O maior canal de informação do setor

Brasil Fede Covid quer que Instagram explique na CPI desinformação na pandemia

182

São Paulo – O coletivo Brasil Fede Covid foi criado para denunciar festas clandestinas em todo o Brasil, organizadas para driblar as restrições da pandemia. Criado no final de dezembro do ano passado, o grupo se fortaleceu e teve seu trabalho reconhecido. Tanto é que tem mais de 486 mil seguidores no Instagram, muitos dos quais colaboram enviando informações aos responsáveis pela página. Assim, o Brasil Fede Covid ampliou o trabalho e passou a denunciar também fake news dentro do próprio Instagram a respeito da pandemia.

Veja também: Saúde quer regulamentar prescrição e dispensação de medicamentos nas farmacinhas municipais

Uma dessas mentiras está em uma publicação do deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ), que compartilhou um ‘vídeo mentiroso’, avisa o Brasil Fede Covid, com o objetivo de desestimular a vacinação utilizando de argumentos políticos. Bem ao gosto do atual presidente da República, aliás. Não por acaso, o deputado Otoni é da base aliada de Jair Bolsonaro.

Siga nosso Instagram

No post, o parlamentar bolsonarista, que é radialista e pastor evangélico, divulga um vídeo de um médico chamado Delano Santiago. Nesse vídeo, o médico afirma ter feito um exame que comprova não ter anticorpos suficientes contra o coronavírus após ter tomado a ‘vacina do Doria’. A CoronaVac é produzida pelo Instituto Butantan, órgão mantido pelo governo do Estado de São Paulo com 120 anos de trabalho em pesquisas biomédicas, científicas e tecnológicas e produção de imunobiológicos. Portanto, o Butantan é muito maior do que qualquer governo de plantão. E a CoronaVac, por sua vez, também teve sua eficácia comprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa.

Instragram na CPI

Mas o post do deputado Otoni, no entanto, provoca polêmica e apavora seus seguidores. ‘Essa vacina do Doria funciona? Ou ele está mais preocupado com seu projeto maléfico de poder?’ Nos comentários, a gravidade da fake news fica evidente. Muita gente fica assustada pelo fato de ter tomado a CoronaVac ou por parentes que foram imunizados com a vacina do reconhecido Instituto Butantan.

‘Leiam os comentários e entendam a gravidade’, sugere o grupo, sobre o post do deputado aliado a Bolsonaro. ‘E assim mais uma fake news vai ganhando espaço’, registram. Apesar disso, o Instagram não faz ‘absolutamente nada’, critica o Brasil Fede Covid. ‘Estamos denunciando os vídeos originais há dias, mas eles também continuam no ar. A única coisa que eles fazem com agilidade é tirar alcance do nosso perfil, além de não nos deixar aparecer nas buscas’, reclamam os organizadores da página.

Diante da inação dos responsáveis pela rede social, em barrar postagens que contêm mentiras sobre a pandemia e sobre a importância da vacinação, o Brasil Fede Covid recomenda que o Instagram seja ouvido pela CPI da Covid. ‘A CPI precisa convocar os responsáveis pelo Instagram com urgência. A plataforma precisa ser responsabilizada de alguma maneira pelo caos que estamos vivendo’, diz o grupo. A sugestão vai ao encontro do que pensam integrantes da CPI, que já preparam, segundo a RBA apurou, requerimento de convocação de responsáveis pela rede social para se explicarem.

Perfis denunciados

Após um pedido especial da CPI da Covid, o Brasil Fede Covid encaminhou aos senadores da Comissão Parlamentar de Inquérito uma lista de perfis que disseminam fake news. ‘Ainda não existe uma posição oficial sobre a convocação do Instagram pela CPI da Covid, mas pelo que senti isso deve acontecer após uma investigação sobre esses perfis’, informa um dos responsáveis pela página do Brasil Fede Covid.

Além disso, o grupo acaba de lançar uma campanha cobrando o Instagram para a retirada imediata desses perfis que noticiam informação falsa sobre a covid-19 e sobre a vacinação. ‘Queremos mobilizar imprensa e políticos’, diz o Brasil Fede Covid.

Fonte: Rede Brasil Atual

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação