O maior canal de informação do setor

‘Benefício da vacina permanece’, diz Pfizer após recuo na vacinação de adolescentes

169

A Pfizer divulgou nota, nesta quinta-feira (16/9), em resposta ao Ministério da Saúde, após o recuo da pasta na imunização de adolescentes entre 12 e 17 anos sem comorbidades. ‘Com centenas de milhões de doses da vacina Pfizer BioNTech administradas globalmente, o benefício da vacina permanece estabelecido’, ressaltou a farmacêutica.

No texto, a empresa se diz ‘ciente de relatos raros de miocardite e pericardite, além de outros possíveis eventos adversos, após a aplicação de vacina de RNA mensageiro contra a Covid-19’.

Sobre o caso de óbito em São Bernardo do Campo, a Pfizer afirmou que está acompanhando, mas que até o momento não foi estabelecida uma relação causal entre o ocorrido e o imunizante. Sobre a aplicação da vacina em jovens brasileiros, a farmacêutica reforçou que a ComiRNAty, vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19, recebeu em 11 de junho de 2021 a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para uso em adolescentes de 12 a 15 anos no Brasil.

‘A autorização regulatória da vacina para adolescentes já havia sido concedida pelo FDA e pela EMA (agências regulatórias de saúde dos EUA e União Europeia), além de países como Reino Unido, Canadá, Chile, Uruguai, Israel, Dubai, Hong Kong, Filipinas, Cingapura e Japão’, disse, em nota.

Entenda

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou, na tarde desta quinta-feira (16/9), que os jovens sem doenças crônicas que receberam a primeira dose não devem completar a imunização com a segunda aplicação.

Em entrevista coletiva na sede da pasta, em Brasília, além de alegar que há registro de cerca de 1,5 mil eventos adversos à vacina e atribuir a suspensão da campanha ao que chamou de ‘desorganização’ dos estados e municípios, ele afirmou que há casos em que vacinas como AstraZeneca, Coronavac e Janssen – não aprovadas para essa faixa etária – foram aplicadas nesse público.

Segundo o ministro, a determinação é uma medida de segurança. ‘Aqueles sem comorbidades, independentemente da vacina que tomaram, não tomem outra, por uma questão de cautela. Os com comorbidades podem completar o esquema vacinal’, frisou.

Fonte: Metrópoles

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/queiroga-diz-que-partiu-de-bolsonaro-orientacao-para-rever-vacina-de-adolescentes/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação