fbpx
O maior canal de informação do setor

Carlos Thadeu: 2022 será favorável para o comércio

158

Comércio – o ano de 2020 representou grandes dificuldades pela pandemia da covid-19, com o setor terciário sofrendo com o fechamento dos estabelecimentos não essenciais. O avanço científico permitiu a criação de vacinas que amenizam os efeitos desse vírus, o que possibilitou maior flexibilização das medidas de isolamento em 2021, com recuperação econômica gradual e persistente durante o ano.

No decorrer de 2021, o mundo passou a sofrer com as consequências da demanda reprimida pela pandemia, com um processo inflacionário mais acentuado. Os preços dos serviços, setor fortemente afetado em 2020 e em recuperação em 2021, pressionaram bastante esse resultado. No entanto, é importante considerar que a inflação já começou a arrefecer nos seus últimos números: a variação do IPCA-15 recuou de 1,17% em novembro para 0,78% em dezembro , com alguns grupos relevantes também desacelerando, como alimentos, habitação e transportes.

Essa evolução levou os bancos centrais de vários países a rever suas políticas monetárias. No Brasil, o Banco Central iniciou um processo de elevação da taxa Selic , que estava em seu menor nível histórico no início do ano (2%) e terminou 2021 em 9,25%. Esse aumento deve tornar os investimentos internos mais atrativos aos estrangeiros, estimulando a receita em dólar e valorizando o real, o que deve contribuir para amenizar o nível dos preços em 2022.

Com isso, o aumento nos juros este ano não deve ser tão intenso quanto o esperado pelo mercado no momento. Outro fator importante é que, apesar das altas, a taxa Selic já esteve em níveis mais altos e não parece estar interferindo no mercado de crédito, já que o endividamento alcançou o percentual de 49,4% da renda das famílias em setembro, o maior nível histórico.

A implementação do Pix e do Open Banking pelo Banco Central auxiliou em um mercado bancário saudável durante esse período difícil da economia. Esses 2 sistemas levaram a maior concorrência entre as instituições, beneficiando os consumidores, que podem recorrer a melhores condições financeiras e, assim, não ficarem inadimplentes. Unindo esse fator à liquidez abundante observada, os spreads bancários também foram beneficiados e não devem aumentar em 2022.

Com o mercado de trabalho afetado pela pandemia, muitos brasileiros passaram a recorrer mais intensamente ao crédito para manterem seu padrão de consumo. Com isso, observou-se esse nível recorde no endividamento das famílias em 2021. Esse aumento pode ser considerado saudável, pois ajuda a aquecer a economia e não mostrou efeitos controversos, já que a inadimplência permanece sob controle, com as famílias conseguindo arcar com seus gastos.

Isso porque ao longo de 2021 pôde-se perceber a recuperação do emprego, com quase 3 milhões de novas vagas até novembro. Isso é corroborado pela taxa de desemprego de 12,1% no trimestre terminado em outubro de 2021, o menor nível desde o trimestre terminado em fevereiro de 2020 , o início da pandemia.

Com esses avanços, o comércio vem se recuperando, com o Natal, feriado mais importante para o setor, tendo faturamento esperado de 9,8% acima do resultado de 2020. Com menos feriados em dias úteis na comparação com 2021, a estimativa é que o comércio obtenha 22% menos prejuízos em 2022 pelos feriados. Se isso se confirmar, será a menor perda desde 2014.

Os empresários também percebem um momento econômico mais favorável, segundo o Icec (Índice de Confiança do Empresário do Comércio), apurado pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) . O indicador geral apresentou crescimento de 0,3% em dezembro, acumulando elevação de 10,9% em 2021. Os componentes que representam as Intenções de Investimento (+1,4%) e Expectativas do Empresário do Comércio (+1,2%) também mostraram evolução.

Não se pode negar que o avanço da inflação representa uma dificuldade no poder de compra da sociedade, mas a amenização nesse movimento dará alento no momento de consumir. A nova variante ômicron também arrefeceu as expectativas em relação a este ano, mas elas continuam positivas, apesar de menores. As eleições serão mais um desafio econômico para 2022, pois são fonte de grande incerteza, o que leva a restrição no consumo.

Por outro lado, o apoio do consumo financiado pelo crédito irá aquecer a economia, com o mercado de trabalho em ascensão dando confiança aos consumidores para tomarem crédito e cumprirem com suas obrigações. O Auxílio Brasil será de grande importância para fomentar as compras, assim como o Auxílio Emergencial aprovado durante a pandemia, assegurando rendimentos para os mais necessitados. O incremento nos investimentos privados também afetará favoravelmente o comércio, além da renda produzida pela safra recorde esperada para 2022, que pode chegar a 291 milhões de toneladas.

Os fatores de recuperação de 2021 devem permanecer em 2022, com a vacinação avançando, assim como a maior movimentação da população, o que deve apoiar a tendência positiva do comércio. As vendas do varejo devem crescer cerca de 3% este ano e 5% em 2021. Mesmo com a desaceleração, esse crescimento é favorável, considerando os desafios que nos esperam no ano que se inicia.

Fonte: Poder 360

 

Veja Também: https://panoramafarmaceutico.com.br/os-lancamentos-que-movimentaram-as-farmacias-em-2021/

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação