fbpx
O maior canal de informação do setor

Falta de dipirona afeta todos os estados do país, aponta Conasems

Ainda sob os efeitos da pandemia de Covid-19, tanto na saúde quanto no abastecimento de mercadorias, cidades do país enfrentam falta de medicamentos.

Segundo o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), uma ausência é comum a todos os estados: a falta de dipirona monoidratada 500mg injetável.

O remédio é um dos mais utilizados na rede de saúde, indicado para o tratamento de dor e febre.

O problema foi comunicado ao Ministério da Saúde há mais de um mês e o conselho ainda aguarda uma resposta. A CNN também procurou a pasta, mas não obteve retorno até o momento.

No Rio de Janeiro, nesta semana, o Conselho dos Secretários Municipais de Saúde (Cosems-RJ) lançou um alerta sobre a falta de remédios injetáveis e de soro fisiológico. ‘O drama do desabastecimento de medicamentos voltou a assombrar os gestores de saúde de todo o país’, diz a publicação.

Em uma consulta a entidades e secretarias do país, o Cosems-RJ aponta a dificuldade em relação a vários itens.

‘A rede hospitalar já contabiliza, em muitas cidades, a ausência de até 134 itens como por exemplo, o micofenolato, para prevenir rejeição em transplante de órgãos; a alfaepoetina, que combate anemia; e o ribavirina, empregado contra a hepatite C. Mais recentemente, foi a vez das farmácias do setor privado denunciarem faltas como antibióticos, medicamentos usados, por exemplo, para tratar pneumonia, otite e amigdalite’, divulgou o órgão.

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro afirmou que a falta desses remédios é um problema mundial e que realmente enfrenta dificuldades na aquisição de alguns itens, mas que, por enquanto, tem estoque, sem problemas nos atendimentos.

A dificuldade de aquisição não afeta somente a rede pública, mas também a privada, como confirmou Graccho Alvim, diretor da Associação dos Hospitais do Estado do Rio de Janeiro.

‘Realmente, alguns estão em falta e outros muito difíceis de se conseguir, inclusive para o público em geral, até para quem precisa de alguns tipos de antibióticos e medicamentos de uso comum. Acho que a Covid, logo depois a epidemia de influenza e a Ômicron causaram uma utilização muito maior desses antibióticos do que a indústria esperava’, colocou.

Nos hospitais, segundo Alvim, há dificuldade em se obter pré-anestésicos e antibióticos. Para uso pediátrico, há falta de amoxicilina, usada para tratamento de infecções bacterianas, inclusive em farmácias – situação relatada pelo Cosems-RJ e por Alvim.

Já a Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), que representa as grandes redes, diz não registrar o problema.

Pessoas ouvidas pela CNN no Rio de Janeiro relataram que tiveram problemas para adquirir, em farmácias, alguns antibióticos, como o Clavulin infantil e o Novamox.

O Clavulin é usado principalmente para o tratamento de infecções bacterianas nas vias respiratórias superiores, como ouvido, nariz e garganta (em especial sinusite, otite média e amigdalite) e infecções como bronquite crônica e broncopneumonia.

O Novamox também é ministrado para combater infecções bacterianas.

Enquanto o problema segue, os médicos tentam encontrar outros itens que substituam a função.

‘A indústria dá sinais que isso vai se normalizar em um, dois meses, mas é um problema muito sério para a população em geral. Além da inflação, com os medicamentos mais caros, ainda existe a falta’, colocou.

Vale lembrar que os produtos farmacêuticos subiram 6,13% no mês de abril, segundo dados do IBGE.

No caso da dipirona, fontes ouvidas pela CNN apontam que há uma dificuldade para compra.

A principal empresa farmacêutica que produz o remédio, responsável por quase 60% da produção da dipirona hoje no Brasil, anunciou uma pausa nas operações por questões de mercado e parou de distribuir o remédio para as redes pública e privada.

A Associação Brasileira da Indústria de Insumos Farmacêuticos (Abiquifi) aponta que o Brasil ainda sente os efeitos da pandemia na logística.

O presidente da entidade, Norberto Prestes, destaca que o lockdown na China voltou a gerar instabilidade. ‘A logística está bem complicada na China para trazer qualquer insumo em geral ou medicamento’, apontou.

Em São Paulo, desde o mês passado, o Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios, representante da rede privada, relata a falta de medicamentos, especialmente de dipirona, ocitocina, neostigmina, aminoglicosídeos e imunoglobulina.

‘O problema de abastecimento tem múltiplas causas, sendo a principal o conflito Rússia X Ucrânia, que dificultou as importações e causou aumento dos preços dos insumos. Soma-se ainda a dificuldade de liberação dos produtos nos portos e aeroportos devido a movimentos grevistas’, disse o médico Francisco Balestrin, presidente do SindHosp.

A CNN também procurou o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). O órgão confirmou que o abastecimento de alguns itens está irregular e verificou a necessidade de cuidados em torno da questão. Segundo o Conass, o Ministério da Saúde sinalizou que já está tomando providências internas para sanar os problemas.

A CNN também procurou o governo federal sobre a falta de remédios, mas não teve retorno.

Fonte: CNN Brasil

Cadastre-se para receber os conteúdos também no WhatsApp  e no Telegram

Jornalismo de qualidade e independente O Panorama Farmacêutico tem o compromisso de disseminar notícias de relevância e credibilidade. Nossos conteúdos são abertos a todos mediante um cadastro gratuito, porque entendemos que a atualização de conhecimentos é uma necessidade de todos os profissionais ligados ao setor. Praticamos um jornalismo independente e nossas receitas são originárias, única e exclusivamente, do apoio dos anunciantes e parceiros. Obrigado por nos prestigiar!
Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

viagra online buy viagra