Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

As 10 biofarmacêuticas mais produtivas de 2021

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

biofarmacêuticas mais produtivasLevantamento do portal Fierce Pharma elencou as 10 biofarmacêuticas mais produtivas de 2021. Foi o ano em que as vacinas da Covid-19 elevaram as receitas de companhias como a

BioNTech e a Moderna deixando-as no topo da lista. O estudo selecionou fabricantes de medicamentos com pelo menos US$ 10 bilhões em receitas em 2021 e US$ 10 bilhões em valor de mercado em agosto de 2022 e dividiu o faturamento pelo número total de funcionários, conforme relatado em seus relatórios anuais.

Confira abaixo a lista das 10 biofarmacêuticas mais produtivas

1 – BioNTech

2021 funcionários: 3.082
2021 receita: 18,98 bilhões de euros (US$ 22,45 bilhões)

No início da pandemia, a empresa de biotecnologia alemã BioNTech fez parceria de sucesso com a Pfizer no desenvolvimento da vacina contra a Covid-19. A farmacêutica planeja recrutar 250 funcionários antes do final do ano para sua planta de Marburg, uma das maiores fábricas de vacinas de mRNA do mundo. A companhia planeja trabalhar em outras vacinas de mRNA uma vez aprovadas, como os imunizantes que está desenvolvendo com a Pfizer para gripe e herpes zoster, além de seus esforços individuais de vacina para malária, tuberculose e herpes.

2 – Moderna

2021 funcionários: 2.700
2021 receita: US$ 18,47 bilhões

A Moderna pretende construir seu próprio império de RNA mensageiro, e está aumentando o número de funcionários e expandindo suas fronteiras comerciais para que isso aconteça. Em

fevereiro a companhia anunciou um plano de expansão para abrir quatro novas subsidiárias em Hong Kong, Malásia, Cingapura e Taiwan. A empresa diz que a mudança é uma tentativa de aumentar a base comercial da Moderna na Ásia.

3 – Gilead Sciences

2021 funcionários: 14.000
2021 receita: US$ 27,31 bilhões

Em 2021 a Gilead se concentrou em grande parte no medicamento Veklury para a Covid-19, que gerou US$ 5,6 bilhões, um aumento de 98% em relação a 2020. A Gilead também tem 20 medicamentos oncológicos em desenvolvimento, com 30 ensaios clínicos em andamento. A ênfase em oncologia faz parte da meta da companhia de obter um terço de sua receita de produtos de oncologia até 2030.

4 – Regeneron

2021 funcionários: 10.368
2021 receita: US$ 16,07 bilhões

Antes de 2021, a Regeneron já tinha uma das forças de trabalho mais produtivas da biofarma, graças ao desenvolvendo dos blockbusters Eylea, para degeneração macular, e Dupixent, para eczema e asma. Durante a pandemia, a empresa desenvolveu o tratamento com anticorpos REGEN-COV, voltado para pacientes de alto risco. A terapia foi resposnável por grande parte do aumento da receita da companhia. Fora dos EUA, a Regeneron tem parceria com a Bayer, para o Eylea, e com a Roche, com o REGEN-COV. A empresa também tem uma colaboração global com a Sanofi para o Dupixent.

5 – Bristol Myers Squibb

2021 funcionários: 32.200
2021 receita: US$ 46,39 bilhões

A Bristol Myers Squibb foi a mais produtiva entre as grandes empresas farmacêuticas no ano passado. Com uma proporção de receita por funcionário em 2021 de US$ 1,44 milhão, a farmacêutica de Nova York ocupa o quinto lugar na lista, atrás de empresas que tiveram um lucro inesperado com a venda de produtos relacionados à Covid-19.

6 – Biogen

2021 funcionários: 9.610
2021 receita: US$ 10,98 bilhões

A Biogen construiu uma nova equipe de marketing para a doença de Alzheimer com o medicamento Aduhelm. Mas a controvérsia em torno da aprovação, questões sobre seu perfil de risco-benefício e um preço assustador limitaram significativamente sua aceitação. Após uma aprovação acelerada em junho de 2021, o medicamento gerou vendas de US$ 3 milhões no ano passado.

7 – AbbVie

2021 funcionários: 50.000
2021 receita: US$ 56,2 bilhões

A receita do megablockbuster Humira, que arrecadou US$ 20,7 bilhões, ou 37% do total da farmacêutica, coloca a Abbvie entre as empresas mais produtivas em 2021. A companhia arrecadou US$ 56,2 bilhões no ano passado, um aumento de 22% em relação a 2020. A companhia passou anos se preparando para a competição do Humira com a chegada dos biossimilares em 2023, comprando a Allergan por US$ 63 bilhões em 2019. O Botox, um ativo importante nessa compra, arrecadou US$ 4,68 bilhões entre seus usos terapêuticos e estéticos no ano passado, um salto de 87% em relação a 2020.

8 – Amgen

2021 funcionários: 24.200
2021 receita: US$ 25,98 bilhões

Ao todo, no ano passado a Amgen gerou quase US$ 26 bilhões. Como empregava cerca de 24.200 pessoas no final do ano, sua receita por funcionário chegou a US$ 1,07 milhão, superando a maior parte do setor nessa métrica. A companhia também espera aumentar as receitas e os lucros com suas novas ofertas, incluindo o lançamento planejado do biossimilar Humira em janeiro. Além disso, no ano passado, a Amgen obteve a aprovação da FDA para o Lumakras como o primeiro tratamento para câncer de pulmão de células não pequenas com uma mutação genética KRAS G12C. A aprovação marcou uma grande vitória, pois a mutação já foi considerada um alvo incontrolável.

9 – Pfizer

2021 funcionários: 79.000
2021 receita: US$ 81,29 bilhões

Durante a pandemia, a Pfizer conseguiu um feito notável, reduzindo sua contagem de funcionários em quase 10.000 e aumentando sua receita em quase 100%. Estimulada em grande parte pelas vendas de sua vacina contra a Covid-19, a Pfizer aumentou sua receita de US$ 40,9 bilhões em 2019 para US$ 81,3 bilhões em 2021. Ela ainda é a maior empresa, de longe, na lista das 10 melhores biofarmacêuticas mais produtivas de 2021.

10 – Eli Lilly

2021 funcionários: 35.000
2021 receita: US$ 28,32 bilhões

Ao longo dos últimos anos, a Eli Lilly tem trabalhado arduamente para atualizar seu portfólio de medicamentos comercializados, substituindo as vendas derivadas de medicamentos antigos pelas de novos lançamentos. Seus esforços estão valendo a pena e, agora, a gigante farmacêutica abriu caminho para uma lista contendo muitas farmacêuticas menores.

Com US$ 28,3 bilhões em vendas globais no ano passado, a Eli Lilly ficou em 12º lugar entre todos os players biofarmacêuticos nessa métrica.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Notícias mais lidas

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress