Fique por dentro dos principais FATOS e TENDÊNCIAS que movimentam o setor

Distribuidoras da ABRADIMEX questionam prazos da indústria

Acompanhe as principais notícias do dia no nosso canal do Whatsapp

DISTRIBUIDORAS DA ABRADIMEXABRADIMEX, distribuidoras de medicamentos, medicamentos de especialidades, indústria farmacêutica, canal hospitalar
Foto: Divulgação

As distribuidoras da ABRADIMEX, associação que representa 15 empresas com foco em medicamentos de especialidades, cobram maior flexibilidade da indústria farmacêutica na concessão de prazos e descontos. Ao atuar como um hub financeiro de clínicas, hospitais e farmácias de especialidades e com a explosão na demanda, o setor vê cada vez mais comprometida sua sustentabilidade financeira.

Os medicamentos de especialidades, que formam o chamado mercado non-retail, movimentaram em torno de R$ 62 bilhões no ano passado. As distribuidoras integrantes da ABRADIMEX respondem por metade desse montante. No entanto, as despesas e os níveis de exigência operacional aumentaram na mesma proporção.

“Com as farmacêuticas alocando mais esforços para pesquisa e desenvolvimento, nosso segmento assumiu tarefas adicionais na prestação de serviços, inclusive no ambiente intra-hospitalar. Em paralelo, o canal hospitalar não vem demonstrando fôlego financeiro, principalmente após a pandemia”, contextualiza Marcos Marques, presidente do conselho da associação.

As consequências desse panorama escancaram o descompasso. Em média, as distribuidoras concedem 75 dias de prazo de pagamento para hospitais e o período de estoque de cada SKU gira em torno de dois meses, totalizando 135 dias. Por outro lado, a indústria estabelece 42 dias de prazo médio, com uma semana para entrega.

“Isso resulta em 35 dias. Se fizermos a conta de 135 menos 35, na prática é como se estivéssemos bancando inteiramente 100 dias dessa operação. Nosso cash flow é baixíssimo, ainda mais se considerarmos a necessidade de atender cerca de 3,6 mil hospitais, o que equivale a 80% de cobertura, e 9,9 mil clínicas. O balanço final é um cash flow apertadíssimo”, adverte.

Distribuidoras da ABRADIMEX veem frete mais caro e concorrido

O custo do frete revela outro gargalo para as distribuidoras da ABRADIMEX. O Sindusfarma, inclusive, estima que os gastos envolvidos nesse processo encareceram até 50% com a adequação obrigatória à RDC 653. A resolução da Anvisa entrou definitivamente em vigor em março de 2024 e dispõe sobre o transporte de medicamentos refrigerados e sujeitos a controle de temperatura.

“A complexidade que cerca esses fármacos impõe o uso majoritário do frete aéreo, ainda mais caro. E também convivemos com o aumento da concorrência. Hoje, o caminhão que operadoras logísticas e transportadoras utilizam para distribuir carga seca, atendendo demandas dos e-commerces, é o mesmo disponibilizado para o setor farmacêutico”, ressalta Marques.

Números sugerem deficiência de acesso a medicamentos

Embora o segmento de distribuição mantenha capilaridade nacional, o cruzamento de números de mercado sugere o desalinhamento operacional dos hospitais e deficiência de acesso a medicamentos.

De acordo com a Anahp – Associação Nacional de Hospitais Privados, o tempo médio de internação dos pacientes caiu de 4,5 dias para 4,1 dias em cinco anos. E em duas décadas, a participação dos medicamentos na relação geral de despesas do canal hospitalar despencou de 40% para 12%. Quase metade dos gastos passou a ser destinada à folha de pagamento e a despesas de hotelaria.

“Parte das justificativas dos gestores passa pelo alto custo dos medicamentos, o que afeta a disponibilidade e, consequentemente, acaba levando à liberação precoce de pacientes. É uma conta perversa que vem se transformando em uma bomba-relógio, em um Brasil com dimensões continentais e onde o índice de não adesão a tratamentos chega a 56%, contra 50% da média mundial”, adverte.

Abertura de diálogo com a indústria

A ABRADIMEX vem procurando abrir frentes de diálogo com as farmacêuticas, sobretudo as multinacionais. “Em função de imposições das matrizes, essas companhias são as menos flexíveis em relação a prazos”, aponta. Marques sinaliza dois caminhos possíveis para minimizar o problema – o aumento do limite de pagamento à indústria para 90 dias ou mais facilidade de acesso a descontos para ampliar as margens.

“Obviamente, compreendemos o peso que a pesquisa e a concepção de novos medicamentos representa para as finanças da indústria farmacêutica. Mas sem abertura para um diálogo multilateral que viabilize o compartilhamento de custos, o resultado final será agravado. Com mais pacientes tendo que recorrer a atendimentos emergenciais, sufocando tanto a rede privada como a estrutura do SUS, teremos uma sobrecarga geral no sistema e toda a cadeia sairá perdendo”, finaliza.

Notícias Relacionadas

plugins premium WordPress
error: O conteúdo está protegido !!