, Karuranga S, Huang Y, da Rocha Fernandes JD, Ohlrogge AW, Malanda B. IDF Diabetes Atlas: Global estimates of diabetes prevalence for 2017 and projections for 2045. Diabetes Res Clin Pract. 2018 Apr;138:271-281. doi: 10.1016/j.diabres.2018.02.023.

Todos os reagentes e instrumentos comercializados no Brasil estão devidamente registrados, para obter a relação dos números de registro ligue para 0800 77 20 295

Fonte: Reticências

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação