fbpx
O maior canal de informação do setor

Brasil completa 1 ano de vacinação em 54º no ranking mundial

62

O Brasil completa 1 ano de sua vacinação contra a covid-19 nesta 2ª feira (17.jan.2022). Há 12 meses, a enfermeira Mônica Calazans se tornou a 1ª vacinada no país. Recebeu a CoronaVac em São Paulo poucos minutos depois de a Anvisa autorizar a aplicação do imunizante. O evento foi organizado pelo governador paulista, João Doria (PSDB).

Ao menos 49 países já haviam começado a imunização contra o coronavírus antes do dia 17, segundo dados do Our World in Data. O começo da campanha brasileira foi lento.

publicidade

A alta demanda mundial por vacinas e a demora do governo para fechar acordo com as fabricantes de imunizantes fizeram com que poucas vacinas fossem entregues ao Brasil no 1º semestre de 2021.

O país levou quase 4 meses para chegar a 10% da população com alguma dose no braço, em abril. A campanha só ganhou tração em junho. Em agosto, metade da população havia recebido alguma dose. E em novembro, 50% tinham o 1º ciclo vacinal completo (duas doses ou dose única).

Israel atingiu em março de 2021 a marca de metade dos habitantes com o 1º ciclo completo, conforme o Our World in Data. O Chile, em junho. E em julho foi a vez de Estados Unidos, Canadá, Portugal, Espanha, Reino Unido, Uruguai e China. O Brasil só passou de 20% com o 1º ciclo completo no mês seguinte, em agosto.

Agora, o Brasil tem 78,3% dos habitantes com alguma dose e 68,6% com o 1º ciclo completo. É o 54º colocado no ranking do Our World in Data de países com maiores percentuais de população com duas doses ou dose única. Está na frente de Israel e Estados Unidos.

Especialistas ouvidos pelo Poder360 avaliam que a campanha do Brasil foi bem-sucedida apesar das dificuldades iniciais.

‘O 1º ano começou lento, mas quando realmente as doses chegaram o Brasil mostrou a sua experiência em campanhas de vacinação bem-sucedidas’, diz Natalia Pasternak, doutora em microbiologia pela USP (Universidade de São Paulo).

Ela destaca o conhecimento e a estrutura do Brasil em organizar vacinações, ter os profissionais adequados e saber transportar as doses.

‘O Brasil mostrou o porquê é referência em vacinação, não só pela organização, mas pela nossa população, que é sempre a favor de vacina’, afirma Isabella Ballalai, vice-presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações). Segundo ela, a confiança dos brasileiros na vacina faz ‘muita diferença’ quando comparado com outros países, principalmente do hemisfério norte.

‘O Brasil avançou rapidamente. O que nos faltava eram as doses, assim que essas foram chegando vimos a população aderindo’, afirma Ethel Maciel, doutora em saúde coletiva e epidemiologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Segundo ela, a adesão da população ocorreu ‘apesar do movimento antivacina liderado por apoiadores do governo e inclusive o próprio presidente [Jair Bolsonaro]’.

‘Na minha experiência médica de quase 50 anos de atividade, nunca tinha percebido uma iniciativa de governo contra a vacina, sempre foi o contrário’, diz o doutor em doenças infecciosas e parasitárias pela USP Hélio Bacha.

Mas poderia ser melhor

‘Demorou muito para que tivesse oferta de vacinas. E isso fez com que muitas pessoas morressem desnecessariamente’, afirma Ethel Maciel sobre a demora do governo para adquirir vacinas.

Ela afirma que se o Brasil tivesse adiantado a vacinação, menos pessoas poderiam ter morrido durante a 2ª onda que o país enfrentou em março e abril de 2021 pela variante gama. O Brasil só chegou a 10% da população com alguma dose em abril, quando já registrava mais de 3.000 mortes diárias.

‘A gente se recuperou do começo lento, mas isso não exime a responsabilidade do governo federal de ter atrasado tanto na compra das vacinas’, disse Pasternak. Segundo ela, falta campanha informativa e publicitária nacional que poderia fazer com que a adesão à vacina fosse ainda maior.

Reinaldo Guimarães, vice-presidente da Abrasco e pesquisador do Núcleo de Estudos em Bioética da UFRJ, avalia que houve uma ‘expectativa’ do governo federal de que as vacinas da AstraZeneca e a CoronaVac seriam suficientes para a campanha brasileira. O acordo com a Pfizer e a Janssen só foram fechados em março.

Guilherme Werneck, doutor em saúde pública e epidemiologia por Harvard, afirma que também faltou uma coordenação nacional. ‘Vivenciamos faltas de vacinas, atrasos, mudanças de critérios [da ordem de prioridade da vacinação]’, disse. Grupos diferentes foram priorizados por Estados e municípios, que não seguiram as orientações do Ministério da Saúde. Em Goiás, por exemplo, jornalistas foram incluídos no grupo prioritário, apesar de não estarem na recomendação da pasta.

Dificuldades pela frente

‘2022 inaugura um quadro clínico muito diferente do que nós tenhamos no ano passado’, disse Hélio Bacha, que está preocupado com a sobrecarga dos sistemas de saúde pela ômicron, apesar da alta taxa de vacinação. ‘Em 2022 temos mais um desafio que é a circulação de uma nova variante muito mais transmissível’, afirmou Isabella Ballalai, em referência à mutação ômicron do coronavírus.

Guilherme Werneck afirma que também é necessário ficar atentos e reestabelecer estratégias de controle da transmissão do vírus para evitar que novas variantes surjam.

‘Temos uma inadimplência de 2ª dose, temos problema das pessoas voltarem para dose de reforço’, afirma Natalia Pasternak. Para Hélio Bacha, faltou estímulo e busca ativa do governo pelas pessoas para que elas fossem vacinadas.

Para este ano, o governo prevê 354 milhões de doses. Isabella Ballalai avalia que a quantia será suficiente. ‘Não há motivo para imaginarmos que ficaremos sem vacina principalmente com a nova conquista que é o licenciamento da vacina 100% brasileira que passará a ser produzida pela Fiocruz’, disse.

‘Mas não existe um cronograma muito claro sobre essa chegada e distribuição dessas vacinas’, completa Guilherme Werneck. O governo só divulgou as entregas previstas para janeiro das doses de adultos e até março para as vacinas pediátricas .

Fonte: Poder 360


Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente
Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/china-deve-liderar-mercado-farmaceutico-global/

 

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação