O maior canal de informação do setor

Depois de subir os juros, Copom sinaliza elevar a Selic para 7,25% em outubro

193

Depois de subir os juros para 6,25% ao ano, o Copom (Comitê de Política Monetária) sinalizou que aumentará a taxa básica, a Selic, em mais 1 ponto percentual na próxima reunião, marcada para 26 e 27 de outubro. Se o reajuste for concretizado, será o maior patamar desde dezembro de 2017, quando estava em 7,5%.

O anúncio foi feito nesta 4ª feira (22.set.2021). Leia o comunicado do Banco Central (63 KB). O encontro de outubro é o penúltimo do ano. Ainda restará a reunião de novembro.

Concordo com os termos da LGPD

Segundo as projeções dos economistas entrevistados pelo Boletim Focus, os juros terminarão o ano em 8,25% ao ano, o maior patamar desde setembro de 2017. Por enquanto, a Selic está em 6,25% -maior desde julho de 2019.

O comitê é formado pelos diretores do BC (Banco Central), que reúnem-se a cada 45 dias para definir os juros. Nesse encontro, o Copom subiu a Selic pela 5ª reunião seguida, saltando de 2% para 6,25% no período. Também foi a 2ª alta de 1 ponto percentual consecutiva.

‘Para a próxima reunião, o Comitê antevê outro ajuste da mesma magnitude. O Copom enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar o cumprimento da meta de inflação e dependerão da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária’, afirmou a nota do colegiado.

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, tinha antecipado que os índices de alta frequência de inflação não mudariam o ‘plano de voo’ da autoridade monetária. Os juros são utilizados para controlar o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

O que diz o comunicado

cenário externo – citou que há 2 fatores de riscos adicionais para o crescimento global. O 1º é a redução das projeções de expansão das economias asiáticas, em razão da proliferação da variante Delta da covid-19. Também há o aperto das condições monetárias -ou seja, aumento dos juros- em diversas economias emergentes ’em reação a surpresas inflacionárias recentes’. O BC afirmou, porém, que os estímulos monetários de longa duração e a reabertura das principais economias ainda sustentam um ‘ambiente favorável’ aos países emergentes;

cenário interno – o PIB do 2º trimestre (de queda de 0,1% contra o anterior) e outros indicadores mostram ‘evolução positiva’. A autoridade monetária espera recuperação robusta do crescimento econômico ao longo dos últimos 6 meses;

inflação – as taxas para o consumidor seguem elevadas. A alta dos preços de bens industriais não arrefeceu. Segundo o BC, decorre de repasses de custos, das restrições de oferta e do redirecionamento da demanda em direção a bens. A inflação de serviços também crescem de forma mais elevada, ‘refletindo a gradual normalização da atividade no setor, dinâmica que já era esperada’. Há também pressões de alimentos, combustíveis e, especialmente, energia elétrica, pressionada pelo câmbio, preços de commodities e condições climáticas desfavoráveis;

meta de inflação – ‘As diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação’, afirmou o BC.

projeções – o Copom estima IPCA de 8,5% em 2021, de 3,7% em 2022 e 3,2% em 2023. O cenário pressupõe juros de 8,25% (2021), 8,5% (2022) e 6,75% (2023). Além disso, o BC espera que a bandeira tarifária de ‘escassez hídrica’ em dezembro de 2021.

Projeções e inflação

Em agosto, a inflação foi de 0,87%, o maior patamar para o mês desde 2000. No acumulado de 12 meses, a inflação está em 9,68%, o maior patamar desde fevereiro de 2016. O mercado financeiro aposta que o IPCA terminará o ano em 8,35%, acima da meta do CMN (Conselho Monetário Nacional), de 3,75%, e fora do intervalo de tolerância, de 2,25% a 5,25%.

Quando a inflação fica fora desses limites, o presidente do BC precisa enviar uma carta ao governo federal explicando os motivos para o índice oficial de preços ficar fora da meta. Pelo ano de 2017, o então presidente Ilan Goldfajn precisou encaminhar o texto. O índice de preços havia terminado abaixo do intervalo de tolerância.

O atual presidente do BC, Roberto Campos Neto, deve ter que mandar a carta. A autoridade monetária estima que a inflação será de 5,8% em 2021, segundo as projeções de junho. O Ministério da Economia aposta em taxa de 7,9%.

A política monetária também tem efeitos nos anos seguintes. Para 2022, a meta de inflação é de 3,5%, com o intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos -de 2% a 5%.

Segundo o Boletim Focus, o mercado estima IPCA de 4,1% e Selic de 8,5% ao ano.

Juros e crescimento econômico

Apesar de controlar a inflação, a alta de juros prejudica o crescimento econômico. O mercado financeiro tem diminuído as projeções para a alta do PIB (Produto Interno Bruto) do próximo ano.

A estimativa de 2021 é de expansão de 5,04%, contra o ano passado, quando a economia tombou 4,1%. Para 2022, a estimativa caiu de 1,72% para 1,63%.

Controlar a inflação é o objetivo prioritário do Banco Central. Com a Selic aos 6,25% ao ano, o Brasil passa a ter o 4º maior percentual do mundo, ao considerar os juros nominais.

A Infinity Asset fez a projeção dos juros reais -que consideram a inflação- para os próximos 12 meses. Estima que será de 3,34%, o 2º maior, atrás somente da Turquia (+4,96%).

Leia a íntegra do comunicado do Copom

Em sua 241ª reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 6,25% a.a.

A atualização do cenário básico do Copom pode ser descrita com as seguintes observações:

No cenário externo observam-se dois fatores adicionais de risco para o crescimento das economias emergentes. Primeiro, reduções nas projeções de crescimento das economias asiáticas, refletindo a evolução da variante Delta da Covid-19. Segundo, o aperto das condições monetárias em diversas economias emergentes, em reação a surpresas inflacionárias recentes. No entanto, os estímulos monetários de longa duração e a reabertura das principais economias ainda sustentam um ambiente favorável para países emergentes. O Comitê mantém a avaliação de que questionamentos dos mercados a respeito dos riscos inflacionários nas economias avançadas podem tornar o ambiente desafiador para países emergentes;

Em relação à atividade econômica brasileira, a divulgação do PIB do segundo trimestre, assim como os indicadores mais recentes, continua mostrando evolução positiva e não enseja mudança relevante para o cenário prospectivo, o qual contempla recuperação robusta do crescimento econômico ao longo do segundo semestre;

A inflação ao consumidor segue elevada. A alta nos preços dos bens industriais – decorrente de repasses de custos, das restrições de oferta e do redirecionamento da demanda em direção a bens – ainda não arrefeceu e deve persistir no curto prazo. Ademais, nos últimos meses os preços dos serviços cresceram a taxas mais elevadas, refletindo a gradual normalização da atividade no setor, dinâmica que já era esperada. Adicionalmente, persistem as pressões sobre componentes voláteis como alimentos, combustíveis e, especialmente, energia elétrica, que refletem fatores como câmbio, preços de commodities e condições climáticas desfavoráveis;

As diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação;

As expectativas de inflação para 2021, 2022 e 2023 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 8,3%, 4,1% e 3,25%, respectivamente; e

No cenário básico, com trajetória para a taxa de juros extraída da pesquisa Focus e taxa de câmbio partindo de USD/BRL 5,25*, e evoluindo segundo a paridade do poder de compra (PPC), as projeções de inflação do Copom situam-se em torno de 8,5% para 2021, 3,7% para 2022 e 3,2% para 2023. Esse cenário supõe trajetória de juros que se eleva para 8,25% a.a. neste ano e para 8,50% a.a. durante 2022, e reduz-se para 6,75% a.a. em 2023. Nesse cenário, as projeções para a inflação de preços administrados são de 13,7% para 2021, 4,2% para 2022 e 4,8% para 2023. Adota-se a hipótese de bandeiras tarifárias ‘escassez hídrica’ em dezembro de 2021 e ‘vermelha patamar 2’ em dezembro de 2022 e dezembro de 2023.

O Comitê ressalta que, em seu cenário básico para a inflação, permanecem fatores de risco em ambas as direções.

Por um lado, uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento recente nos preços das commodities internacionais em moeda local produziria trajetória de inflação abaixo do cenário básico.

Por outro lado, novos prolongamentos das políticas fiscais de resposta à pandemia que pressionem a demanda agregada e piorem a trajetória fiscal podem elevar os prêmios de risco do país. Apesar da melhora recente nos indicadores de sustentabilidade da dívida pública, o risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos, ou seja, com trajetórias para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária.

O Copom reitera que perseverar no processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para permitir a recuperação sustentável da economia. O Comitê ressalta, ainda, que questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia.

Considerando o cenário básico, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa básica de juros em 1,00 ponto percentual, para 6,25% a.a. O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para as metas no horizonte relevante, que inclui o ano-calendário de 2022 e, em grau menor, o de 2023. Sem prejuízo de seu objetivo fundamental de assegurar a estabilidade de preços, essa decisão também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego.

O Copom considera que, no atual estágio do ciclo de elevação de juros, esse ritmo de ajuste é o mais adequado para garantir a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante e, simultaneamente, permitir que o Comitê obtenha mais informações sobre o estado da economia e o grau de persistência dos choques. Neste momento, o cenário básico e o balanço de riscos do Copom indicam ser apropriado que o ciclo de aperto monetário avance no território contracionista.

Para a próxima reunião, o Comitê antevê outro ajuste da mesma magnitude. O Copom enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar o cumprimento da meta de inflação e dependerão da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante da política monetária.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Roberto Oliveira Campos Neto (presidente), Bruno Serra Fernandes, Carolina de Assis Barros, Fabio Kanczuk, Fernanda Magalhães Rumenos Guardado, João Manoel Pinho de Mello, Maurício Costa de Moura, Otávio Ribeiro Damaso e Paulo Sérgio Neves de Souza.

*Valor obtido pelo procedimento usual de arredondar a cotação média da taxa de câmbio USD/BRL observada nos cinco dias úteis encerrados no último dia da semana anterior à da reunião do Copom.

Fonte: Poder 360

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/copom-eleva-juros-basicos-da-economia-para-525-ao-ano/

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação